segunda-feira, 15 de novembro de 2010

BENFICA LAVOU A CARA - Mesmo com alguns calafrios.

--- Depois da terrível ressaca do fim de semana anterior, nada melhor que esta tenrinha Naval para o Benfica lavar a sua cara, uma goleada é sempre moralizador e este resultado pode trazer de novo alguma tranquilidade ao grupo de trabalho. Já o Porto foi feliz, muito feliz na sua vitória, a qual foi selada com um penalti à Porto, ou seja, forçado, muito forçado, nada que se estranhe.
   Já o Sporting desta vez conseguiu segurar uma importante vantagem de 2 golos e vencer num campo complicado, a Académica ainda ameaçou o empate, mas a equipa de Alvalade, desta fez, segurou a reacção adversária.
  BENFICA 4 NAVAL 0 - Depois das vitórias do Guimarães e Sporting e após a goleada sofrida, era imperioso ao Benfica vencer e de preferência por números convincentes, objectivos esses conseguidos na plenitude, mas com uma exibição muito sofrível no plano defensivo, principalmente na 1ª parte.
    Como se previa, o Benfica entrou ansioso, o que acaba por ser normal e as ausências de Luisão, Maxi Pereira e Carlos Martins, fizeram sobressair ainda mais essa ansiedade, mas, com o decorrer do tempo e sentindo a fragilidade do adversário, a equipa foi ganhando alguma confiança e acaba por chegar cedo à vantagem no marcador por Kardec.
    Quando se pensava que o mais complicado estava feito, estranhamente, permitiu a reacção adversária, a qual não teve consequências mais graves pela acção dos postes da baliza de Roberto, de facto era confrangedor ver aquela defesa, qual papel, que deixava passar os adversários por si, com uma facilidade que chegou a ser enervante, o que valeu, é do outro lado estava um adversário sem classe e também ele com uma defesa muito permeável, o que permitiu ao Benfica criar muitas situações para ampliar a vantagem.
   Até ao intervalo, assistiu-se a um jogo muito aberto e com muitas situações de golo perdidas, mas o 1 a 0 persistiu.
Na 2ª parte, o Benfica entrou a marcar com um golaço de Gaitan, golo esse que finalmente acalmou as hostes e fez com que a Naval deixasse de acreditar no milagre.
   O jogo corria de feição ao Benfica, com Gaitan a bisar e muitas e muitas situações eminentes de golo a serem desperdiçadas, fruto de uma brilhante exibição de Aimar, no seu lugar natural, a Naval essa estava resignada, mas mesmo assim e embora sem tanta clarividência e de forma menos evidente, ainda causou alguns calafrios a um sector defensivo demasiado mole e permeável, que teve a sorte de não ter pela frente jogadores com outra capacidade.
   Para o fim deixei o 4º golo do Benfica, da autoria de Nuno Gomes, porque foi especial e dedicado ao seu pai com sentidas lágrimas e deixei para o fim, porque o capitão merece, pela sua sempre brilhante postura profissional e pessoal, porque este sim, é daqueles atletas que eu posso dizer aos meus filhos que é um exemplo, a ti Nuno, tudo de bom e ignora aqueles que nunca te souberam reconhecer a exemplar postura, esses não prestam e como tal apenas merecem desprezo, por mim, jogarias no Benfica até te apetecer.
   Pela positiva: a criatividade atacante do Benfica e o golo muito especial de Nuno Gomes.
   Pela negativa: a permeabilidade defensiva assustadora do Benfica, houve momentos na 1ª parte que chegaram a roçar a mediocridade.
arbitragem de Vasco Santos: Sem casos, o que já de si e nos tempos que correm é de assinalar.
PORTO 2 PORTIMONENSE 0 - Esta equipa algarvia teve a coragem de chegar ao Dragão e sem receios deste ou daquele jogador, jogar de peito aberto, perdeu é certo, mas merecia ter sido bem mais feliz, espero que Jorge Jesus e a sua equipa, olhem para este exemplo.
