quinta-feira, 11 de novembro de 2010

BENFICA E O SEU PAPEL SOCIAL - e a cultura de exigência.

--- Ouvi e li imensas vozes discordantes da inoportunidade da deslocação do Benfica a Angola, cujos principais argumentos se cingiam ao facto do desgaste da viagem, do cansaço que tal provocaria nos jogadores, da inoportunidade face ao calendário, entre muitas outras coisas, mas todas à volta do mesmo.
   Permitam-me discordar totalmente destas ideias, é que o Benfica, com bons ou maus resultados, é muito mais que um clube, tem face a outros uma responsabilidade acrescida, em virtude da sua dimensão não se resumir a uma região ou a um país, o Benfica é um clube universal, com milhões de fervorosos adeptos espalhados pelos diversos continentes.
   Como tal, este factor só por si, acresce de responsabilidades que outros não têm, o Benfica, por via da sua enorme dimensão, tem um papel muito mais que desportivo, tem um papel social e cultural, que visa defender e até expandir, como tal, o clube tem obrigação de se deslocar onde quer que haja adeptos, seja em Angola, na Austrália, na China ou nos Estados Unidos e face ao que se comemorava em Angola, era muito mais que fundamental o Benfica estar presente, era imperioso, digo até que só o Benfica poderia ali estar.
    A alegria que provoca nas pessoas que podem estar junto dos craques é contagiosa e isso só por si já vale o esforço, é que a maioria de nós não dá o devido valor porque está normalmente perto da equipa e dos jogadores, esteja perto ou longe, com maior ou menor dificuldade, acaba por ver todos os anos a sua equipa em campo, mas aqueles que estão a milhares de quilómetros? Não merecem ver a sua equipa e os seus ídolos de perto? Claro que merecem.
   Portanto e face ao exposto, julgo que foi importante a equipa ter ido a Angola, a sua franja de adeptos neste país é incomparável a qualquer outro clube nacional e há que saber implementar e divulgar a marca, para que esta se amplie e não se apague.
   Não me venham com histórias de desgaste ou cansaço, por amor de Deus, estes jovens atletas são profissionais, isto é a sua vida, são pagos a peso de ouro e nunca por nunca, quando o Benfica pretende reforçar o seu papel social, desportivo e cultural, podem usar tais factos como argumentos.
   Afinal de contas, onde está a cultura de exigência tão apregoada? Os jogadores que representam esta instituição têm de saber onde estão, que aqui se exige e que aqui há que viver o clube todos os segundos, só assim se tem êxito, só assim se atinge o sucesso e tenho pena que dentro e fora do clube se esqueça isso com alguma frequência.
   Estes jogadores, os adeptos e toda a estrutura do clube, devem antes sentir orgulho pela camisola que defendem e por aquilo que o clube representa, só assim pode haver sintonia e identidade entre todos.
    Esta época, ao contrário da anterior, falta sem dúvida uma cultura de exigência, onde estão os atletas que corriam unidos até à exaustão? Onde está aquele treinador que transpirava no banco tanto como os atletas no relvado, parecendo ele mais um a jogar? Onde está o Jorge Jesus que a meio do jogo tirava a gravata e o casaco, arregaçando as mangas?
  Isso sim é ser Benfica e isso sim parece estar esquecido, o que se estranha quando ainda há bem poucos meses todos exultávamos com o brilhantismo deste plantel.
   Julgo que é esta a mensagem que se deve passar ao grupo, para o unir e para perceberem, que digam os outros o que disserem, nós somos os campeões nacionais e temos ainda muito a defender e a ganhar, lamento que pareça que muito boa gente está esquecida disso, as quinas ainda estão na nossa camisola e como tal só uma coisa nos resta, dignificá-la, com lágrimas, suor e dedicação.

4 comentários:

troza disse...

Concordo contigo Jotas.

Aliás... eu dizia o ano passado: se corressem o que correram o ano passado, se lutassem como lutaram o ano passado... este ano podiamos ter exactamente os mesmos pontos, mas a relação adeptos-equipa estaria muito melhor.

Se todos no clube fizerem a sua parte, os adeptos estarão lá para apoiar. Não fazendo, os adeptos perdem a moral e a ligação. E se os adeptos têm de puxar pela equipa, ela tem de mostrar que está disposta a tudo para que o apoio dos adeptos seja reconpensado, se possível com o resultado, com raça, querer e ambição, pois nós só queremos o Benfica campeão e sabemos que sem raça, sem querer e sem ambição não vamos a lado nenhum.

E o Benfica fez bem em ir a Angola. Nesta época (já perdida parcialmente) é preciso voltar a mostrar a grandeza do clube aos jogadores e tal... e em Angola eles voltaram a ver. Espero que voltem com vontade de honrar as quinas até ao final do ano. Ganhem ou não alguma taça, sejam ou não apurados para a liga dos campeões, fiquem ou não em primeiro ou em segundo.

Apanhados disse...

Excelente Post Jotas!

Concordo em parte com o que escreves no sentido que continuo a achar que o timing para fazer uma viagem desta não foi o ideal...

Quanto à Grandeza do Glorioso nem vale a pena falar...Depois de uma derrota pesada serem recebidos daquela forma, diz tudo.Outros porém, não podem dizer o mesmo pois quando perdem são recebidos no aeroporto com vais e ameaças...

Espero que esta viagem sirva também para os novos jogadores do Benfica conhecerem melhor a sua grandeza! Viajar 7 horas de avião e chegar a um sítio com todos aqueles adeptos é só para um grupo muito restrito à escala Mundial.

sloml disse...

A grandeza do clube e o sentimento que desperta nas pessoas, tudo isso é óbvio e nem vale a pena discutir isso. Mas Jotas, achas que o Mourinho, por exemplo, permitiria um amigável em Angola na sequência da humilhação no Dragão e com um jogo de campeonato no Domingo? Sinceramente, não me parece. E assim é que é. Acho que o timing escolhido para esta digressão foi totalmente errado.

VHugo disse...

É verdade Jotas, até maio e por muito que lhes custe...continuamos a ser campeões!

http://forcamagicoslb.blogspot.com/2010/11/voltamos-ao-passado.html

 

SEMPRE BENFICA

Loading...
Adaptado por Blogger Benfiquista