segunda-feira, 29 de outubro de 2012

SORTEIO DA TAÇA DE PORTUGAL - Benfica vai ao Moreirense.

  Decorreu hoje o sorteio da 4ª eliminatória do sorteio da Taça de Portugal, com a curiosidade de o Benfica se deslocar a Moreira de Cónegos, onde vai defrontar o Moreirense, curiosamente o adversário que eliminou o Sporting desta competição.
     Nesta fase da prova não se pode dizer que tenha sido um bom sorteio, haveria adversários bem mais apetecíveis nesta altura, os quais numa fase em que o Benfica terá confrontos de extrema importância a nível interno e decisivos na Liga dos Campeões, permitiriam um outro tipo de gestão do plantel, assim e pela importância que tem para os benfiquistas esta prova, fruto do imenso tempo de ausência da final, algo incompatível com o seu historial, embora possa haver um ou outro ajuste em termos de gestão da equipa, certamente todos os cuidados serão poucos, isto se o Benfica quiser vingar o Sporting.
    Ó Porto, ao contrário do que normalmente acontece, terá talvez em teoria, aquele que será o confronto mais difícil, com uma sempre complicada deslocação à Madeira, onde irá defrontar o Nacional.
    Espero ainda, que Fernando Gomes, Presidente da F.P.F., não faça mais uma vontade a Pinto da Costa, tirando a final do Jamor, embora se reconheça que este estádio não tem as condições de outros, a verdade é que é o emblema desta competição, em que a Taça de Portugal é uma espécie de rumo ao Jamor, com tudo o que de belo isso tem, creio que a prova perderia algum significado pela simbologia do destino a final, onde mais de pode ter um complexo desportivo que proporcione tamanha festa e convívio, com piqueniques e romarias festivas como na mata do Jamor, não há, tirar isso à Taça de Portugal é tirar aos adeptos a festa do futebol e por vezes isso é mais importante que as condições que o estádio possa ter.
 
   Aqui fica o sorteio completo da 4ª eliminatória:
 
Paços de Ferreira - Olhanense
 Oliveirense - UD Leiria
Oliveira do Hospital - Fabril
Académica - Penalva do Castelo
Pampilhosa - SC Braga
Lourinhanense - Feirense
Farense - Beira-Mar
V. Setúbal - V. Guimarães
Desp.Aves - Coimbrões /Operário /Caldas
Mirandela - Gil Vicente
Aguiar da Beira - Marítimo
Tourizense - Santa Clara
Nacional - FC Porto
Arouca - Rio Ave
Belenenses - Pedras Rubras
Moreirense - Benfica

 FORÇA BENFICA, QUEREMOS REGRESSAR AO JAMOR

sábado, 27 de outubro de 2012

BENFICA CATEGÓRICO - Numa exibição segura e convicente.

