segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

SHOW BENFICA - Num recital que deslumbrou.

--- Numa jornada tida por alguns como decisiva, para mim, nada mais representou do que uma simples jornada, assim o disse na sua ante visão, uma vez que o campeão já está encontrado, porque o princípio da Liga assim o determinou, pelo mau início do Benfica, mas principalmente porque as arbitragens dessa altura, estabeleceram o rumo da competição e é bom não esquecer a vergonha que foi aquele momento determinante da época.
   Contudo, há também que ter a honestidade de reconhecer que o Porto é também uma grande equipa, composto por excelentes executantes, no entanto, a diferença futebolística entre eles e o Benfica é quase nula e a diferença pontual está longe de espelhar a diferença entre ambos os clubes.
  BENFICA 3 GUIMARÃES 0 - Um show de futebol aquele a que se assistiu na Luz, um Benfica com uma enorme qualidade futebolística, que ficou a dever a si e ao árbitro, uma maior expressão no marcador, com momentos divinais, de magia pura, que empolgam qualquer um que goste de futebol e estou certo que se este Benfica tem surgido no princípio do campeonato, a história seria outra. 
   O Benfica entrou, como tem sido apanágio dos últimos jogos, determinado em vencer o jogo, pressionante, com uma dinâmica colectiva e individual fantástica e com uma mobilidade atacante que confundiu as marcações do adversário.
   Com a qualidade que mostrava no terreno de jogo, as oportunidades sucediam-se, culminando com uma bola no poste de Nilson, até que a justiça no marcador chega por Sidnei, um jogador cheio de moral e a mostrar toda a sua capacidade, algo que a mim não me surpreende, porque já com Quique e ainda mais jovem, já havia dado claros sinais de ser um jogador de enorme qualidade, cuja sequência de jogos o vem confirmando.
  Com a vantagem no marcador, o Benfica não tirou o pé do acelerador, mas as jogadas de fino recorte técnico, pecavam pela falta de eficácia na finalização, terminando mesmo a 1ª parte com mais uma bola o ferro.
  Um futebol avassalador, que merecia bem mais golos antes do regresso aos balneários.
   Na 2ª parte, a dinâmica do Benfica continuou, a noite era de inspiração e assim surgiu com toda a naturalidade o golo de Aimar, após um passe fenomenal de 60 metros de Sidnei, numa exibição de grande qualidade.
   Com esse golo o jogo ficou decidido e a verdade é que o Guimarães se limitava a esboçar uma reacção, sem causar grande perigo, ao invés, o Benfica via serem-lhe invalidados golos e se no de Cardozo ainda se pode dar o benefício da dúvida ao assistente de João Ferreira, no de Saviola, não se percebe, foi outro golo, tal como o de Javi em Setúbal, anulado sem se saber porque razão, afinal de contas, não é mais nem menos do que tem sido esta época o nível das arbitragens nos jogos do Benfica, com a diferença de que a qualidade actual, permite passar por cima dessas adversidades.
   Num jogo com tamanha qualidade protagonizado pelo Benfica, nada melhor do que fechar com chave de ouro, o chapéu de Carlos Martins, de pé esquerdo, é uma obra de arte no seio de uma orquestra perfeita.
  Vitória inteiramente justa do Benfica, que poderia ter atingido proporções históricas, assim a finalização tivesse sido mais eficaz e o árbitro não se tivesse entretido a anular golos.
  Pela positiva: A massiva presença de público, 55 mil pessoas deram um colorido fabuloso ao jogo, com a recompensa de toda a equipa que nos brindou com uma exibição fabulosa.
  Pela negativa: O golo anulado a Saviola, sinceramente, acho absolutamente incrível como se anula um golo assim, será incompetência ou ...?
Arbitragem de João Ferreira, num jogo tão fácil de gerir, com os jogadores a facilitarem imenso a sua tarefa, custa compreender como errou tanto e na dúvida prejudicou sempre o mesmo.
BRAGA 0 PORTO 2- Limitei-me a ver o resumo do jogo porque vinha da Luz e porque ao contrário dos outros, enquanto benfiquista, é o Benfica que me interessa e me move, mas pelo que vi, foi uma vitória clara e inequívoca do Porto, ante um Braga permeável, sem a raça e a entrega que se vê noutras alturas, nomeadamente quando o adversário dá pelo nome de Benfica.
  Foi um encontro de amigos e aliados, com um vencedor justo, o Porto tem obviamente qualidade e essa qualidade, sem pressão, com o caminho que lhe foi aberto nas primeiras jornadas, dá a equipa a necessária tranquilidade que lhe permite jogar com margem de erro, sem grande pressão, com as vantagens claras que isso acarreta.
  Folgo em ver que o flash interview e a conferência de imprensa e as entrevistas aos jogadores, tiveram como denominador comum o Benfica, um claro sinal de complexo de inferioridade que devido ao provincianismo ridículo que quem serve o clube, os tornará sempre uma amostra ao pé do Benfica por muito que ganhem, porque o Benfica pensa e gira em torno de si e isso faz toda a diferença.
   Villas Boas, entre muitas outras coisas que disse e que tolero, porque no fundo trata-se de um miúdo que se encontra numa fase de afirmação pessoal, vincou que o Porto para ganhar, não precisa de contratar jogadores do adversário que vai defrontar, infelizmente, esse tipo de comportamentos, além de muito usual no Porto, foi por esse clube iniciado, mas a verdade é que o Benfica para ganhar, também não precisa que os jogadores que tem emprestados às equipas que vai defrontar, se lesionem precisamente na véspera de jogar contra si, assim como para ganhar, não precisa que o seu Presidente aconselhe matrimonialmente os árbitros e muito menos precisa que a Federação continue na ilegalidade, por forma a não perder o poder que detém no futebol.
   Também não assisti ao jogo do Sporting em Olhão, o que li e me disseram sobre esse jogo, é que a equipa de Alvalade voltou a mostrar lacunas evidentes, muita inconsistência, a qual não lhe permitiu segurar uma vantagem de 2 golos.
  Queixam-se e com alguma razão da arbitragem de Olegário Benquerença, teve alguns erros graves em prejuízo do Sporting, o maior de todos um lance em que Postiga 2 metros em jogo, se isolava na cara do guarda redes adversário em poderia colocar o resultado em 3 a 2 a favor do seu clube.
   Relembro aos sportinguistas, que foi precisamente este senhor, que em Guimarães, arrumou definitivamente com o Benfica no que às contas do campeonato diz respeito, com uma arbitragem bem mais gravosa que esta e a verdade é que não foi pela incompetência ou pelos seus erros que surgiram em 3 minutos, 2 golos muito consentidos do Olhanense, aliás, o primeiro golo do jogo, obtido por Postiga, é ilegal e convém não esquecer esse pormenor muito importante.

