segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

BENFICA CONTINUA NA LUTA - Em jornada de hecatombe leonina.

--- Foi uma jornada que ficou irremediavelmente marcada pela crise no Sporting, com a demissão do seu Presidente, que previsivelmente, mais tarde ou mais cedo iria acontecer.
   Quanto ao resto, depois da vitória do Porto, outro cenário não poderia ser equacionado para o Benfica que não a sua vitória e se é verdade que o golo do triunfo benfiquista foi marcado irregularmente, também é verdade, que mais uma vez, ficaram 2 penaltis claros por marcar a favor do Benfica, pelo que a questão que aqui deixo é, afinal de contas, quem foi o mais prejudicado? Fica à vossa consideração, eu não tenho quaisquer duvidas.
     Esta partida ficou ainda marcada pela expulsão de um jogador academista, aí, nada a dizer, se o lance de Pape Sow não é agressão, então agradeço que alguém me explique o que é uma agressão no futebol, porque para além do gesto perfeito de um grande karateca, o jogador da Académica, esticou bem o pé junto ao rosto de Cardozo, para ter bem a certeza que o seu golpe não falhava e não falhou.
ACADÉMICA 0 BENFICA 1 - Um jogo com fases bem distintas este, um início muito forte do Benfica, com variadas situações de golo para matar o jogo e uma outra fase marcada por um perigoso adormecimento da equipa e que podia ter saído bem caro, porque com um resultado magro, nunca se pode menosprezar o poderio do adversário, mesmo quando este está reduzido a 10 unidades, valeu por isso o resultado que foi o mais importante.
    Já antes do golo, repito que obtido de forma irregular, o Benfica tinha desperdiçado duas boas chances de marcar e após a vantagem no marcador, sucedeu o mesmo, com as situações mais flagrantes a serem desperdiçadas por Sálvio com a baliza escancarada e por Martins mesmo na cara do guarda-redes, foi o culminar de meia hora de grande qualidade.
   Depois deu-se o lance de uma expulsão indiscutível e com ela o relaxamento do Benfica, cujos jogadores devem ter pensado que mais cedo o mais tarde a questão se resolveria.
Na 2ª parte, em superioridade numérica, julgou-se que o Benfica iria tentar resolver a contenda o mais depressa possível e de facto notou-se a intenção, só que tudo era feito de forma lenta e muito denunciada, o que facilitou em muito o reduto defensivo do adversário, que vendo o relaxamento do opositor, começou a acreditar ser possível o empate e se é verdade que pouco fez para isso, sempre que o fez, fê-lo com perigo, tendo mesmo Roberto visto uma bola a bater no poste direito da sua baliza.
    Curiosamente, essa lance teve o condão de alguma forma despertar um pouco mais o Benfica, que respondeu também com uma bola ao poste, após cabeceamento de Luisão, contudo, o jogo caminhava para o seu final com um Benfica que me pareceu algo cansado e uma Académica, na fase final do jogo algo incapaz.
  Posto isto, longe de algum brilhantismo, julgo que o Benfica foi um justo vencedor, pena a forma como o golo foi obtido, no entanto, fosse a penalidade sobre Fábio Coentrão, que ainda por cima viu amarelo, assinalada, ou a mão descarada e nas barbas do auxiliar de Elmano Santos, sido também assinalada e por ventura, o resultado seria na mesma um triunfo encarnado.
  Não posso terminar a análise ao jogo sem referir isto: Obviamente ignoro completamente aqueles que percebem mais de aconselhamento matrimonial, viagens e fruta do que de futebol, simplesmente porque quem viu e ouviu tudo aquilo que esse clube fez de nocivo ao futebol, nunca mais terá um pingo de moral para dizer seja o que for, a não ser, como é apanágio das gentes daquele clube dos azulinhos e branquinhos, já não tenham um pingo de decoro, assim como quem já marcou um golo sem a bola entrar, alcunhado pelo sr. Vitor Pereira, como o golo da luva branca, se calhar também pouco tem a dizer.
 Pela positiva: A meia hora inicial do Benfica, com um bom fluxo de jogo atacante e algumas excelentes oportunidades de golo.
  Pela negativa: O desperdício de oportunidades na 1ª parte, o relaxamento excessivo do Benfica na 2ª parte e a arbitragem desastrosa e um péssimo árbitro.
Arbitragem de Elmano Santos, com muitos erros graves para um só jogo. Num jogo com muitas situações complicadas, apenas acertou na expulsão de Pape Sow, de resto, mal ao validar o golo do Benfica e mal ao ignorar duas evidentes grandes penalidades contra a Académica.
  SPORTING 2 P.FERREIRA 3 - Um grande jogo de futebol que infelizmente não teve um árbitro à sua altura.