   Uma vitória categórica do Benfica em Barcelos, com uma mini revolução no onze e agradáveis surpresas, as quais demonstraram que de facto, suprindo uma ou outra lacuna em Janeiro, há qualidade e soluções no plantel e acabando de vez com o mito do lateral esquerdo, Luisinho foi simplesmente imperial.
   GIL VICENTE 0 BENFICA 3 - Uma entrada em jogo à Benfica, entrega, garra e uma pressão que chegou a ser sufocante para o adversário, facto esse que contribuiu para uma vitória fácil, num jogo que se antevia complicado.
    Logo aos 2 minutos, Lima corresponde da melhor maneira a um cruzamento da direita, fazendo o 1 a 0, e todos sabemos como é importante marcar cedo a equipas que normalmente se fecham bem e jogam no erro do adversário.
    Mesmo marcando cedo, o Benfica continuou com um ritmo forte, sempre com iniciativa de jogo e hoje, com um meio campo mais sólido fruto da presença de um miúdo cheio de talento e com uma maturidade absolutamente notável para um miúdo de 19 anos, refiro-me a André Gomes, que será certamente o maior diamante da formação pós Rui Costa, assim se saiba gerir o miúdo, entrando lentamente na equipa e nisso, creio que Jorge Jesus sabe gerir pérolas como poucos.
    Fruto de um domínio absoluto, não espantou que o 2 a 0 surgisse, numa grande iniciativa de Lima, outra bela exibição, que assiste na perfeição Luisinho que atira para o fundo da baliza, um golo que coroava a bela exibição do Benfica e deste lateral esquerdo que na época passada, em Paços, foi dos melhores da Liga.
   O Gil Vicente ficou atordoado com esta entrada a matar do Benfica, não criava perigo e via um Benfica a gerir a posse de bola com qualidade, ao mesmo tempo que dava profundidade ao seu jogo, com Enzo e Ola John, a darem essa profundidade nas alas.
   Uma palavra para o jovem holandês, que tem tido imensa dificuldade em adaptar-se, entrou bem, foi criativo e já mostrou alguma da sua imensa qualidade, embora se note ainda alguma imaturidade e falta de maturidade táctica quando não tem bola, mas lá está, há ali qualidade e certamente, Jorge Jesus vai moldando o atleta e aos poucos vai entrando na equipa e isso é uma das coisas que os adeptos têm de aprender, as coisas fazem-se com método e tempo, ou seja, não se pode logo à primeira aparição a carimbar jogadores, lembrem-se do Di Maria que só na 3ª temporada explodiu.
    O Benfica fechou o resultado ainda na 1ª parte, com um golo do miúdo André Gomes, numa jogada de insistência em que não desistiu do lance, aproveitando ainda a ingenuidade do defensor adversário, com o 3 a 0, o jogo ficou definitivamente traçado.
   Na 2ª parte, o Gil tentou reagir a um resultado adverso, entrou mais agressivo e decidido, só que pela frente tinha um adversário tranquilo e confiante perante a vantagem adquirida na 1ª parte, o que complicou imenso a tarefa gilista, os quais apesar de terem agora maior acutilância ofensiva, não conseguiam criar qualquer perigo, ao invés, era o Benfica que parecia mais perigoso.
    Depois do desgaste do jogo da Liga dos Campeões e depois da preciosa vantagem no marcador, compreensivelmente, o Benfica procurava agora gerir a bola e baixar o ritmo de jogo, de modo a equipa conseguir estar sempre num bom plano físico ao longo de todo o jogo.
     O jogo seguia tranquilo, até que naquela que foi talvez a única desconcentração defensiva do Benfica, Enzo tem de recorrer à falta para impedir a progressão de um jogador gilista, falta e amarelo sem discussão, que por ser o 2º deu origem à sua expulsão, questionável foi o 1º amarelo, num lance normalíssimo.
   Em vantagem numérica, o Gil Vicente, acreditou que seria pelo menos possível um golo e se é certo que atacava agora mais, tinha mais cantos, a verdade é que exceptuando uma cabeçada que Artur defende para a barra da sua baliza, nunca houve lances de grande perigo para a baliza encarnada.
    No fim, um resultado justo, numa boa exibição do Benfica, que respondeu assim da melhor forma à derrota na Rússia, premiou a grande vitória de Luís Filipe Vieira e melhor ainda, deu-me 3 maravilhosas prendas em dia de aniversário e que melhor prenda poderia eu ter que uma bela vitória do nosso Benfica?
   Pela positiva: As belas exibições de jogadores normalmente não titulares, Luisinho, André Gomes e Ola John, estiveram em bom nível.
   Pela negativa: A agressão bárbara de um jogador gilista a Luisinho, como é possível só ter visto amarelo, incompreensível.
   Arbitragem de Vasco Santos: Teria sido extremamente positiva, não fosse o amarelo ridículo mostrado na 1ª parte a Enzo, que depois dá origem à sua expulsão e depois numa entrada brutal sobre Luisinho, apenas mostra amarelo. 
   

NATURALMENTE VIEIRA - Mas venceu o Benfica.

