segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

SPORTING NO MERCADO - Sugestões à sua medida.

Na esperança que o Couceiro e o agora secretário de estado, Costinha, leiam este post e seus comentários, deixo aqui um lista para aquisições de acordo com a capacidade económica do clube lagarto: Cebola, avançado com 1,80, 110 Kg de barriga de cerveja, joga no Petingas de Alpiarça e está em final de contrato; Jaquim Carapau, médio centro com 1,73 e 55kg, é assim conhecido porque só come os restos de carapau, do restaurante da sede do seu clube dos Amigos do Tinto, da A.F. de Faro, este jogador é um pouco mais caro, custa 20cêntimos e um almoço; Manel Manilhas, Defesa Central de 1,90m, e 100kg de músculo de carregar as manilhas da fábrica do pai, é alto o suficiente para o Polga e seu clube, FC Trocaopaço está disponível a negociar por troca com a grande promessa Maniche, Ti Tónio,de 45 anos, portanto dentro dos parâmetros definidos pelo Costinha, este lateral direito, especialista a beber vinho tinto que lhe dá um força extra no 1x1, joga no Cantinho da Tia Júlia e está também ele em final de contrato.
  Para terminar este rol de sugestões, embora pelo seu elevado preço de 2,5euros, arrumador em tempos livres, o famoso Zé Bisnaga, o tal pinheiro pretendido por Paulo Sérgio, com 2.05m e uma perna de pau que faz magia, joga no Calçada da Pampulha, sendo .também muito pretendido pelo Casais da Tina FC, e pelo Trolhas FC, sendo bom que o Sporting se apresse em garantir o concurso deste atleta, tal a feroz concorrência de clubes com outra autonomia financeira.
   Posto isto e perante tanta alternativa no mercado, julgo que existe no Sporting, uma clara falta de visão estratégica com tantos atletas por aí espalhados e com custos comportáveis para os cofres de Alvalade, aguardemos então até ao final do dia de hoje por novidades.

domingo, 30 de janeiro de 2011

TAÇA DA LIGA - Meias finais com derby.

---- Com nova paragem no campeonato, disputou-se durante o fim de semana a última jornada da fase de grupos da Taça da Liga, que em termos de apuramento não trouxe novidades, o Porto ficou de fora, perante um brilhante Nacionall que somou por vitórias os jogos disputados, na mesma linha o Benfica, que soube aliar muito bem uma gestão do plantel com os resultados na prova.
   Quem também carimbou o passaporte para das meias finais, foram o Paços de Ferreira, que depois de vencer em Braga, venceu agora a outra equipa minhota por 2 a 1, num percurso também assinalável e com boa qualidade futebolística, ao invés do Sporting, que apesar de se apurar, num grupo que era o mais acessível, esteve longe de ter uma boa produção, perdendo mesmo o derradeiro jogo no Estoril por 2 a 1, ficando provado que a sua segunda linha roça a vulgaridade.
DESP. AVES 0 BENFICA 4 - Um jogo de toada morna que acabou em goleada, o Benfica foi naturalmente superior, mesmo jogando de início com 2 habituais titulares, aproveitando ainda e muito bem, para dar minutos a um ainda deslocada Fernandez e a Jardel, já com outro ritmo de jogo e com uma exibição calma e concentrada.
    A equipa entrou decidida a resolver o jogo, mas foi atraiçoada pela pouca ligação dos jogadores que constituiam o onze, o que se compreende e pela boa organização do seu adversário.
    Invariavelmente os lances de maior perigo tinham a assinatura de Jara, cada vez mais a pedir maior utilização e a mostrar a Jorge Jesus ser uma alternativa muito válida, contudo, as oportunidades na primeira meia hora escassearam, até que num lance de bola parada, Javi Garcia abre o caminho para a vitória.
Na 2ª parte, houve mais Benfica, embora nos primeiros 15 minutos o ritmo de jogo fosse muito lento, contudo, a entrada de Salvio dinamizou a equipa e foi já com alguma naturalidade que numa boa iniciativa deste jogador, a bola sobra para Jara, que dispara fortíssimo para o golo.
   Se dúvidas ainda restassem estava encontrado o vencedor da partida, o qual ficou ainda mais vincado com a entrada de Nuno Gomes, que com um golo que bem mereceu, pela sua postura de sempre no clube e pelo carinho que tem dos seus companheiros, mas não satisfeito, Nuno Gomes, assiste ainda Felipe Menezes para o melhor golo da noite, fechando as contas do jogo e do apuramento.
    Pela positiva: Jara, a aproveitar de novo a oportunidade que o treinador lhe vai concedendo e o golo e a assistência de Nuno Gomes, pelo carisma, pela postura irrepreensível, o Nuno merece.
   Pela negativa: Kardec, outra oportunidade falhada e a provar que tem de rodar para ganhar consistência no seu jogo, a sua exibição foi de novo sem categoria e penosa.
Arbitragem de Carlos Xistra - Se técnicamente teve erros sem serem graves, apesar do grau de dificuldade do jogo ser quase nulo, disciplinarmente ninguém entendeu que critério usou.
    Posto isto, as meias finais vão ser de derby, um sempre apetecível derby e apesar da maior valia da equipa do Benfica, não é a primeira vez que a lógica nestes jogos deixa de imperar, daí a sua beleza e tradição.
    Julgo contudo, que um Benfica ao seu nível, atendendo àquilo que as equipas têm apresentado, se pode considerar favorito, só um Sporting a um nível muito superior poderá aspirar a eliminar o Benfica em plena Luz, mas como disse, derby é derby, nem que seja a feijões ninguém o quer perder.
   Na outra meia final vamos ter um Nacional - Paços de Ferreira e qualquer das equipas merece o prémio da final e quem a atingir, certamente fará o jogo da sua vida, o que só irá dignificar um prova ainda muito pouco credibilizada e que sinceramente, apesar de querer que o meu clube ganhe qualquer jogo e competição em que entre, a mim não me fascina nem me causa a emotividade de outras provas.

sábado, 29 de janeiro de 2011

APÓS O LUTO - As incidências da semana.