   Este jogo ficou marcado pela demissão do Presidente leonino, que incapaz, vendo o barco a naufragar, cobardemente, foi o primeiro a abandonar o navio, o que para quem foi eleito com quase 90% dos votos, é no mínimo uma decisão de grande cobardia, mas isso é um problema do Sporting e sinceramente é algo que não me preocupa minimamente.
   O jogo começou com a equipa de Alvalade a entrar bem no jogo, com Liedson a desperdiçar a 1ª oportunidade de golo, mas foi sol de pouca dura, a partir dos 10 minutos, era já o Paços que controlava o jogo e que parecia mais apostado em chegar ao triunfo, tal a incapacidade do meio campo leonino na recuperação da bola.
  Por isso, não espantou ninguém que o Paços chega-se ao golo, o que certamente não se esperaria, era que o golo fosse uma bomba a 40 metros da baliza, um golão, daqueles que acontece uma vez na vida de um atleta.
   Reagiu muito bem o Sporting, essencialmente pela acção de Valdez, que com uma exibição notável e muito acima dos seus companheiros, carregou em todos os momentos do jogo a equipa as costas e foi precisamente numa recarga a um remate seu, que Liedson recargou para o tento do empate.
   Depois começou o desastre da actuação de Luis Catita, ao inventar um penalti para o Paços, num lance em que Polga se encolhe e Randon provoca o contacto e simula a queda e assim o Sporting viu-lhe ser marcado uma penalidade existente, em vez de ver o avançado pacense amarelado, disso se aproveitou Manuel José que não desperdiçou.
   Esse lance, até por ser já perto do intervalo, foi um duro golpe para uma equipa já de si permeável e muito intranquila.
   Na 2ª parte, a equipa de Alvalade voltou a entrar bem no jogo, mas o Paços, nunca foi uma equipa acomodada, jogou sempre o jogo pelo jogo, tendo mesmo por vezes instalado o seu domínio no meio campo adversário, contudo e justamente, foi o Sporting quem chegou ao empate, com Valdez (mais uma vez) a assistir primorosamente Salomão para o tento do empate.
   Pensou-se que seria agora que o Sporting partiria em definitivo na busca dos 3 pontos, puro engano, foi o Paços que caiu em cima do Sporting e parecia mais interessado em vencer e o que assistimos foi a um Paços em ataque continuado, com momentos de grande superioridade no jogo e um Sporting a actuar em lances de contra ataque, criando assim algumas boas oportunidades, mais por iniciativas individuais do que através de um futebol colectivo.
   Depois chegou mais um momento do jogo, Saleiro reclama penalti e na verdade foi puxado por um defensor pacense, mas pareceu-me a mim, que Saleiro ganha posição em falta, afastando o seu adversário com o braço no rosto deste, contudo admito que este seja um lance muito discutível.
   A verdade é que o jogo estava empatado e quem dominava era o Paços, que depois de várias ameaças e boas intervenções de Rui Patrício, chega ao justo triunfo por Pizzi, que sozinho à entrada da área, chutou forte e colocado.
  A partir daqui, a história do jogo resume-se a um coro de assobios e insultos, quer ao treinador, jogadores, mas principalmente ao Presidente, que não aguentou a pressão, demitiu-se, diria mesmo que só falta agora o FMI entrar em Alvalade.
  Pela positiva: E exibição notável de Valdez, sempre muito acima dos restantes companheiros e a personalidade e qualidade do futebol pacense, que em alguns momentos deu baile.
  Pela negativa: A péssima exibição de Luis Catita, cuja arbitragem teve clara influência na marcha do marcador e a terrível incapacidade e falta de personalidade da equipa do Sporting.
Arbitragem de Luis Catita, medíocre, com um penalti inventado a favor do Paços, com u lance duvidoso na área pacense e um critério disciplinar que ninguém percebeu, com claro prejuízo para os de Alvalade.
  PORTO 3 NAVAL 1 - Não vi este jogo, porque estive a ver um bem mais interessante, o Almeria - real Madrid, contudo e pelo que já li hoje, foi uma vitória justa do Porto, carimbada por Hulk e Falcão, que são de facto as mais valias desta equipa, triunfo esse resolvido à beira do intervalo, após uma má fase do Porto que estava com muito dificuldade em mostrar fluidez no eu futebol.
   Hoje houve também o sorteio da Taça de Portugal, com o sorteio a poder proporcionar um Porto - Benfica a duas mãos, caso estes passem o Rio - Ave.
    Um grande confronto em perspectiva e julgo que o confronto será bem mais equilibrado que o jogo da Liga e caso o Benfica atinja as meias finais, terá de dar uma cabal demonstração que a sua equipa em nada fica a dever à do Porto, só assim o Benfica pode reivindicar seja o que for.