  Naturalmente Luís Filipe Vieira, foi eleito de novo Presidente, naturalmente por uma margem que não deixa qualquer espécie de dúvida daquilo que os benfiquistas querem, aqueles que após estes resultados afirmam terem vergonha dos benfiquistas, façam-nos um favor, se têm vergonha desapareçam, não fazem falta nenhuma e o Benfica não precisa de gente sem civismo que que não sabe aceitar os desejos de uma nação.
   Por muito que custe a meia dúzia de canalhas que mais não fizeram nos últimos meses que enxovalhar o Presidente, o clube e cujo contributo que deram, foi o de dar argumentos aos inimigos externos para atacarem o Benfica, a eles dedico esta vitória contundente, esmagadora e inequívoca, mostrando claramente de que lado estão os benfiquistas e que essa meia dúzia de canalhas, ao contrário do que afirmavam, nunca representaram qualquer voz no Benfica, são demasiado insignificantes para isso, quando muito representavam-se a eles mesmos e até disso tenho dúvidas.
     Não confundo, nem misturo esses canalhas com a lista ou a candidatura de Rui Rangel, essa julgo que foi importante e quanto mais não seja, serviu para que hoje, o Benfica desse enorme prova da sua vitalidade, os canalhas estão bem identificados na blogoesfera do Benfica e dela não passam.
    A Rui Rangel o meu obrigado pela coragem, por ter sido candidato e por ser uma voz diferente, que é sempre importante, apenas lamento que a sua estratégia tenha sido a de atacar algumas medidas desta direcção, em vez de apresentar um projecto e novas ideias, certamente, ele e o Benfica ganhariam muito mais.
    Foi um dia em cheio, que correu com o civismo que sempre deve carcaterizar o Benfica e os benfquistas, exceptuando aquela meia dúzia de cobardolas do costume, que nem gente se considera, daí serem os sem nome, cujo seu conceito democrático é igual a dos canalhas, que mesmo contra os esmagadores 83%, tinham de praticar a arruaça, arrebentar o petardo da ordem, mostrando que afinal não estão ali pelo Benfica, porque se estivessem, aceitariam a decisão dos benfiquistas,mas esses energúmenos devem julgar-se superiores, ou que mandam no Benfica e é contra isso que se revoltam, pois LFV não permite que sejam eles a mandar e a fazer o que bem querem.
        Luís Filipe Vieira com mais de 83% saí legitimado e mais ainda, tem uma maioria esmagadora que lhe dá a tranquilidade e estabilidade necessária para exercer o seu mandato, julgo mesmo que questionar essa legitimidade, será um acto de falta de cultura democrática e olhem que houve aí muitos a aludirem a essa cultura, mas que passaram estes meses a tentar silenciar e a boicotar quem com eles discordava.
   Importante é que hoje venceu o Benfica, pela enorme afluência às urnas, pelo civismo e por mostrarmos que somos Benfica.
   Após estes resultados, que são demasiado esclarecedores, julgo ser deixar de pensar que aquilo que julgamos ser o melhor para o Benfica é que é o caminho, como se fossemos donos da verdade, estes resultados exigem união e que o nosso lema perdure, E PLURIBUS UNUM, assim quiseram os benfiquistas com os seus votos, os resultados são elucidativos, espero que sejam aceites por todos, democraticamente, porque esta ideologia, não serve só para ser invocada na hora das vitórias, os canalhas que não se esqueçam disso.
  

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

ELEIÇÕES DO BENFICA - Os benfiquistas que decidam.