--- Cumprido o luto deste blogue, contra esta Liga comprada, de uma falta de vergonha inigualável, eis que a Catedral do Desporto, retoma a sua actividade, sempre com a coragem de denunciar sem meias palavras, os podres do nosso futebol, cujo principal suspeito é sempre o mesmo.
     Durante este período, factos houve, dignos de registar e que demonstram bem o comprometimento de certas pessoas ao poder, falo neste caso em particular do sr. Vítor Pereira e escrevo senhor com letra muito pequena, porque lamentavelmente, o seu comportamento subserviente e de obediência ao poder, ficou mais que evidente com as suas infelizes, para não dizer tristes, palavras na sua análise aos erros de arbitragem dos últimos jogos da Liga.
    A lata deste senhor é tanta, que se dúvidas houvessem em relação ao que sempre afirmei, que esta liga está ferida de morte à sua nascença, tal o compadrio e serventia para com o F.C.do Porto, que escandalosamente, Vítor Pereira, teve a coragem de afirmar que o Benfica tem sido mais beneficiado que prejudicado, tomando como prova, o jogo com o Rio-Ave, em que o Benfica venceu categoricamente por 5 a 2, tudo isto porque o 4º golo encarnado, foi precedido de falta de David Luiz sobre o guardião adversário, um lance sem qualquer tipo de influência em relação ao vencedor da partida e por causa do golo do Benfica frente a Académica de Coimbra, claramente em fora de jogo, não realçando com a mesma veemência, as 2 grandes penalidades evidentes por marcar a favor do Benfica, sendo que numa delas, Fábio Coentrão, ainda foi penalizado com um cartão amarelo.
   Posto isto, sinceramente, alguém que me explique aonde está o favorecimento do Benfica? É que ainda não consegui perceber, o que lamento, é que perante tanta grande penalidade, que vai decidindo jogos a favor do clube que tão bem serve, como esta última frente ao Beira-Mar e que deu mais 3 pontos indevidos ao Porto, nem uma palavra, não o consegui ouvir dizer que o Porto tem sido mais beneficiado do que prejudicado, facto esse que demonstra bem que Vítor Pereira não está ao serviço da arbitragem e trata os clubes de forma bem diferenciada, até porque é evidente para todos que ficou estabelecido que o Porto será o campeão 2010/11, infelizmente e mais uma vez, sem mérito e sim com jogo sujo.
   Estas palavras de Vítor Pereira, a mim não me causaram quaisquer espécie de surpresa, porque já antes, ele havia ameaçado com todas as letras o Benfica, quando afirmou publicamente que o Benfica teria mais a perder por reclamar com as arbitragens do que a ganhar.
    Outro facto marcante da semana, foi a abertura de um inquérito, por parte da Comissão Disciplinar da Liga, em relação aos incidentes do Benfica - Nacional, dizem eles em razão do interesse público!!!, sinceramente, gostaria que explicassem a que interesse público se referem, até porque, acho estranhíssimo, que quando na mesma jornada, há um treinador da U. Leiria, que afirma publicamente, que foi agredido por jogadores e directores do Paços de Ferreira e esse facto não seja considerado de interesse público, estamos assim perante um caso de dois pesos e duas medidas.
    Não é que eu discorde com a abertura desse inquérito, concordo, até por uma questão de coerência, porque se eu censuro qualquer tipo de violência nos outros clubes, também o faço quando é o meu que está envolvido, inclusive, lamento profundamente que Jorge Jesus tenha perdido as estribeiras, isso não é consentâneo com o lugar que ocupa, nem com o clube que representa.
   No entanto, o que lamento, é que todos aqueles que acharam um atentado o castigo de Hulk, sejam agora, os mesmos que reivindicam uma pena ainda maior a Jorge Jesus, assim com lamento ainda mais, que o jogo do Leiria - Paços de Ferreira, com situações bem mais graves a serem relatadas, não só não seja considerado de interesse público para esta Comissão Disciplinar, como mais grave ainda, passe impunemente, sem que nada tente ser apurado, isso é simplesmente tratamento desigual, talvez por interesse não público, mas estratégico de alguém, não deixando ainda de registar com curiosidade, que este seja o primeiro inquérito aberto por este órgão, com base em imagens televisivas, tendo mais uma vez, à semelhança da questão dos sumaríssimos, como cobaia o Benfica.
   Dizem agora alguns "experts", que é estranho que nos episódios de violência tenham como denominador comum o Benfica, legítimo esse raciocínio, o que não é legítimo, pelo menos moralmente, é essa mensagem vir do lado de pessoas ligadas ao F.C, do Porto, pela simples razão de ser o clube que mais intimamente está ligado ao que de mais podre se passou no futebol português nos últimos 30 anos, mas por outro lado, não me espanta, pois é também gente desse clube que tentou alcunhar o campeonato da época passada, como o campeonato dos túneis, quando o túnel das Antas é não só o mais famoso do país, como foi aquele que mais episódios negros e graves teve no futebol, mas que à semelhança de tantas e tantas outras coisas, foi branqueado e passou impunemente.
   Contudo, eu também tenho a legitimidade de achar, que não deixa de ser estranho, que os episódios que se passam com o Benfica, tenham como denominador comum, só clubes com estreitas e até suspeitas ligações ao F.C. do Porto, porque eu não vejo o Benfica a ter problema algum com clubes como o Sporting, Guimarães, Portimonense, Paços de Ferreira, Marítimo, Setúbal, etc, etc, vi sim os jogadores do Benfica a serem selvaticamente agredidos por jogadores do Braga, quando os presidentes de Braga e Porto assistem aos jogos juntos, almoçam e jantam juntos, delineiam estratégias, etc, etc, o que vi, foi os jogadores do Porto a baterem na Luz em tudo o que mexia e o que vi, foi Ruben Micael a fazer queixinhas e na semana seguinte a ser apresentado como jogador do Porto, ou seja, para mim, isto é tão somente um denominador comum.
    Para confirmar e legitimar ainda mais, a minha ideia de denominador comum, basta verificar, que curiosamente ou talvez não, na cimeira da Liga, que reuniu todos os Presidentes dos clubes, eis que aqueles que faltaram, foram precisamente os presidentes do Porto, Braga, Nacional e Olhanense, realmente ele há coincidências levadas da breca.
   Excelente a estratégia comunicacional do Porto durante a presente semana, aproveitando-se de um erro lamentável de Jorge Jesus, resultou na perfeição, porque as atenções foram desviadas para o seu envolvimento com Luís Alberto do Nacional, em vez de incidirem no facto mais marcante e com claros reflexos na verdade desportiva, com mais um roubo em Aveiro que deu indevidamente mais 3 pontos ao Porto, é que esse penalti (mais um) fantasma sobre Hulk deu 3 pontos, os desacatos da Luz não deram pontos extra e em termos classificativos, é isso que faz toda a diferença e isso sim é marcante em termos de verdade. 
  Para terminar, gostaria de destacar mais um facto relevante desta semana, as declarações do treinador do Beira - Mar, Leonardo Jardim, em relação a esta última jornada da Taça da Liga, afirmando que quer dignificar a prova e não quer ser o último do grupo, por isso, a sua equipa vai alinhar com o melhor onze.
   Nada disto seria relevante, não fosse o facto de enquanto a sua equipa teve hipóteses de ser apurada, ignorou a prova e jogou com os atletas menos utilizados, agora que a sua equipa já está afastada das meias finais, a prova, de repente, tornou-se prioridade, é no mínimo estranho, não fosse o facto do Porto depender da sua equipa para passar, logo na semana em que foi elogiado por Pinto da Costa.
   Para compor ainda mais o ramalhete, eis que na última jornada do grupo, os árbitros nomeados para a última jornada, são ambos do Porto, preparem-se porque algo de estranho nos espera.    