6 comentários:

Manuel Oliveira disse...

Concordo contigo em absoluto!

Abraço.

troza disse...

Excelente crónica... Concordo contigo e tenho pena que o golo tivesse sido validado mas, por outro lado, é o que põe a justiça no resultado (bem, contra a Académica este ano foram uns 6 ou 7 penalties roubados... é obra)

Quanto ao Sporting, mais uma vez a crise só vem quando o Benfica descola... E num jogo em que o Sporting podia e teria feito melhor (no mínimo o empate, mas creio que ganharia mesmo o jogo) se não fosse o arbitro... Para uma equipa que manda tanta bola ao poste, foi um rude golpe para a época de uma equipa que talvez precisasse de um pouco mais de sorte para, pelo menos, conseguir puxar pela massa assossiativa (apesar de ter sido beneficiado num jogo ou outro, nada justifica os erros do arbitro ontem... uma vergonha. E a classificação podia ser a mesma mas a melhoria de uma equipa mede-se pelos resultados e isso era importante para o Sporting: mostrar que está a melhorar. Mata a moral para o resto da época...).

Nisto os adeptos do Benfica e do Sporting são iguais, se bem que desta vez os adeptos do Sporting têm razão para querer o treinador fora: uma derrota por causa do arbitro e não treinador nem jogador que resista aos assobios... Só de me lembrar que havia gente que queria o Jorge Jesus fora do Benfica no início da época...

O resto, tu dizes tudo :P

Carlos Alberto disse...

Companheiro...

Eu sei que é do habito mas tens um errozito na crónica: O El mano esteve mal ao Validar o golo e não invalidar. Eu sei que é estranho e contra-natura um arbitro ainda por este cima apreciador de fruta madeirense, ter estado mal ao validar um golo ao glorioso mas foi o que aconteceu, certamente o El Mano hoje está numa luta frenética de 5 contra 1 já que a 'fresquinha' da arca do Reinaldo faltou ao encontro aprazado devido ao incumprimento do contrato da parte dele.

De resto. 5 Estrelas.

Anónimo disse...

La ringrazio per Blog intiresny

Anónimo disse...

necessita di verificare:)

águia_livre disse...

O Jogo de Coimbra valeu pelos 3 pontos, mais concretamente pelo que jogámos na 2.ª parte.
Fomos beneficiados no golo mas muito prejudicados em lances capitais como por exemplo em duas grandess penalidades que ficaram por marcar, sendo que, na 1.ª ainda ficou a agravente do Coentrão ser punido com cartolina amarela

Os lagartos caminham a passos largos para serem a curto prazo um Setúbal ou um Guimarães. isto para não dizer um Belenenses ou um Boavista

Saudações

 

SEMPRE BENFICA

Loading...
Adaptado por Blogger Benfiquista