  


     Hoje e pela única vez, por julgar ser o momento adequado, depois de ouvir atentamente aquilo que os candidatos às eleições do Benfica, vou deixar aqui a minha opinião, aquilo que penso sobre o momento eleitoral e os candidatos, opinião essa que já deixei expressa em alguns comentários que fui deixando em alguns blogues.
    Sinceramente, Rangel não me convence, não me parece ser a alternativa que eventualmente o Benfica poderia precisar, cheira-me mais a uma pessoa de facto bem intencionada, formada, com alguma elevação, embora por vezes enverede apenas pelo caminho da acusação e quase nada pelo caminho das ideias e de projecto, mas muito comparável aos últimos presidentes do nosso vizinho, muito bem engravatados, mas muito pouco por dentro daquilo que é o futebol, a realidade de um clube grande e extremamente impreparado para conduzir um porta aviões que é o Benfica, no entanto, não deixo de louvar a sua iniciativa de ser candidato, o que é bom, e acho ainda que Rangel não deve ser como está a ser encarado pela actual direcção como um inimigo do clube, nada disso, é importante, tem as suas ideias e é um benfiquista com total legitimidade de apresentar outro rumo para o Benfica e como tal salutar.
    O meu medo, é que Rangel não tenha o carisma de liderança importante para um clube como o nosso, demonstra alguma ingenuidade e estou convicto que Rangel como Presidente rapidamente perderia essa liderança e o Benfica correria o risco de entrar novamente numa fase de instabilidade directiva e isso seria um recuo, porque com defeitos, se calhar podendo fazer melhor, a verdade é que embora de forma mais lenta que o desejável, parece-me que o Benfica tem esbatido diferenças, tem evoluído competitivamente e caminha numa lógica evolutiva.
    Se calhar, alguns que estão consecutivamente a pedir que role a cabeça do treinador e do Presidente, deveriam olhar para Alvalade e ver qual o caminho a que conduziu a permanente instabilidade directiva e técnica e isso não quero, nem desejo que aconteça ao meu clube, como infelizmente acontecia antes de LFV.
    Obviamente e como qualquer pessoa e seria impossível ser de outra maneira, LFV é acusado de cometer erros de gestão, há que concordar e aceitar esse facto, embora eu continue a achar que seja quem for que esteja à frente do Benfica, tome as medidas que tomar, para alguns será sempre uma medida errada, porque aquilo que para mim é correcto, pode não o ser para outras pessoas.
   Contudo, parece-me uma tremenda injustiça acusar sucessivamente o actual Presidente de ganhar poucos títulos, embora isso seja uma realidade, a verdade é que LFV, tudo tem feito para que esses títulos surjam.
    É verdade ou não que as modalidades do clube andavam moribundas, a lutar sabe-se lá porque objectivos? Foi ou não ele que investiu forte nas modalidades, as apetrechou com qualidade, as tornou extremamente competitivas e que hoje o Benfica luta por títulos em todas elas?
    No futebol, quem é que nos últimos anos investiu mais que LFV? Tem ou não dotado a equipa de grandes jogadores?
    Portanto, a verdade é que LFV, tudo tem feito para que haja competitividade, para que as equipas tenham qualidade e se não ganha tanto como seria desejável, não é certamente por ele tentar de tudo.
    Por tudo isto e muito mais que haveria por dizer, o meu apoio à continuidade de Vieira é total, porque não tenho memória curta e vendo o Benfica a caminhar com sustentabilidade num caminho de evolução, não vou correr risco de dar passos atrás e voltar à era em que o Benfica era governado de fora para dentro, hoje, felizmente, há um Presidente que bem ou mal decide, que não deixa que qualquer um meta o guedelho onde não é chamado, que no fundo é a vontade daqueles que graças a Vieira perderam protagonismo e deixaram de se promover à custa do Benfica.
     Confesso ainda que ao contrário de muitos benfiquistas, não foi a decisão de LFV caso vença as eleições de centrar os direitos de transmissão nos jogos do Benfica que me faz apoiá-lo, confesso mesmo que isso em nada me entusiasmou, até porque me parece ser um cenário pouco realista.
    O Benfica tem de facto um peso no mercado nacional incomparável a qualquer outro clube, tem inclusive algum peso internacional, nomeadamente nos países lusófonos, mas não tem um peso internacional de um Manchester United, Barcelona ou Real Madrid por exemplo e se para esses clubes, centrar os direitos de transmissão dos seus jogos no seu canal não é sequer uma opção, porque será isso assim tão viável no canal Benfica? Sinceramente, não creio que isso seja realista e não vejo como pode o Benfica lucrar com essa opção, quando outras marcas bem mais fortes não o conseguem fazer.
    Termino o post solicitando aos meus caros que participem no inquérito que está colocado no canto superior direito do blogue e que termina na madrugada de 6ª feira.



terça-feira, 23 de outubro de 2012

BENFICA SEM CHAMA EM MOSCOVO - Mas tudo continua em aberto.