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

A CATEDRAL DO DESPORTO INICIA LUTO - Por uma semana.

--- Perante a tamanha palhaçada que se tornou a edição desta Liga Portuguesa, a Catedral do Desporto, inicia a partir de hoje, uma semana de luto, em nome da verdade desportiva, sem fazer como forma de luto qualquer post e convida todos aqueles que primam por esse valor, que se juntem a este espaço, só assim, esta medida pode ter impacto, só assim, podemos mostrar o quanto estamos fartos deste futebol comprado a que assistimos impávidos e serenos, semana após semana.
   Desde os anos 80 e 90, que não assistia a tamanha vergonha, o que está a acontecer no nosso campeonato, passou todos os limites do razoável e obriga-nos a pensar que aquilo a que vamos assistindo nos relvados, não passa de uma autêntica fraude, porque tudo se decide fora do terreno de jogo.
 Depois de Pinto da Costa, ter anunciado por parte do Porto, a contratação de Elmano Santos, eis que   num autêntico golpe de teatro, a contratação que apareceu foi a de João Ferreira e perante tanto nome sonante que este clube vai contratando, jornada após jornada, torna-se impossível a qualquer outro clube, atingir a conquista deste campeonato, pois este evidente investimento no reforço da equipa, é inacessível a qualquer outro clube.
   Não satisfeitos com uma Federação ilegal, com uma Liga incompetente e vendida, temos ainda um campeonato comprado e mentiroso como nunca vi e sendo isto para alguns um motivo de regozijo, é para mim um motivo de vergonha.
   Enquanto a classe dirigente desportiva, vai mostrando a sua feira de vaidades, assobiando para o lado, conivente e participante nesta farsa, a consequência são os estádios cada vez mais vazios e as pessoas cada vez mais distantes de um futebol mentiroso, com campeões decididos prematuramente, facto esse que não lhes causa qualquer preocupação, o que por si só, é um sinal inequívoco que andam neste desporto para se servirem dele e os compadres e não para servir o futebol, como seria sua obrigação.
   Perante este cenário, farto de tanta aldrabice e enojado com a mentira do nosso campeonato, de nada me serve comentar jogos, porque tudo isto é pré definido e decide-se ainda antes dos jogos começarem, como tal comentar jogos é mentir às pessoas e mentir a mim mesmo e eu recuso-me a isso.
   No meio de todo este cenário negro que grassa no futebol português, a única coisa que me vai dando algum conforto, é ver  que alguns rostos da maior podridão e corrupção, por mais intocáveis que se tenham julgado já sucumbiram e outros seguirão o mesmo caminho, porque não há imortais, tendo eu a firme convicção que há uma justiça que eles nunca comprarão, a divina e aí, vão finalmente ter de prestar contas.
   Lamentavelmente ainda, é ver que aqueles que tanto primam pela sua honradez, que se dizem os intocáveis, donos da verdade e que quando existe um qualquer erro de arbitragem em benefício do Benfica, logo aparecem em todo o tipo de comunicação social a apregoar aos sete ventos. Onde estão agora esses senhores? Onde andam agora os Rogérios Alves, Dias Ferreira, Barrosos e afins? No mais completo silêncio, que só pode ser interpretado numa de duas maneiras, ou são submissos e coniventes com esta liga comprada, ou então pelo seu síndrome Benfica, na incapacidade de com ele ombrearem, vêem no Porto, mesmo que por caminhos sinuosos, aqueles que tomam o seu lugar, num autêntico sinal de pequenez e incapacidade que os deveria envergonhar.
   Aqueles que durante a época passada, tanta incredulidade mostraram com os penaltis a favor do Benfica, são os mesmos que agora ignoram os a favor do Porto, com uma diferença abissal, enquanto os do Benfica, na sua maioria, foram marcados, coma equipa em vantagem no marcador ou com os jogos já decididos, após goleadas notáveis, os do Porto, são na sua maioria inexistentes, servem para conquistar pontos e decidir jogos, não deixando se ser curioso, que só nesta temporada, o Porto já tem tantos penaltis a seu favor como o Benfica em toda a temporada anterior.
   Por tudo isto, é tempo de parar, de dizer basta, para mim o futebol português nos estádios acabou, porque simplesmente já não acredito naquilo que estou a ver, porque neste momento o nosso futebol está corrompido e eu não posso ajudar a sustentar uma máfia que se apoderou de um desporto que tanto amo.
   Repito o apelo, juntem-se a este blogue no luto por uma semana, contra a corrupção que grassa o nosso futebol, só assim haverá um impacto mediático que possa eventualmente extravasar a blogoesfera e a nossa revolta atingir outros níveis.

sábado, 22 de janeiro de 2011

DE REGRESSO À LUZ - Margem de erro zero.