5 comentários:

Carlos Alberto disse...

Amigo Jotas,

Começando pelo final, os lagartos marcam um golo fora de jogo, é-lhes perdoado um penalti, reclamam de quê ao certo? Da inclinação do campo, a culpa é de quem lá colocou o Maniche.

Quanto aos corruptos e às afirmações do imberbe: Adoro que eles estejam assim, a alternativa era estarem a rir que nem uns perdidos. Assim é bom sinal, estão raivosos. Melhor só se fizessem umas vigílias.

Quanto ao Glorioso duas notas: a primeira sobre a nota artística de elevado quilate que se assistiu na Luz e a segunda para dizer que o Sidnei ainda não me fez esquecer o... o... como é que ele se chamava? Bom, não interessa: o moço que vendemos ao Chelsea, e por uma razão muito simples: Como o gajo é igualzinho ao Luisão (visto ao longe, claro) nunca o vejo tocar na bola. Por isso. ou ele deixa crescer o cabelo ou para mim será sempre o Capitão a cortar as bolas e a marcar golos.

dezazucr disse...

Fim de tarde de espectáculo para as bandas da Luz. O campeonato já está decidido, mas mesmo assim vale a pena ir à Catedral, se é para ver recitais do género.

Sinceramente, espero que o puto continue a picar Jesus, pois o Jesus trabalha melhor assim. O puto que vá atiçando brasas para este lado que eu só espero que Jesus o trate como o seu amiguinho de estimação, o manuel machado.

Manuel Oliveira disse...

Felizes os que puderam assistir ao vivo a tão belo espectáculo de futebol e de golos fantásticos.
E a onda está a crescer assustadoramente. Pena talvez não chegar para ganhar este campeonato, mas vamos atacar a sério as Taças. Seria bonito ganhar as três, não acham? Bom, claro que será difícil mas não impossível. E se por ironia do destino passássemos o Estugarda e apanhássemos o Porto?

Abraço.

Apanhados disse...

Filigrana do futebol na Luz! Se não podes ver o Barcelona, vê o Benfica...!

Paulo Nave disse...

Benfica é um mundo,o resto nem serve para paisagem.
Carrega Benfica!

 

SEMPRE BENFICA

Loading...
Adaptado por Blogger Benfiquista