quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

TAÇA DA LIGA - Uma questão de tradição.

   Com mais um volte-face no marcador, o Benfica manteve a sua forte tradição vencedora nesta competição e apurou-se para a meia final, com uma vitória difícil mas justa, num jogo que também serviu para dar minutos e ritmo  jogadores que por um motivo ou outro, há muito que têm andado arredados da competição, casos de Aimar, Carlos Martins e Roderick.
  BENFICA 3 ACADÉMICA 2 - O Benfica como esperado, apresentou um onze com muitas mudanças em relação àquele que foi utilizado na última jornada da Liga e da equipa habitualmente titular, a excepção foram Lima e Jardel, daí ser natural alguma dificuldade na fluidez e consistência do seu jogo.
   Mesmo numa toada algo morna e contra a melhor equipa da Académica, que se mostrou sempre muito encolhida, o domínio do Benfica era quase total, não criando muitas oportunidades e nem sempre com a melhor ligação entre o meio campo e o ataque, fruto de uma menor inspiração de Bruno César e dos alas Nolito e Ola John, a verdade é que o Benfica jogava próximo da área adversária.
   Por volta dos 35 minutos, surge o 1º golo da partida, curiosamente através de um passe fantástico de um Bruno César preso de movimentos, que isola o sempre endiabrado Lima, que após fintar o guarda redes, atira para o fundo da baliza.
   Com o golo o Benfica ganhou maior tranquilidade, mas revelava alguma dificuldade de aceleração do seu jogo, afinal de contas, Aimar ainda esta sem grande ritmo e havia alguma dificuldade natural de entrosamento entre os menos utilizados, o que é natural.
    O jogo caminhava controlado para o intervalo, quando um passe displicente do apagadíssimo Bruno César, isola Makelele e este só com Paulo Lopes pela frente restabelece a igualdade a 1 golo, após o qual as equipas seguiram de imediato para o balneário sem sequer a bola ir ao centro.
  Na 2ª parte, fruto do empate registado, esperava-se um melhor jogo e mais rápido, foi o que sucedeu.
    O Benfica apareceu mais determinado sobre a bola, subiu a sua linha defensiva, mas sem que nada o fizesse prever, numa recuperação de bola a meio campo, Saleiro e isolado por um companheiro e na 2ª vez que chega à baliza do Benfica faz o seu 2º golo, colocando-se em vantagem no marcador.
   O azar dos conimbricenses, é que este Benfica respira confiança,  a equipa não abanou e partiu de imediato para cima do seu adversário.
  Em desvantagem no marcador, chegou a hora de Jorge Jesus mexer na equipa, fazendo entrar Kardec para os lugar de um Aimar ainda à procura da sua melhor forma e Martins para o lugar do apagado e parece-me até desmotivado Bruno César, essas substituições mudaram ainda o sistema da equipa do inicial 4-2-3-1, para o habitual 4-4-2 em que esta equipa se sente nitidamente melhor.
   Com a mudança táctica e as substituições operadas, a melhoria de produção da equipa foi notória, contribuindo também para tal a entrada de Salvio para o lugar de um Nolito muito trapalhão e num ápice, o Benfica virou o resultado, igualando a partida através de um cabeceamento de Kardec e depois através de primorosa assistência deste a isolar Lima que coloca um ponto final no jogo.
    Com a vantagem no marcador e depois de ver a Académica reduzida a 10 unidades, o Benfica, até ao fim do jogo limitou-se a controlar a posse de bola, a fazer gestão de esforço, à espera do apito final.
   Em suma, uma vitória justa, num jogo com uma 2ª parte mais viva e alegre que a primeira.
Pela positiva: A mudança táctica de Jorge Jesus e a entrada de um Kardec decisivo, com uma enorme injecção de moral para o avançado brasileiro.
 Pela negativa: A exibição sem chama e motivação de Bruno César, assim perde toda a legitimidade para pedir mais tempo de jogo.
 Arbitragem: Teve o condão de deixar jogar, usando um critério largo, com dúvidas se havia posição irregular de Lima no 1º golo do Benfica e no 2º golo da Académica, mas o mesmo auxiliar, na dúvida e bem, optou por como mandam as regras, beneficiar quem ataca.

6 comentários:

Fura-Redes disse...

Gostei de Roderick, para quem já não jogava à tanto tempo, acho que é bom lhe darem mais oportunidades

Anónimo disse...

Gostei do Menino... parece-me que será muito melhor 6 do que 8! Um futuro Paulo Sousa em construção, mas com muitos e melhores argumentos! Perdoem-me a comparação, mas começo a ver neste menino traços de Pirlo na sua forma de jogar.

O futuro, desde que possua inteligência, é seu, desde saiba manter a regularidade e saiba evoluir para um jogador com maior dimensão!

Gostei de ver ainda o Benfica a terminar com 5 jogadores portugueses no seu plantel! Agora que venha a conquista de ter o futuro núcleo da seleção de futebol de Portugal! Para isso, há que formar bem e dar as devidas oportunidades, rodeados dos melhores craques!

Anónimo disse...

Quando falo do menino, falo do André Gomes! :-)

Atlas disse...

Ontem a Académica as primeiras duas vezes que rematou à baliza marcou 2 golos!
Antes de proceguir este comentário devo dizer que o Paulo Lopes justifica defender as redes do SLB arriscando mesmo dizer que em bolas aéreas pode ser ligeiramente mais seguro do que Artur. Contudo nos encontros de um contra um o Artur tem provado ser ( ou por sorte ou sabedoria) muito mais eficaz do que Paulo Lopes.
Ontem com Artur na baliza se calhar uma das duas não teria sido golo, mas é pura especulação.

Manuel Oliveira disse...

Benvindo de volta, amigo Jotas!
Este Benfica não se intimida quando está a perder e vai para cima dos adversários com tudo.
No 1º golo o Lima está em linha.

Abraço.

Anónimo disse...

https://www.facebook.com/#!/groups/130613446951225/?fref=ts

passem lá e partilhem, o autor está a precisar de companheiros que se queiram juntar à luta contra a corrupção.

Façam-no pelo Benfica e ajudem a acabar com a batota no futebol portugues.

 

SEMPRE BENFICA

Loading...
Adaptado por Blogger Benfiquista