--- Depois de dois jogos seguidos fora para a Liga, o Benfica regressa a casa, onde hoje pelas 21H15 defronta o Nacional da Madeira, num jogo com bons condimentos para um grande espectáculo.
    A margem de erro do Benfica é zero, ainda para mais, quando esta semana, tivemos a confissão pública de Pinto da Costa, que costuma comprar árbitros, algo que não apanhou ninguém de surpresa, porque era um facto já do conhecimento de toda a gente, o que pode ter espantado, foi o a vontade com que ele o assumiu publicamente, noutro país, ou melhor, num país a sério, depois da sua confissão, teria de se apurar todas as suas habilidades para com os homens do apito, mas depois dos resultados do apito dourado, só um parvo não teria o à vontade necessário para confirmar todas as ilegalidades que vem cometendo.
   O descaramento é tanto, que o André Villas Boas, afirma esperar um bom desempenho de João Ferreira e todos sabemos, qual a noção de bom desempenho para aquelas bandas.
   Contra tudo isto, tem de lutar o Benfica e a sua capacidade de afirmação só pode residir em vitórias nos seus jogos e hoje, é daquelas oportunidades que não podem ser desperdiçadas.
   O Benfica está claramente em crescendo, é hoje uma equipa mais sólida, confiante nas suas capacidades e que por essa via cria mais facilmente desiquílibrios nas defesas contrárias, embora, na minha opinião, continue distante da equipa da época passada, aliás, esta equipa nunca pode vir a ser igual, porque os interpretes são outros, também com qualidade, mas de características diferentes.
   Por este motivo, os seus adeptos, não podem eternamente fazer comparações com a temporada transacta, o que têm de fazer, é continuar a apoiar a equipa, aceitando as suas características e valor actuais e criar uma imensa onda humana que ajude o Benfica a lutar contra as muitas adversidades que surgirão até ao fim do campeonato, de preferência começando já hoje, compondo o Estádio da Luz com uma grande assistência e um fervoroso apoio à equipa.
    Parece que o Benfica está a negociar David Luiz para o Chelsea, normal, porque o Benfica infelizmente tem necessidade de ser um clube vendedor e se na verdade é com muita mágoa que vejo este jovem partir, por outro lado, creio que o Benfica tem no seio do seu plantel alternativas válidas, só lamento que num momento em que o Benfica pretende recuperar os seus 8 pontos de atraso e se afirma tão empenhado nesse objectivo, se desfaça de uma das suas mais valias, o timing não é o melhor e creio que o jogador poderia ser segurado até ao final da presente temporada.
   Por seu lado, o Porto, tem hoje um jogo em teoria complicado, joga contra um Beira - Mar que na minha opinião, tem sido a grande surpresa desta Liga, pelo parco investimento e a boa qualidade futebolística que apresenta.
   Neste jogo reside também alguma esperança benfiquista de um tropeção do líder, mas eu, ao contrário de alguns, não acredito que o Porto escorregue, porque pura e simplesmente, em caso de necessidade, surgirá um daqueles reforços à Pinto da Costa para resolver a contenda a favor do Porto, um filme já muito visto esta temporada e que será revisto ainda muitas mais vezes.
   Já o Sporting, longe de qualquer decisão, tem mais um confronto complicado num momento muito conturbado da sua vida, de facto, jogar na Madeira, frente ao Marítimo, é sempre um jogo de elevado grau de dificuldade, ainda para mais, quando a equipa leonina, continua muito longe de convencer até os seus adeptos mais optimistas.
    Julgo que neste momento, mais que aspirar ao 2 º lugar, pela fraca qualidade da sua equipa, o Sporting deve pensar em manter a sua posição na tabela classificativa porque não pode suspirar por mais e eu estou convencido que mais uma vez, a equipa de Alvalade vai perder pontos.
   Espera-nos pois uma jornada com jogos emotivos em perspectiva e seria bom, para bem do futebol, que a jornada decorresse na mais completa normalidade, sem os "fait-divers" do Villas Boas, que classificando as arbitragens desse modo, não deixa de ser curioso que seja quem mais fala delas.
  Espero ainda que hoje na Luz, tenhamos uma grande assistência, porque a equipa começa a fazer por isso e precisa de sentir que os seus adeptos reconhecem o bom momento actual e que estão em completa sintonia, mas mais do que isso, desejo mesmo é que o meu Benfica ganhe.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

TAÇA DA LIGA - A um pequeno passo das meias finais.

--- Num jogo fraco, muito ao nível desta competição, o Benfica cumpriu por um lado a sua obrigação, vencendo com justiça e por outro lado, cumpriu ainda o objectivo de rodar os seus atletas, com especial destaque para Jara, que desde há algum tempo a esta parte, já merece uma oportunidade para jogar mais, ao invés, Kardec, é um jogador que cada vez me convence menos.
BENFICA 3 OLHANENSE 2 - Ambas as equipas optaram pela utilização de jogadores menos utilizados e na fase inicial do jogo, foi a equipa algarvia quem mais saiu prejudicada desse facto, porque o Benfica entrou bem na partida, pressionando muito no meio campo adversário, conduzindo o jogo em sentido único, principalmente nos primeiros 30 minutos.
   Desse domínio resultaram 2 golos e mais poderiam ter sido apontados, com natural destaque para a qualidade da finalização de Jara, sempre o mais inconformado e abnegado na linha da frente.
   Com a vantagem de 2 golos, o Benfica afrouxou, talvez julgando um adversário até aí inofensivo, moribundo, atitude essa que acaba por galvanizar os adversários, que sentindo o Benfica menos pressionante, começaram a conseguir trocar a bola, reduzindo o marcador à beira do intervalo, num golo irregular, apontado por Djalmir, que usou o seu braço direito para amortecer a bola, mesmo nas barbas de um auxiliar que porvavelmente estava a coçar o olho.
  Na 2ª parte, a intensidade do jogo diminuiu muito, factor que aliado às entradas de Jorge Gonçalves e Fernando Alexandre, permitiu que o Olhanense regressasse ao jogo, pelo que não espantou que o empate surgisse, após uma penalidade cometida por Moreira e convertida por Rui Duarte.
    Com a partida empatada, o Benfica acordou de novo para o jogo, mas não o fez sem que Jorge Jesus tivesse de recorrer a 2 habituais titulares, Salvio e Gaitan, não só porque alguns jogadores devido ao pouco ritmo, acusaram um desgaste natural, como também para despertar a equipa e resultou em pleno, com Salvio a resolver o jogo com um golo de belo efeito.
   Daí até ao fim, o jogo perdeu todo o interesse, acabando com um natural e justo triunfo do Benfica.
  Uma das coisas que muito me agradou, num plantel que alguns quiseram fazer crer estar dividido, foi após o 1º golo do Benfica, os jogadores erguerem a camisola do Ruben Amorin para o público, num gesto bonito, que define um plantel.
Pela positiva: A exibição de Jara, apostado em mostrar que merece muitos mais minutos e Salvio, com um golo de enorme classe.
 Pela negativa: Kardec, uma nulidade, que se limita a tapar o lugar a miúdos da formação com muito mais valor e o comportamento ridículo e vergonhoso do público para com César Peixoto, é bom que se olhem ao espelho e reconheçam a inutilidade da vossa presença na Luz.
   Arbitragem de Soares Dias - desiquilibrada num jogo extremamente fácil de dirigir, com um erro grave e crasso, ao validar o golo da Olhanense.
Mudando de assunto, já todos sabem que no futebol português há um palhaço - mor, uma espécie de chico esperto bem portuga, que no alto da sua presunção e mania das grandezas, ciente da sua impunidade, uma pouco à semelhança do velho Al Capone, querendo ser engraçado, se desgraça ao fugir-lhe a boca para a verdade.
   O palhaço - mor, conseguiu elucidar todos aqueles que leram as suas declarações, que de facto, se mexe bem no meio que mais gosta, o da arbitragem, informando os sequiosos de uma palavra sua, normalmente balbuciada sem grande nexo, que contrata homens do apito e que as suas baterias não estão apontadas para Salvio, mas sim para a contratação de Elmano Santos.
   Ao ler isto, encontrei logo uma enorme contradição, porque o que ele quis dizer, não era que estava interessado em contratar Elmano Santos, mas sim que estava interessado em renovar-lhe o contrato, porque toda a gente sabe que Elmano Santos, há muito que foi contratado, aliás como um lista bem intensa de outros Elmanos e que muito têm contribuido para o enriquicimento do museu do seu clube.
   Mais uma vez, o Presidente dos azulinhos e branquinhos, qual especialista em aconselhamento matrimonial, mostrou que sabe da poda, que investe no local certo, há hora certa e essa é a melhor ilação que se pode depreender das suas palavras, já não são precisas escutas para o confirmar, agora basta ouvi-lo e olhem que não é em confissão é mesmo em público.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

