quinta-feira, 18 de outubro de 2012

DEPOIS DA TRISTE SELECÇÃO - A festa da Taça.

   Estas paragens para os jogos da selecção, fazem com que fique sem assunto, pois não me quero meter e qualquer tipo de campanha nas eleições e não vou fazer grandes comentários sobre elas, porque infelizmente, tem-se pautado a conduta mais com acusações do que com ideias.
    Depois da tristeza, quer em resultados, quer em termos exibicionais, da selecção nacional, que comprometeu seriamente o apuramento directo para o mundial e ficou sem qualquer margem de erro, o futebol de equipas regressou hoje com a festa da Taça, a qual se prolongará por este fim de semana, com uma vitória sem discussão do Benfica em Freamunde, num ritmo quanto baste e alguns momentos de futebol agradáveis, cumprindo assim a sua obrigação e seguindo em frente nesta 3ª eliminatória.
    FREAMUNDE 0 BENFICA 4 - Foi um jogo agradável em que o Benfica cumpriu o seu dever, ante um adversário digno e que nunca estacionou qualquer autocarro, disputando o jogo e criando também situações iminentes de golo, merecendo mesmo esse prémio que acabou por não alcançar, uma atitude que devia fazer corar de vergonha algumas equipas da 1ª liga, que ignorando o espectáculo e quem paga bilhete, opta muitas vezes pelo anti-jogo e pelo excessivo rigor defensivo, que em nada contribui para levar espectadores aos estádios, bem pelo contrário.
    O Benfica como era esperado, entrou dominador e decidido a tentar resolver cedo a questão, acabando por chegar ao golo por Lima, logo aos 14 minutos, através de um lance fortuito de bola parada, depois de já ter criado uma ou duas boas situações de golo.
   Marcar cedo era o que melhor poderia ter acontecido ao Benfica, o Freamunde foi obrigado a entrar no jogo e fê-lo bem, tentando em situações de transição rápida através das alas, chegar ao empate, teve duas belas ocasiões para isso, embora também, nessa fase, tenha permitido lances de perigo do Benfica, o qual adormeceu um pouco depois de estar em vantagem.
    Apesar do Benfica ter mais posse de bola e controlar o jogo, a verdade é que desde os 20 minutos pouco perigo criava, excepção a um belo lance de Carlos Martins que obrigou Tó Ferreira a bela intervenção.
   Quando se pensava que o intervalo chegaria com a vantagem mínima do Benfica, Paulo Lopes chuta longo e Cardozo, após combinação com Lima, faz aquilo que sabe, golo e o jogo ficava desde já resolvido, com alguma felicidade.
  Na 2ª parte, houve mais Benfica, aumentou a velocidade de jogo e só dava Benfica, o qual, com alguma facilidade, entrava na área adversária, mas alguma falta de eficácia impedia o ponto final no jogo mais cedo.
    O 3 a 0, acabou assim por surgir aos 17 minutos desta 2ª parte, depois de um belo lance de Luisinho que serviu de bandeja Sálvio que assim colocou termo  a qualquer dúvida no resultado, se elas ainda existissem.
    Esse golo esmoreceu a equipa do Freamunde, a qual sentiu que não tinha capacidade para o Benfica que agora geria a bola como queria, mas uma infantilidade de Jardel, permitiu uma grande oportunidade ao adversário, mas este novo falhou o prémio que merecia, o golo de honra.
   Mas essa foi a excepção à regra e a regra era o domínio absoluto do Benfica que entretanto já havia esgotado as substituições e foi exactamente um dos recém entrados, André Gomes, que finalizou com mestria uma assistência brilhante de Jardel, foi o culminar em beleza, para um miúdo a ter em conta.
   Com 4 a 0, o jogo ficou sem história e o Benfica ficou a dever a si mesmo mais golos, num jogo que acabou com uma vitória justa, sem grande dificuldade e que permite assim a presença na próxima eliminatória.
  Pela positiva: A forma séria como o Benfica encarou o jogo e as exibições de Luisinho, a dizer que afinal o Benfica tem 2 laterais esquerdos e André Gomes, num jogo perfeito para se estrear oficialmente e logo com um golo e exibição muito segura e personalizada.
  Pela negativa: Alguma desplicência defensiva do Benfica, nomeadamente Jardel que esteve hoje desconcentrado, ao contrário daquilo que vem fazendo na Liga.
  Arbitragem: Quando não se lembra o nome do árbitro e não se dá por ele, é o melhor elogio que se lhe pode fazer.
   Termino este post com  uma atitude que felizmente, ao contrário de outros, o Benfica tem com frequência e que muito me orgulham, Luís Filipe Vieira, atribuiu à casa do Benfica daquela localidade e ao Freamunde, em partes iguais, a receita que cabe ao Benfica deste jogo, infelizmente disto não se fala naqueles programas que todos conhecemos, é que esta foi só mais uma atitude de enorme nobreza do Presidente do Benfica, assim como no caso das cheias da Madeira, em que muitos prometeram,mas só ele cumpriu, Parabéns essencialmente por isso Benfica.

3 comentários:

Anónimo disse...

Amigo Jotas, fiquei hoje a saber que o candidato Rui Rangel foi obrigado a pagar as quotas atrasadas para se poder candidatar a Presidente do SL Benfica.
Essas quotas a pagar são apenas de há 8 anos até hoje. Nada especial deste grande benfiquista que foi literalmente empurrado para ser candidato. A entrevista provou-o tão bem o que sabe do SL Benfica; a gaguejar e a tentar contornar as perguntas foi muito bom, mas o clube precisa de mais do que isto quanto a mim.

Miguel

Minha Chama disse...

Boas Jotas, há muita contra informação a chover nos dias de hoje.

Queres dar um salto ao AMC e dares a tua opinião no último post?

Sinto-me mesmo confuso e a vida não ajuda...

Grande abraço

MAGALHÃES-SAD-SLB disse...

Amigo Jotas, quanto à Seleção foi mau demais!!!

O Benfica cumpriu a sua obrigação!

Abraço Glorioso!

 

SEMPRE BENFICA

Loading...
Adaptado por Blogger Benfiquista