   Antes de fazer uma análise ao jogo, devo começar por dizer, que me faz alguma confusão, o modo trágico com que os próprios benfiquistas analisam os jogos da sua equipa, por muito que nos custe perceber esta realidade, isto não são os anos 60, lamento mas não são e não representa nem tragédia nem escândalo nenhum perder em Moscovo frente ao Spartak, embora fosse mas natural o Benfica ganhar, a verdade é que as diferenças não são assim tantas e o investimento dos russos no futebol é hoje brutal.
    Esta coisa de cada vez que se perde um jogo em que há esperança de ganhar porque nos julgamos melhores, pedir logo que rolem cabeças de tudo e todos, arranjar culpados em todo o lado, é uma tolice de todo o tamanho e se calhar, fazia-nos bem, olhar um pouco para o vizinho do lado e ver qual o resultado que dá as sucessivas mudanças de treinadores e direcções sempre que algo não corre bem, era bom olhar, aprender e perceber que esse não pode  ser o caminho que também já foi o do Benfica.
   Caramba, estamos a falar da Liga dos Campeões, hoje o campeão Europeu perdeu em Shaktar, a Juventus em Nordjelland, o Manchester United viu-se de desejou-se para ganhar ao Braga e o Barcelona só ao soar do gongo ganhou ao Celtic e esses sim são tubarões na Europa, com muito mais responsabilidades que o Benfica e não consta que por esses resultados se ande a pedir a cabeça de toda a gente, perceba-se que há 2 equipas a jogar, os adversários têm muito valor e embora esteja triste com a derrota e ache que este grupo estava perfeitamente ao alcance do Benfica, mesmo sem Javi e Witsel, a verdade é que isto é um jogo e até ao momento os adversários têm estado melhores e como tal estão de parabéns.
    SP. MOSCOVO 2 BENFICA 1 - Na ante visão deste jogo, tinha alertado que uma das grandes adversidades que o Benfica iria encontrar, seria o relvado sintético e embora isso esteja longe de ser a única justificação para uma entrada em jogo a roçar a mediocridade, teve o seu peso.
    De facto, o Benfica entrou em jogo estranhamente nervoso, apático e sem reacção, ao invés do seu adversário que entrou forte, decidido e com vontade de marcar cedo.
    Perante tal alheamento da equipa do Benfica, foi de forma fácil e natural que o Benfica começou desde logo a perder, ainda nem 3 minutos havia de jogo.
   Nos primeiros 20 minutos, o Benfica não acertava no tempo de entrada aos lances, parecia atordoado com a maior vontade do adversário e tinha realmente alguma dificuldade em jogar neste tipo de relvado.
    Numa fase em que finalmente e após alguns sustos, o Benfica começava a equilibrar o jogo, surgiu o golo do empate por Lima, nesse aspecto, o Benfica foi feliz, exceptuando um remate forte de Rodrigo, o Benfica marcou na sua 1ª oportunidade.
    O jogo caminhava nesta fase algo equilibrado, embora a falta de marcação e capacidade de ter a bola no meio campo fosse demasiado evidente e isso dava confiança ao adversário que aos poucos voltava a ser melhor, mais perigoso e a criar algumas situações aflitivas na defesa do Benfica, fruto de permeabilidade do seu meio campo.
    Conforme o Benfica foi feliz ao empatar, foi também algo infeliz em sofrer o empate à beira do intervalo, num lance que começou com uma abordagem deficiente de Matic numa bola dividida e depois com Bruno César, sempre desligado do jogo, a ser ultrapassado pelo ala do Spartak que cruzou para a área onde Jardel acabou por ser infeliz, no entanto há que dizer que a vantagem dos russos ao intervalo era justíssima e se calhar até pecava por escassa tal a pálida exibição do Benfica.