ACTUALIDADE BENFIQUISTA - Dos direitos de transmissão, à competição.

--- Não me querendo alongar muito sobre assuntos dos quais não tenho grandes conhecimentos, quer técnicos, quer académicos, o momento actual do Benfica, passa pela importância vital para o clube, da negociação sobre os direitos de transmissão do clube.
   Parece-me a mim, que há dois princípios fundamentais neste negócio, por um lado, a valorização da marca Benfica e do "sharing" dos seus jogos, para se conseguir o melhor contrato de sempre nesta matéria, por outro lado, há que ter em atenção, que o mercado português, por ser pequeno, não oferece grande variedade de negociação, ou seja, poucos grupos empresariais nesta área existem, com capacidade financeira suficiente para que os direitos de transmissão dos nossos jogos entrem num leilão, o qual poderia beneficiar em muito o clube.
   Tenho ouvido as mais variadas críticas sobre a renegociação desse contrato com a "Olivedesportos" por um lado e por outro, uma nova empresa que tem por trás entre outros Emídio Rangel, críticas essas feitas pelos mais variados motivos,infelizmente, mais de carácter emocional que racional, pois eu sou a favor que qualquer empresa que faça uma proposta, ela deve ser devidamente analisada, pelo motivo que atrás referi da pequena dimensão do mercado nacional e deverá ficar com esses direitos, aquele que pagar mais, na defesa dos superiores interesses do clube.
  Por outro lado, relembro que a margem de escolha é reduzida, pois para além da "Olivedesportos", desta nova empresa que ainda não o é, pouco mais há por onde escolher, valendo-nos neste caso o mais importante trunfo que os nossos rivais não têm, a Benfica TV, ou seja, caso ninguém se aproxime dos valores exigidos pelo clube, será o nosso canal a ficar com os direitos de transmissão e a ser ele a negociar o retorno financeiro da publicidade que é quem paga a quem paga pelas transmissões televisivas, com os lucros que se conhecem e julgo que provavelmente, o Benfica poderia lucrar muito mais com os jogos transmitidos no seu canal, a serem pagos por ventura com valores mais altos, pela publicidade que passaria antes, no intervalo e depois dos jogos.
   Portanto, a minha visão é esta, em virtude da minha ignorância no ramo, mas folgo em ver por essa imensa blogoesfera encarnada, que existem os mais variados especialistas na matéria, pena que os seus argumentos sejam puramente emocionais, quando em negócios deve sempre imperar a razão.
   Outra actualidade marcante no clube, tem a ver com as anunciadas contratações, algumas confirmadas, outras nem tanto, visando a época 2011/12 e sinceramente, custa-me entender mais uma vez as reiteradas críticas à direcção, pelo simples facto, dela ter sido acusada de não ter preparado o reforço da equipa atempadamente na época em curso, agora que o faz, critica-se, enfim, vamos lá entender este tipo de coerência.
   Eu concordo em absoluto com 2 coisas neste assunto reforços: em 1º lugar, a redução de custos no reforço da equipa, dando total preferência a reforços com potencial a custo zero, pois como se viu, gastar muito pode não ser sinónimo de muito sucesso, há antes que gastar bem, em 2º lugar, a preparação atempada, na compra de substitutos com qualidade, às possíveis saídas que se adivinham no final da temporada, nomeadamente David Luiz, Coentrão e possivelmente Cardozo, só assim, poderemos reentrar fortes e com a estrutura da equipa montada no começo da pré temporada, ou seja, preparar a época seguinte de forma atempada, é para mim uma virtude e nunca um defeito, se bem que nestas coisas do futebol, tudo está bem quando a bola não bate no poste.
   Convém ainda salientar, que a rodar noutros lados, temos muita juventude com classe e categoria para na próxima época se impor no clube, refiro-me só para citar alguns, a Urreta, Rodrigo, David Simão, Miguel Rosa e Nelson Oliveira e espero sinceramente, que de uma vez por todas, se aposte também nos grandes valores da nossa formação que aqui estão mencionados, factor essa que seria também ele, uma clara inversão na política do clube, o que para mim, seria um sinal extremamente positivo.
  Mais importante que tudo isto, é a competição e as mais variadas frentes em que o Benfica, se vê envolvido e felizmente, ainda está em todas as frentes, num sinal claro de que todos aqueles que pediram a cabeça de Jesus, erraram, ficando mais uma vez provado que o pior erro que uma direcção pode cometer, é o de dar ouvidos à sua massa adepta, porque esta apenas consegue agir com o coração e pensar com o coração é normalmente sinónimo de erro crasso, basta olhar para o vizinho Sporting, pena que alguns adeptos do Benfica, sejam normalmente de memória curta e não saibam aprender com os próprios erros e com os alheios, tenho para mim, que isso é sinal de burrice.
   Por falar em competição, vem aí a 2ª jornada da Taça da Liga, prova em que o Benfica, por força da sua tradição na prova, tem uma acrescida responsabilidade em defender bem o seu troféu, contudo, tal facto, não invalida que haja provas prioritárias, como tal, cabe à equipa técnica, fazer uma adequada gestão dos meios ao seu dispor e parece-me a mim, que num plantel com o selo de qualidade do Benfica, existem muitas e boas alternativas válidas, motivo pelo qual, suponho que frente à Olhanense, iremos ter uma equipa alternativa em campo.
  A minha aposta, só pelo prazer de lançar um onze, será: Moreira, Maxi Pereira, Sidnei e Roderick, Peixoto, no meio campo, Javi Garcia, Aimar, Fernandez(estreia) e Carlos Martins, na frente Jara e Kardec, ora com um onze destes, tenho ou não razão para acreditar neste plantel?