   Naturalmente, a equipa portista entrou a comandar o jogo, mas o ritmo não era elevado e com a euforia ainda presente, a equipa desleixou-se, com isso ganhou a equipa algarvia, que foi sempre controlando o jogo e com um pouco mais de profundidade e felicidade ter sido mais feliz e colocar-se em vantagem, não o fez e com naturalidade, o Porto acabou por se colocar em vantagem, num golo algo consentido por Ventura, resultado esse com que se chegou ao intervalo.
  Na 2º parte, excelente reacção do Portimonense, que só por mera infelicidade, por acção de Helton e da trave, não chegou a uma igualdade que merecia, pelo que jogava e pela sua coragem.
   O Portimonense estava melhor que o Porto, mesmo com estes a terem também a suas chance de marcar, mas a verdade é que a qualquer instante se temia um golo dos visitantes e não fosse o diabo tece-las, eis que surgiu, como sempre que é preciso, o sr. do apito, de forma muito forçadinha, a dar o empurrão para a tranquilidade, marcando penalti para o Porto, que permitiu ao Porto colocar um ponto final na ambição adversária, que diga-se, não merecia tamanha traição.
Pela positiva: A coragem do Portimonense, jogando olhos nos olhos no Dragão, um exemplo, a que o Benfica e outros deviam olhar.
Pela negativa: A desplicência do Porto e o arbitro que resolveu colocar um ponto final na incerteza do resultado.
Arbitragem de João Capela: estava a ser normal, até que acabou por borrar a pintura com um penalti à Porto, igual a muitos outros de que já foi favorecido esta época e sempre que o resultado estava em causa, ou seja, a casa está bem arrumada, já todos o perceberam e julgo que já não há necessidade para continuar com esta pouca vergonha.
ACADÉMICA 1 SPORTING 2 - Chegou a temer-se nova reviravolta, mas em Coimbra, apresentou-se um Sporting bem mais realista e pragmático, só assim foi possível arrecadar os 3 pontos.
   A equipa de Alvalade, à semelhança de muitos outros jogos, entrou forte no jogo, pressionante e dominador, contudo, a mim, ficou-se já por diversas vezes, a sensação que fisicamente, os jogadores não aguentam pressionar durante muito tempo e isso tem-se reflectido em algumas 2ªs partes menos conseguidas.
   Perante o seu melhor jogo e caudal ofensivo, o equipa criava situações aflitivas na defensiva adversária, mas foi através de um penalti muito bem ganho por Postiga que chegou à vantagem. Dirão os sportinguistas penalti, mas se fosse o Saviola, diriam eles que foi simulação e que se aproveitou do contacto, para mim, não foi penalti e aliás, a equipa de Alvalade, esta época, não se pode queixar de arbitragens, muito pelo contrário.
   Com a vantagem no marcador, esperava-se uma reacção adversária, mas até ao intervalo, foi o Sporting quem esteve sempre melhor no jogo e com inteira justiça, Vukcevic ampliou a vantagem.
Na 2ª parte, forte reacção academista, que logos ao minuto 46 reduziu a desvantagem, o que intranquilizou e muito um Sporting ainda com o jogo passado na mente.
   Até aos 65 minutos, altura que o Sporting esboçou uma reacção e criou a primeira grande oportunidade, pairou sempre no ar a a ideia que a Académica a qualquer momento chegaria ao empate, Miguel Fidalgo de novo teve várias situações para marcar, valendo numa delas Patrício que faz uma defesa quase impossível.
   Com o decorrer do tempo, a equipa do Sporting foi-se fechando na sua defesa, com um pragmatismo evidente, mas decisivo para fazer com que a Académica, à medida que o tempo passava, ir perdendo fulgor e contas finais, pode-se considerar justa a vitória do Sporting.
Pela positiva: o pragmatismo leonino que lhe valeu 3 pontos.
Pela negativa: A permeabilidade da defesa do Sporting nos lances de bola parada, foi essencialmente por aí que a Académica criou perigo e de onde resultou o seu golo.
Arbitragem: sempre muito equilibrada, mas com um erro grave, não existe penalti no lance de Postiga.

6 comentários:

troza disse...

