domingo, 12 de fevereiro de 2012

SHOW BENFICA - Com momentos de grande classe.

   Foi um Benfica forte, rápido, pressionante e com uma enorme qualidade de jogo aquele que se apresentou ontem no estádio da Luz, brindando assim os mais de 53 mil espectadores comum uma grande exibição.
   BENFICA 4 NACIONAL 1 - Órfãos de Maxi Pereira e Javi Garcia, pode-se dizer que nem se deu por falta deles, tal a qualidade exibicional da equipa, num belo espectáculo de futebol que deliciou todos os que gostam de bom futebol.
    Curiosamente até foi do Nacional o primeiro lance de relativo perigo com um remate forte que passou ao lado da baliza de Artur, só que as grandes equipas também se fazem de eficácia, sinal da qualidade dos seus jogadores e foi isso que o Benfica fez, primeira oportunidade e num lance de bola parada, após lance estudado, Garay, com alguma felicidade à mistura, coloca o Benfica em vantagem logo aos 9 minutos.
   Estava dado o mote para aquilo que foi uma grande exibição do Benfica, a partir daí a equipa ganhou confiança e foi um festival de jogadas de elevado recorte técnico e de grande beleza, com algumas oportunidades incríveis a serem desperdiçadas.
   Mas o melhor estava ainda para vir, Gaitan, numa jogada de génio, limpou todos os adversários que lhe surgiram pela frente e oferece de bandeja o golo a Cardozo, que como quase sempre picou o ponto.
    Com a vantagem de 2 golos logo aos 20 minutos, o Benfica via o seu adversário atordoado, as jogadas de perigo junto da área nacionalista sucediam-se e o resultado já era escasso perante tamanho domínio, até que surge um protagonista, Jorge Sousa, ao apontar uma grande penalidade absolutamente surreal contra o Benfica, num lance em que é o jogador do nacional que vai chocar em Emerson, resultando aí um golo do nacional caído do céu e que em nada se justificava.
    O Benfica, naturalmente, acusou um pouco esse golo oferecido pelo árbitro, dando uma volta a um jogo em que o Benfica estava a atropelar o seu adversário, vindo então ao de cima, um Benfica maduro, que percebendo o momento da partida, sob refrear os ânimos, tirar algum ritmo ao jogo para se voltar a unir.
    Até que surge mais um belo momento de futebol, numa jogada colectiva de grande beleza, quase toda ao primeiro toque, que culminou com um passe fabuloso de Nolito e um arranque impressionate do não menos fabuloso Rodrigo que após passar pelo guarda - redes adversário faz o 3 a 1.
    Novamente com 2 golos de vantagem, o Benfica voltou a tranquilizar e nem um árbitro tendencioso o incomodava e mesmo à beira do intervalo, naquela que foi a mais bela jogada desta partida, Aimar desperdiça na cara de Marcelo.
  Na 2ª parte, o Nacional tentou reagir, Candeias recém-entrado, deu mais dinâmica nos corredores e nos primeiros minutos desta fase houve mais Nacional, só que aos poucos, sem grande turbulência, o Benfica foi ganhando o domínio e começou de novo a lançar alguma pânico da defesa adversária.
   Não espantou por isso que surgisse o 4º golo do Benfica, nova abertura de Nolito, com Rodrigo a surgir que nem uma flecha, a passar por um defesa contrário em velocidade e já quase sem ângulo remata para a baliza adversária, com Marcelo a ser enganado, estava consumada a goleada.
   Daí até ao final do jogo, foi um festival Benfica, do qual resultaram momentos de algum deslumbramento, com toques de verdadeira classe e o Nacional a cheirar a bola, dando-se ainda o Benfica ao luxo de falhar um penalti por Cardozo.
    Uma vitória inteiramente justa, com classe, em que apenas faltaram mais golos para retratar mais fielmente o domínio do Benfica.
   Pela Positiva: Os mais de 53mil na Luz, em noite de frio, transmissão em canal aberto, numa altura em que se aproximam 2 jogos importantes (Porto e Zenit), que obrigam em tempo de crise, as pessoas a fazerem opções e a qualidade individual e colectiva de toda a exibição do Benfica.
   Pela Negativa: A decisão incrível de Jorge Sousa no penalti a favor do Nacional e as dificuldades da equipa madeirense em suster as acelerações dos jogadores do Benfica.
   Arbitragem de Jorge Sousa: Num jogo fácil, sem grande agressividade, custa ver que o árbitro complique o fácil, um desastre no penalti contra o Benfica e em muitas outras decisões perfeitamente desenquadradas e sem qualquer critério.
    Ontem também o Sporting esteve em acção e perdendo com o Marítimo por 2 a 0, a equipa de Alvalade, em minha opinião, comprometeu em definitivo um lugar de acesso ao play-off da liga dos campeões, naquela que seria a obrigação mínima do Sporting.
   Quando afirmo que não acredito que o Sporting chegue ao 3º lugar, não é tanto pelos 8 pontos de atraso do Braga, mas sim pela falta de qualidade exibicional que semana após semana vai mostrando, por antítese a um Braga que longe de ser espectacular, mostra uma grande consistência de jogo, mérito do seu treinador que também lidou com muitos jogadores novos e com lesões em catadupa e várias delas de enorme gravidade.
   Não vi o jogo do Sporting, mas pelo que rezam as crónicas, foi mais uma exibição paupérrima, sem qualidade e com o Marítimo a exercer um domínio completo da partida, mostrando sempre mais qualidade que o seu adversário.
   Domingos Paciência pode invocar em sua defesa as muitas contratações, as muitas lesões, etc, mas a verdade é que sendo inegável que este plantel tem mais soluções e qualidade que na época passada, o treinador leonino não consegue dar fio de jogo à equipa, definir um modelo de jogo e um onze base, como comprova o facto incrível de em cerca de 30 jogos, já ter experimentado em 10 jogos duplas diferentes de centrais.
    Ora numa equipa nova como o próprio a define, julgo ser no mínimo estranho, que o treinador leonino não consiga estabilizar um onze base, mesmo que lesionando-se 3 ou 4 jogadores, faça apenas essas mudanças sem revoluções como vai fazendo, resultado disso, é que se vê uma equipa do Sporting com boas individualidades, mas em que ninguém se entende, não se vê fio de jogo, jogadas de envolvimento colectivo, havendo mesmo jogadores que parecem andar perdidos em campo, julgando eu, que passados tantos meses, essa de ser uma equipa nova e precisar de tempo já não cola e não se cola porque simplesmente não se vê o mínimo de evolução e qualidade de jogo.