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

BENFICA CONTINUA NA LUTA - Em jornada de hecatombe leonina.

--- Foi uma jornada que ficou irremediavelmente marcada pela crise no Sporting, com a demissão do seu Presidente, que previsivelmente, mais tarde ou mais cedo iria acontecer.
   Quanto ao resto, depois da vitória do Porto, outro cenário não poderia ser equacionado para o Benfica que não a sua vitória e se é verdade que o golo do triunfo benfiquista foi marcado irregularmente, também é verdade, que mais uma vez, ficaram 2 penaltis claros por marcar a favor do Benfica, pelo que a questão que aqui deixo é, afinal de contas, quem foi o mais prejudicado? Fica à vossa consideração, eu não tenho quaisquer duvidas.
     Esta partida ficou ainda marcada pela expulsão de um jogador academista, aí, nada a dizer, se o lance de Pape Sow não é agressão, então agradeço que alguém me explique o que é uma agressão no futebol, porque para além do gesto perfeito de um grande karateca, o jogador da Académica, esticou bem o pé junto ao rosto de Cardozo, para ter bem a certeza que o seu golpe não falhava e não falhou.
ACADÉMICA 0 BENFICA 1 - Um jogo com fases bem distintas este, um início muito forte do Benfica, com variadas situações de golo para matar o jogo e uma outra fase marcada por um perigoso adormecimento da equipa e que podia ter saído bem caro, porque com um resultado magro, nunca se pode menosprezar o poderio do adversário, mesmo quando este está reduzido a 10 unidades, valeu por isso o resultado que foi o mais importante.
    Já antes do golo, repito que obtido de forma irregular, o Benfica tinha desperdiçado duas boas chances de marcar e após a vantagem no marcador, sucedeu o mesmo, com as situações mais flagrantes a serem desperdiçadas por Sálvio com a baliza escancarada e por Martins mesmo na cara do guarda-redes, foi o culminar de meia hora de grande qualidade.
   Depois deu-se o lance de uma expulsão indiscutível e com ela o relaxamento do Benfica, cujos jogadores devem ter pensado que mais cedo o mais tarde a questão se resolveria.
Na 2ª parte, em superioridade numérica, julgou-se que o Benfica iria tentar resolver a contenda o mais depressa possível e de facto notou-se a intenção, só que tudo era feito de forma lenta e muito denunciada, o que facilitou em muito o reduto defensivo do adversário, que vendo o relaxamento do opositor, começou a acreditar ser possível o empate e se é verdade que pouco fez para isso, sempre que o fez, fê-lo com perigo, tendo mesmo Roberto visto uma bola a bater no poste direito da sua baliza.
    Curiosamente, essa lance teve o condão de alguma forma despertar um pouco mais o Benfica, que respondeu também com uma bola ao poste, após cabeceamento de Luisão, contudo, o jogo caminhava para o seu final com um Benfica que me pareceu algo cansado e uma Académica, na fase final do jogo algo incapaz.
  Posto isto, longe de algum brilhantismo, julgo que o Benfica foi um justo vencedor, pena a forma como o golo foi obtido, no entanto, fosse a penalidade sobre Fábio Coentrão, que ainda por cima viu amarelo, assinalada, ou a mão descarada e nas barbas do auxiliar de Elmano Santos, sido também assinalada e por ventura, o resultado seria na mesma um triunfo encarnado.
  Não posso terminar a análise ao jogo sem referir isto: Obviamente ignoro completamente aqueles que percebem mais de aconselhamento matrimonial, viagens e fruta do que de futebol, simplesmente porque quem viu e ouviu tudo aquilo que esse clube fez de nocivo ao futebol, nunca mais terá um pingo de moral para dizer seja o que for, a não ser, como é apanágio das gentes daquele clube dos azulinhos e branquinhos, já não tenham um pingo de decoro, assim como quem já marcou um golo sem a bola entrar, alcunhado pelo sr. Vitor Pereira, como o golo da luva branca, se calhar também pouco tem a dizer.
 Pela positiva: A meia hora inicial do Benfica, com um bom fluxo de jogo atacante e algumas excelentes oportunidades de golo.
  Pela negativa: O desperdício de oportunidades na 1ª parte, o relaxamento excessivo do Benfica na 2ª parte e a arbitragem desastrosa e um péssimo árbitro.
Arbitragem de Elmano Santos, com muitos erros graves para um só jogo. Num jogo com muitas situações complicadas, apenas acertou na expulsão de Pape Sow, de resto, mal ao validar o golo do Benfica e mal ao ignorar duas evidentes grandes penalidades contra a Académica.
  SPORTING 2 P.FERREIRA 3 - Um grande jogo de futebol que infelizmente não teve um árbitro à sua altura.
   Este jogo ficou marcado pela demissão do Presidente leonino, que incapaz, vendo o barco a naufragar, cobardemente, foi o primeiro a abandonar o navio, o que para quem foi eleito com quase 90% dos votos, é no mínimo uma decisão de grande cobardia, mas isso é um problema do Sporting e sinceramente é algo que não me preocupa minimamente.
   O jogo começou com a equipa de Alvalade a entrar bem no jogo, com Liedson a desperdiçar a 1ª oportunidade de golo, mas foi sol de pouca dura, a partir dos 10 minutos, era já o Paços que controlava o jogo e que parecia mais apostado em chegar ao triunfo, tal a incapacidade do meio campo leonino na recuperação da bola.
  Por isso, não espantou ninguém que o Paços chega-se ao golo, o que certamente não se esperaria, era que o golo fosse uma bomba a 40 metros da baliza, um golão, daqueles que acontece uma vez na vida de um atleta.
   Reagiu muito bem o Sporting, essencialmente pela acção de Valdez, que com uma exibição notável e muito acima dos seus companheiros, carregou em todos os momentos do jogo a equipa as costas e foi precisamente numa recarga a um remate seu, que Liedson recargou para o tento do empate.
   Depois começou o desastre da actuação de Luis Catita, ao inventar um penalti para o Paços, num lance em que Polga se encolhe e Randon provoca o contacto e simula a queda e assim o Sporting viu-lhe ser marcado uma penalidade existente, em vez de ver o avançado pacense amarelado, disso se aproveitou Manuel José que não desperdiçou.
   Esse lance, até por ser já perto do intervalo, foi um duro golpe para uma equipa já de si permeável e muito intranquila.
   Na 2ª parte, a equipa de Alvalade voltou a entrar bem no jogo, mas o Paços, nunca foi uma equipa acomodada, jogou sempre o jogo pelo jogo, tendo mesmo por vezes instalado o seu domínio no meio campo adversário, contudo e justamente, foi o Sporting quem chegou ao empate, com Valdez (mais uma vez) a assistir primorosamente Salomão para o tento do empate.
   Pensou-se que seria agora que o Sporting partiria em definitivo na busca dos 3 pontos, puro engano, foi o Paços que caiu em cima do Sporting e parecia mais interessado em vencer e o que assistimos foi a um Paços em ataque continuado, com momentos de grande superioridade no jogo e um Sporting a actuar em lances de contra ataque, criando assim algumas boas oportunidades, mais por iniciativas individuais do que através de um futebol colectivo.
   Depois chegou mais um momento do jogo, Saleiro reclama penalti e na verdade foi puxado por um defensor pacense, mas pareceu-me a mim, que Saleiro ganha posição em falta, afastando o seu adversário com o braço no rosto deste, contudo admito que este seja um lance muito discutível.
   A verdade é que o jogo estava empatado e quem dominava era o Paços, que depois de várias ameaças e boas intervenções de Rui Patrício, chega ao justo triunfo por Pizzi, que sozinho à entrada da área, chutou forte e colocado.
  A partir daqui, a história do jogo resume-se a um coro de assobios e insultos, quer ao treinador, jogadores, mas principalmente ao Presidente, que não aguentou a pressão, demitiu-se, diria mesmo que só falta agora o FMI entrar em Alvalade.
  Pela positiva: E exibição notável de Valdez, sempre muito acima dos restantes companheiros e a personalidade e qualidade do futebol pacense, que em alguns momentos deu baile.
  Pela negativa: A péssima exibição de Luis Catita, cuja arbitragem teve clara influência na marcha do marcador e a terrível incapacidade e falta de personalidade da equipa do Sporting.
Arbitragem de Luis Catita, medíocre, com um penalti inventado a favor do Paços, com u lance duvidoso na área pacense e um critério disciplinar que ninguém percebeu, com claro prejuízo para os de Alvalade.
  PORTO 3 NAVAL 1 - Não vi este jogo, porque estive a ver um bem mais interessante, o Almeria - real Madrid, contudo e pelo que já li hoje, foi uma vitória justa do Porto, carimbada por Hulk e Falcão, que são de facto as mais valias desta equipa, triunfo esse resolvido à beira do intervalo, após uma má fase do Porto que estava com muito dificuldade em mostrar fluidez no eu futebol.
   Hoje houve também o sorteio da Taça de Portugal, com o sorteio a poder proporcionar um Porto - Benfica a duas mãos, caso estes passem o Rio - Ave.
    Um grande confronto em perspectiva e julgo que o confronto será bem mais equilibrado que o jogo da Liga e caso o Benfica atinja as meias finais, terá de dar uma cabal demonstração que a sua equipa em nada fica a dever à do Porto, só assim o Benfica pode reivindicar seja o que for.

