segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

CICLO COMEÇA COM VITÓRIA - Um grande Benfica em Leiria.

--- Este complicado ciclo que se avizinha, começou com uma vitória de extrema importância, construída com categoria, talento e empenho, tudo aquilo que Jorge Jesus fez deste Benfica desde a época passada e que é bom não esquecer.
   U.LEIRIA 0 BENFICA 3 - Um jogo que aparentava ser complicado, tornou-se fácil, porque de facto este Benfica foi muito forte e arrisco-me mesmo a dizer, que os primeiros 45 minutos, foram dos que mais me encantaram esta temporada, tanto que com aquela estrelinha de campeão que tem faltado, em condições normais, o jogo estaria resolvido antes do intervalo.
   A entrada do Benfica no jogo foi forte e personalizada, assumindo o jogo, com as linhas subidas e uma pressão sobre o portador da bola, que confesso, ainda não havia visto na presente liga e para mim, foi por aí que o jogo começou a ser ganho.
   Até ao golaço de Saviola, que colocou justiça no marcador, já o Benfica havia desperdiçado uma mão cheia de oportunidades, na sua maioria interpretadas por "el conejo", cada vez mais influente e num crescendo de forma assinalável, jogadas essas, normalmente culminadas em movimentações colectivas de grande beleza.
     O golo naturalmente, deu ainda mais tranquilidade ao Benfica, intranquilizando ainda mais uma U. de Leiria que se mostrava incapaz de neutralizar a movimentação ao Benfica, tanto que se atingiu o intervalo sem que os leirienses fizessem um único remate à baliza.
   Na 2ª parte, houve um pouco mais de Leiria, com as suas linhas mais juntas e aproveitando-se do facto do Benfica ter recuado no terreno, na tentativa de dar a estocada final em rápidas transições, mas a verdade é que apesar de não haver calafrios defensivos e o adversário nunca ter criado perigo, o Benfica revelava agora alguma incapacidade de resposta em termos ofensivos.
   Ciente que teria de arriscar, o treinador leiriense mexeu na sua equipa e julgo que era disso mesmo que o Benfica estava à espera, porque com um meio campo menos preenchido e dando mais espaços nas suas costas, a equipa conseguiu voltar a sair em contra golpe e ainda antes do golo de Gaitan, resultante de mais uma rápida transição e movimentação colectiva, já Cardozo havia obrigado o guardião adversário à defesa da noite com recarga de Salvio ao poste.
   Para esta nova grande fase do Benfica no jogo, contribuiu também a forma como o treinador abanou o jogo, lançando Ruben Amorin, que pela sua inteligência táctica e postura no jogo, conseguiu estancar as subidas dos laterais, ao mesmo tempo que Gaitan no meio, estava como peixe na água e a colocar os defesas adversários em polvorosa.
   Se é verdade que o 2º golo matou o jogo, o 3º golo, trouxe uma maior justiça aos números no marcador, pois quem jogou como o fez o Benfica, merecia de facto um resultado expressivo e que conferisse o seu domínio total e se o Leira na 1ª parte não fez um único remate, nesta fase fez um remate, numa falha de Roberto e mesmo esse, não levou a direcção da baliza, o que espelha bem a diferença entre o que as equipas produziram.
   Não quero terminar sem fazer um elogio a Pedro Caixinha, foi brilhante a sua análise da partida, com a humildade e sensatez de reconhecer a justiça e os méritos da vitória benfiquista.
   Pela positiva: A exibição de Saviola coroada com um grande golo e a dinâmica do Benfica em toda a 1ª parte.
  Pela negativa: a total incapacidade do Leiria para rematar, um remate em 90 minutos e por cima do poste, é muito pouco e se nisso há mérito alheio, também revela alguma falta de tarimba ofensiva.
  Arbitragem de Duarte Gomes - O melhor elogio que lhe posso fazer, é que se todas as arbitragens fossem deste nível, venceria sempre o melhor e com toda a certeza esta Liga estaria hoje muito mais renhida.
PORTO 4 MARÍTIMO 1 - Vitória incontestável do Porto, embora os números não espelhem com exactidão o que se passou no jogo.
   Ou seja, este resultado pode levar quem não viu o jogo, que o Porto massacrou o seu adversário, nada disso, aliás, parece-me a mim, que este Porto já não consegue imprimir o mesmo ritmo de jogo e até ao golaço de Guarin, ainda nada digno de registo havia produzido.
   A estrela de campeão está decididamente com o Porto, um remate aparentemente inofensivo a mais de 40 metros da baliza, resulta num grande golo que mudou o cariz do jogo e injectou a dose de confiança que a equipa precisava, estou em crer que não fora esse golo e a 1ª parte fecharia sem grande história.
   Na 2ª parte, houve claramente mais Porto, embora mostrando algum nervosismo e incapacidade de aceleração no jogo, o certo é que a tranquilidade da vantagem no marcador, reflectiu-se numa maior capacidade da equipa, pelo que o 2 a 0, acabou por surgir com alguma naturalidade, em mais um golo de belo efeito, obtido por Hulk.
   Pensava-se que o jogo estava decidido, mas logo de seguida, na sequência de um lance de bola parada, o Marítimo reduz por Baba e relançava-se o jogo.
   Só que a sorte estava do lado do Porto, que revelava novamente muita ansiedade, mas que rapidamente, em mais um remate de fora da área, voltava a uma vantagem de 2 golos e agora sim, matava o jogo.
   De facto, a noite era do Porto, parecia cada tiro cada melro, e o 4º golo, castigo imerecido para os madeirenses, foi já o corolário lógico de um jogo que não foi tão fácil como o resultado deixa transparecer.
  Arbitragem de Xistra, razoável, sem grandes casos, pese embora me tenha parecido que Bába, ainda com a desvantagem mínima no marcador, tenha sido impedido de cabecear no interior da área portista, mas, não é daqueles lances de penalti evidente e quando assim é, não se pode censurar o árbitro.
SPORTING 2 BRAGA 1 - Um jogo em que tudo correu de feição ao Sporting, apesar da justiça plena do seu triunfo.
   Digo isto, porque não estou habituado a ver o Braga tão desnorteado defensivamente e muito menos a serem os seus atletas, com erros de palmatória, a praticamente oferecerem os golos ao adversário.
   O 1º golo leonino, precedido de um fora de jogo evidente, nasce de uma perda de bola incrível de Hugo Viana, sempre desastrado no jogo e culmina com um golo de grande beleza técnica do jovem Salomão, que começa já a ser idolatrado, para mim de forma muito prematura, porque sinceramente e o tempo dirá se tenho razão ou não, é um bom jogador, mas está muito longe de vir a ser um grande jogador, é apenas e só uma opinião pessoal.
    Já o 2 a 0, surge de um passe de um jogador do Braga para Liedson, que depois serviu de bandeja Valdez para o golo.
   Quase logo de seguida, após uma bela iniciativa na direita do ataque bracarense, Paulo César antecipa-se ao lento Polga e reduz o marcador, culminando assim 15 minutos verdadeiramente frenéticos neste jogo.
   Daí até ao intervalo, pouco mais há a registar, apesar do bom ritmo que o jogo apresentava.
   Na 2ª parte, o jogo decaiu de produção, mais lento e sem que nenhum dos ataques conseguisse vantagem sobre as defesas, exceptuando uma ou outra tentativa de ambas as equipas, com boas intervenções dos guarda - redes, contudo, a sensação que eu tinha do jogo, apesar de alguma falta de classe da equipa, era que o Sporting poderia mais facilmente matar o jogo, do que o Braga empatar.
   Foi portanto uma vitória justa do Sporting, que contudo continua sem deslumbrar e a dar a sensação que em qualquer jogo a equipa pode sucumbir, tais as fragilidades que apresenta em todos os sectores do terreno de jogo, o que me faz afirmar que para esta equipa, ser 3º classificado é a lógica da sua produção e da sua falta de investimento em alguma qualidade extra que a equipa definitivamente precisa e o Benfica deixar escapar o 2º lugar para o Sporting, seria trágico e uma vergonha, tal a diferença de valores que me parece existir entre uma equipa e outra, embora no futebol tudo possa acontecer. 
 Arbitragem de Bruno Paixão Normal e menos complicativa do que é costume, num jogo que foi fácil de dirigir.      
   Para terminar o post, apenas quero referir que Pinto da Costa está muito longe de ser um narcisista, aliás, ele próprio confessa que não gosta da sua pessoa, quando afirma que só gosta de pessoas inteligentes, como ele é apenas um chico esperto, é fácil chegar a esta conclusão.    