5 comentários:

Manuel Oliveira disse...

Que jogaço amigo Jotas. E tu a veres não é?
Dificilmente perderemos este campeonato pois esta equipa está muito forte, moralizada e séria no encarar os adversários sejam eles mais ou menos fortes.

Abraço.

GuachosVermelhos disse...

O teu titulo diz tudo!

Juris disse...

Desculpem a minha intromissão em assuntos do qual sou alheio.

Mas, não estão a cantar de .. àguia bastante cedo.... olhe que não..olhe que não..

Atenção às torneiras... não queremos outra inundação.OKEI!...

A temperatura ainda está muito negartiva..OKEI!.

MAGALHÃES-SAD-SLB disse...

Caro Jotas,

Quanto ao Benfica: A primeira parte do Benfica esteve perto da perfeição, só não foi perfeita porque em lugar de estar 3 a 1 ao intervalo, seria mais justo estar 6 a 0... Quero recordar, durante muito tempo, a última jogada da 1.ª parte em que numa jogada fantástica Pablito Aimar fica na cara do "golo" mas falhou o desvio final - se tivesse concretizado este lance de enorme qualidade ofensiva seria jogada para ficar nos "Anais" do futebol Mundial.
No Sábado houve momentos em que o "Rolo Compressor" voltou e espero que venha para ficar...

QUANTO AO SPORTING, nada a dizer, não quero perder tempo...

QUANTO AO PORTO: El Bandido, Rui Silva, deu uma "mãozinha" num jogo que estava muito difícil...

Glorioso Abraço.

João"Bo0geyman"Silva disse...

Grande jogatana nossa e não fosse o arbitro ser Rui Silva no Porto Leiria, o mesmo que arbitrou o Porto - Gil Vicente na primeira volta e não expulsou otamendi no inicio do jogo, e estavam neste momento a no minimo 7 pontos!

grande jogo k deu para ver amigo:P

 

SEMPRE BENFICA

Loading...
Adaptado por Blogger Benfiquista