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

BENFICA SEGUE NA TAÇA - Com goleada a meio gás.

--- A ilação mais positiva que se pode tirar deste jogo, é o facto de não ter sido preciso um super Benfica para golear a Olhanense, bastou um Benfica a meio gás, que de forma consistente que com toda a naturalidade, à medida que o tempo avançava, foi ampliando o marcador, com alguns golos de rara beleza.
BENFICA 5 OLHANENSE 0 - Era quase uma obrigação para o Benfica passar esta eliminatória, confirmando desse modo os sinais de retoma da equipa e fê-lo da melhor maneira, com goleada e um cheirinho daquele Benfica que nos habituou às goleadas.
   A marcha do marcador foi de tal modo calmo, que o jogo nunca chegou a ter um pingo de emoção e golear sem ser necessário jogar muito ou imprimir grande velocidade, é para mim um claro sinal de uma equipa cada vez mais confiante nas suas capacidades, mais mecanizada e com os jogadores a caminharem nesta fase da temporada, para o seu melhor momento de forma, com especial destaque para Saviola e Salvio, que deu a profundidade que escasseava no futebol benfiquista, aliado a isso, um Gaitan cada vez mais senhor de si, a acreditar nas suas potencialidades e adaptado ao clube, ao futebol português e além de tudo à posição no terreno de jogo que lhe foi confiada.
   O Benfica entrou forte no jogo e logo aos 2 minutos, já Cardozo correspondia com um bom cabeceamento a um cruzamento milimétrico de Salvio, para uma boa defesa de Ricardo Baptista, foi o primeiro sinal evidente dom que ia ser o jogo, um Benfica constantemente instalado no meio campo adversário e um Olhanense sem ideias.
   Já depois de Fábio Coentrão, numa boa iniciativa individual ter desperdiçado a vantagem que se adivinhava no marcador, Saviola, aos 20 minutos, correspondeu da melhor forma a um passe magistral de Carlos Martins, dando justiça ao marcador, estava feito o mais difícil, o 1º golo.
   Confiante, o Benfica aumentou ainda mais o seu domínio, até que Salvio, rompe pela direita e já de ângulo reduzido, remata para mais um golo.
   Mas o melhor estava guardado para o minuto 40, com Cardozo, de fora da área, a mostrar porque razão é o grande goleador encarnado desde que está no Benfica, algo que alguns por ignorância futebolística, tendem a menosprezar e faz um chapelão de belo efeito ao guardião adversário, naquele que foi o grande momento da noite.
  Na 2ª parte, com 3 a 0 no marcador e com a eliminatória ganha, chegou a hora de gerir o esforço, muitos e complicados jogos se aproximam e outra coisa não seria de esperar, por isso, o Benfica diminuiu o ritmo de jogo, mas sempre com a baliza adversária na mira, pelo que com naturalidade, na sequência de uma jogada de insistência, Luisão amplia a vantagem.
   Com o Olhanense morto e o Benfica saciado, mais preocupado com o jogo seguinte, a partida perdeu interesse e os minutos foram passando, sem impedir que Cardozo deixa-se de novo a sua marca num belo pontapé de moinho que fez com que o jogo terminasse com chapa 5, de forma inteiramente justa.
   Em suma, foi uma eliminatória que permitiu que o Benfica passasse aos 1/4 de final da Taça sem dificuldades, goleasse e assim aumentou ainda mais os seus níveis de confiança já de si num plano bem aceitável e ao mesmo tempo, permitiu que os jogadores em campo fizessem uma gestão de esforço, complementadas com as substituições operadas.
   Pela positiva: Os golos de Cardozo, ambos de belo efeito, especialmente o seu primeiro.
   Pela negativa: O pouco público presente, muito por culpa da hora imprópria do jogo para um dia de trabalho.
Arbitragem de Paulo Baptista - Foi fraca, num jogo que não ofereceu dificuldades de maior, tendo como principal erro um penalti por assinalar cometido por Maxi Pereira de forma escusada, mas que não teve qualquer influência no decorrer do jogo, pois o resultado era já de 5 a 0.
   Para terminar a análise ao jogo, um breve comentário à anunciada contratação do defesa central da Olhanense Jardel, apesar de como disse o Presidente da Olhanense, as negociações decorrerem já à algum tempo, não concordo com o seu timing.
  Não que esse negócio tivesse alguma influência na passagem do Benfica aos 1/4 de final, mas porque não é eticamente correcto e se eu já critiquei atitudes semelhantes dos nossos rivais, não posso agira concordar com este timing, mesmo sabendo que havia interesse de diversos clubes na aquisição deste atleta e por vezes há negócios que não se podem adiar, sob pena de serem perdidos.
  O que eu também não concordo, é que venham agora alguns moralistas condenar esta aquisição, como se os seus clubes fossem virgens nestas situações, infelizmente, este tipo de situações, já aconteceram mais vezes que o desejável e não são usufruto de ninguém em particular.
   Apesar de eu estar já cansado de tanto contratação sul americana e de outros jogadores estrangeiros, em detrimento de jovens da nossa formação, na qual, vergonhosamente o clube continua a ignorar e com isso a passar um atestado de incompetência à prospecção do clube, que neste momento funciona melhor que nunca e vocês sabem que falo com conhecimento de causa, devo realçar algo de positivo nisto tudo, que é o facto de em surdina, sem que estas notícias chegassem previamente ao conhecimento público, o Benfica já ter assegurado várias contratações para a próxima temporada e julgo que é justo destacar isto, porque esta direcção, tem sido imensamente criticada por arrastar negócios e assim perdê-los, pelo que me parece incoerente que os que na altura usaram a crítica, o façam também agora.
   De volta à Taça, o Porto carimbou o passaporte para as 1/2 finais da Taça, sem nuca ter defrontado uma equipa da 1ª Liga e só por uma vez apanhou uma equipa da Liga orangina, tendo ainda jogado no seu terreno por 3 vezes, ou seja, um caminho pouco meritório, muito facilitado, em contra ponto com o percurso benfiquista, que para chegar as meias finais, terá eliminar a 3ª equipa da 1ª liga e fora de portas.
    Mesmo assim, a verdade é que o Moreirense foi eliminado vendo-lhe um golo ser mal invalidado com o resultado ainda em branco e ontem, viu-se e desejou-se para ultrapassar esta potência Pinhalnovense, sendo preciso lançar em campo as suas melhores unidades e esperar que Hulk resolve-se, o que foi feito apenas aos 78 minutos, o que realça o grande trabalho da equipa da 2ª divisão B, que teve uma atitude muito meritória.
   De parabéns está também o Merelinense, que eliminou o Varzim no seu terreno, sendo mais uma bela surpresa da prova, e julgo que é para todos evidente, que caso consiga eliminar o Guimarães, está encontrado o próximo adversário do Porto na Taça de Portugal.