Olá Jotas

1º ponto... É verdade... o Benfica tem de olhar para este Portimonense no que se trata a jogos no Dragão. Entramos sempre a medo... e isso já é meio caminho andado para uma derrota...

Bem, o Benfica ganhou mas tem mesmo que se mentalizar que tem de defender melhor. E se há alguma coisa positiva nesta época é ver a evolução do Gaitan ao longo do tempo bem como a de Roberto (se bem que aquela cena contra o Setúbal transformou o Roberto num guarda-redes mais seguro e ajudou-o a sacudir toda a pressão que vinha desde a pré-epoca). Fica é a sensação de que alguns jogadores mereciam mais oportunidades do que as que têm.

Quanto ao Porto... não há nada a dizer... Mas depois o Benfica é que ganha jogos com penalties inventados. Mas, verdade seja dita, se as arbitragens fossem as correctas, hoje o Benfica iria na frente com apenas uma derrota e toda a gente estaria a dizer que era por causa dos penalties (que eram, mas pronto). Enquanto que o Porto tinha entrado no campeonato com alguns resultados menos conseguidos.

O Sporting... eu só vi a repetição do penalty uma vez e talvez preciso de ver outra vez. E desta vez discordo contigo... do que vi pareceu-me haver carga nas costas. E isso é falta. Por mais que o jogador se atire para o chão para o arbitro marcar ou quer ele se mantenha em pé, isso é falta. Posso estar enganado mas pareceu-me mesmo penalty. Mas depois concordo contigo que o Sporting não tem queixas das arbitragens: ainda não perdeu pontos graças a elas mas já ganhou 2 ou 3 num jogo no início da época. Erros... e 2 ou 3 pontos não são os 7 a maios que o Porto tem nem nada pelo que eu não vou dizer nada.

Só acrescentar que a moda da bola de golf devia ter sido eliminada mas como todos fazem o que querem até já passou para outros estádios. E agora já há quem se queixe... agora isto já é um problema... incrivel que sempre que foi com o Benfica não o foi. E depois as declarações lamentaveis dos treinadores do Guimarães e do Braga. Dois golos em fora de jogo (1 para cada lado) e dois penalties roubados (1 para cada lado) é caso para criticar a arbitragem em conjunto... e não puxar a brasa à sua sardinha, o que só mostra uma coisa: serem favorecidos tudo bem, mas errar contra eles já não pode ser. E os treinadores deviam era exigir que este árbitro não apitasse mais na primeira liga até ao final da época e não tentarem passar a mensagem de que as suas equipas foram roubadas quando, nos lances mais importantes, ninguém saíu prejudicado

GIL VICENTE disse...

Mais uma excelente crónica, o que não constitui novidade nenhuma, vinda da "pena" de quem vem.
Objectiva, concisa, de leitura harmoniosa e saborosa.
Lê-la é um regalo para os sentidos, os sentidos dos que apreciam a boa leitura.
Um grande abraço

Anónimo disse...

epá o penalti do coentrão contra o paços não foi, e vcs estavam a ganhar 1-0, o jogador dos gajos foi mal expulso, e dps o FCP é q tem os árbitros a assegura-los das vitórias incertas? O 1º golo do porto é um grande golo, não é um golo consentido, e o penalty é absolutamente evidente, especialmente quando comparado com o que referi antes (e foi aos 90 minutos, ao contrário do vosso.)

magalhães.Sad.SLB disse...

Bom texto Jotas...

Glorioso abraço.

Manuel Oliveira disse...

Vitória robusta como convinha para apagar a derrota anterior.
O título é difícil mas pelo menos o 2º lugar será nosso e existem outras provas para ganhar.

Abraço.

VHugo disse...

Infelizmente Jotas, não será fácil conquistar o campeonato. O Porto esta ano parece o Benfica do ano passado e o Hulk o Dí Maria e está tudo dito!

http://forcamagicoslb.blogspot.com/2010/11/que-diferenca-da-agua-para-o-vinho.html

 

SEMPRE BENFICA

Loading...
Adaptado por Blogger Benfiquista