3 comentários:

troza disse...

Excelente Post.

Vitória importantíssima do Benfica. O Sporting já é o terceiro jogo que ganha graças a erros de arbitragens e só assim se mantem uma ameaça para o Benfica...

De resto, mais nada a dizer

Manuel Oliveira disse...

Amigo Jotas, não vi o Sporting, nem o FC Porto, por isso não posso dizer nada.
Quanto ao Benfica concordo plenamente com a tua visão do jogo.
Estamos no bom caminho e vamos manter a esperança na revalidação do título, apesar de tudo correr bem aos portistas.
Só para te meter uma invejinha, ando pela praia (daí estar menos assíduo nas postagens e comentários), enquanto aí está um frio de rachar.

Abraço.

carlos disse...

Queria so referir aqui a arbitragem do sporting, esse teu comentário é no minimo discutivel.

Liedson qd podia ter feito o 3 a 0 diz que fez falta sobre paulao de 1 93m nas imagens ve-se que não há falta.

Mais ou menos à meia hora de jogo fora de jogo mal assinalado a polga que dava em principio o 3 a 1.

Finalizando com a mais que logica expulsao a silvio por derrube a vuck.

Concordo com o fora de jogo do golo do scp.

 

SEMPRE BENFICA

Loading...
Adaptado por Blogger Benfiquista