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

SEGUE-SE A TAÇA - obrigação de ganhar

--- Depois do campeonato, segue-se a Taça de Portugal, num jogo em que o Benfica, ciente das dificuldades que vai encontrar, tem a obrigação de ganhar.
   Nesta prova, já sem o Sporting, tem as portas para a final escancaradas para o Porto, atrevo-me mesmo a dizer que é sorte a mais nos sorteios para acreditar nela, já o Benfica, tem um caminho até agora, cheio de espinhos para conseguir o objectivo Jamor, o que também lhe irá conferir muito mais valor se o atingir.
   Julgo que a par da Liga, esta prova reveste-se de crucial importância para o Benfica e tem de ser encarada também como objectivo prioritário, não só pelo imenso e incomparável historial do Benfica na competição, mas também porque é um objectivo que há muito nos escapa, a dimensão e os resultados do clube, obrigam que a final da Taça de Portugal, seja uma regra e não uma excepção.
   Estando o Benfica num ciclo terrível de jogos, com um grau de dificuldade assinalável, mais que nunca, o seu plantel vai verdadeiramente ser posto à prova, a sucessão de jogos obriga à rotatividade e todos os jogadores têm de estar prontos a corresponder e julgo que é isso que vai acontecer neste jogo.
  Não faço a mais pálida ideia do onze que vai entrar em campo, mas atrevo-me a arriscar que será um misto de habituais titulares, com outros que jogam com regularidade e outros com menos minutos nas pernas.
   Sou da opinião, que pelo que vai mostrando sempre que entra em campo, pela vontade que revela em ser ressarcido de mais oportunidades, Jara, merece uma oportunidade e com a fome de jogo que demonstra ter, aliado a um momento de forma que me parece ser o melhor desde que chegou ao clube, julgo que essa valência deve ser aproveitada sem hesitações, mas claro, isso sou eu adepto comum, sem conhecimento profundo da equipa que o diz, com certeza, o treinador da equipa saberá melhor do que eu o que fazer.
   Já tenho bilhete, julgo que a hora do jogo vai tirar muito público da Luz, 18H45, a um dia de semana é um horário incompreensível e nitidamente á mercê dos superiores interesses televisivos, com isso pagam os clubes, contudo e dentro das possibilidades de cada um, na altura que a equipa está em claro crescendo, julgo que seria fundamental para os jogadores, terem muita gente nas bancadas e sentirem que os adeptos estão de novo com a equipa, essa força suplementar, pode vir a ser decisiva no futuro desempenho da equipa.
   Novamente como adepto e por gostar de o fazer, vou arriscar o meu onze, que considero ser ao mesmo tempo competitivo e justo para com o desempenho dos jogadores, aliando tudo isso à rotatividade necessária: Moreira, Ruben Amorim, Luisão e Sidnei, César Peixoto, no meio campo, Javi (porque não joga em Coimbra) Carlos Martins, Aimar e Gaitan, no ataque, Jara e Cardozo ou Kardec.
   Termino como novo apelo, TODOS À LUZ, A EQUIPA PRECISA DE NÓS E NÓS QUEREMOS ESTAR COM A EQUIPA, PELO BENFICA SEMPRE, ESTÁ NA HORA DE PASSAR DAS PALAVRAS AOS ACTOS.
  
 

SEMPRE BENFICA

Loading...
Adaptado por Blogger Benfiquista