    Na 2ª parte, o Benfica entrou melhor, mais adaptado ao campo, com as suas linhas mais ligadas, mas sem conseguir que alguém no meio campo agarrasse no jogo e pauta-se o ritmo da equipa, assim, quer Lima, quer Rodrigo raramente eram bem servidos, apenas Enzo, a espaços, mostrava uma entrega e uma vontade enorme de remar contra a maré.
   Inevitavelmente Jorge Jesus teria de mudar algo e fê-lo bem, tirou um apagadíssimo Bruno César e um desinspirado Rodrigo, fazendo entrar Gaitan e Cardozo e a verdade é que a partir dos 65 minutos, viu-se um outro Benfica e foi precisamente a partir daí que se percebeu que este Spartak estava ao alcance deste Benfica.
  Gaitan dava mais velocidade na ala esquerda, mais criatividade e ideias de jogo e embora sem criar muitas situações de golo, a verdade é que o Benfica era agora melhor e mais perigoso e teve 2 ou 3 situações flagrantes de marcar, ao mesmo tempo que subindo a sua linha de pressão sobre o adversário, nunca mais a equipa russa conseguiu perigar a baliza de Artur.
   No fundo, faltou ao Benfica nesta fase alguma felicidade que teve na 1ª parte, mas há que saber reconhecer que avaliando os 90 minutos, o Spartak mereceu ganhar, enquanto o Benfica pouco fez para ser mais feliz.
    Findo os jogos do grupo, graças a um golo do Barcelona mesmo ao soar do gongo, tudo está em aberto, agora há que vencer os 2 jogo em casa e depois então perceber em que pé está o Benfica, que até poderá ser apurado com 7 pontos, desde que o Barça vença todos os seus jogos, mas era escusado, creio que um Benfica mais capaz, concentrado e com outra atitude, poderia hoje estar em muito melhor posição e não estar tão dependente daquilo que outra equipa vai fazer.
     Espero ainda que nos próximos jogos em casa, frente ao Spartak e ao Celtic, o público vá ao estádio, apoie a equipa, porque ainda tudo é possível e como já disse, embora o campeonato seja o grande objectivo, pelo seu prestigio, ideal seria apurar-se para os 1/8 de final desta prova, mas continuar na Europa é muito importante para o clube e para isso o Benfica depende de si, dos seus adeptos e do carinho que possam dar a equipa.
   Pela positiva: As boas entradas em campo de Cardozo e Gaitan e Enzo sempre inconformado e aquele que mais tentou dar a volta a passividade do Benfica.
   Pela negativa: A 1ª parte deplorável do Benfica, a qual exige uma reflexão interna e que não poderá acontecer mais seja qual for o jogo, muito menos num jogo de Liga dos Campeões.

  Arbitragem: Á inglesa, excelente.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

DAS ELEIÇÕES NO BENFICA AO REGRESSO DA CHAMPIONS - E ainda o momento Sporting.

   Em relação à eleições do Benfica, vou limitar-me a prestar aqui um esclarecimento:
  Alguns estranharão o facto de em pleno período eleitoral, não colocar posts sobre os candidatos e as eleições, apenas o fiz quando soube e para saudar a existência de 2 listas concorrentes, que julgava ser salutar para  debater ideias e projectos para o Benfica, mas como esse não tem sido o timbre da campanha, optei por não me envolver ao contrário de outros companheiros bloggers e muito menos por fazer disto uma guerra pessoal e uma campanha desesperada de apoio a um candidato, apenas porque não gostam de LFV, ou seja, nem que fosse o Zé da Esquina, esses senhores do Geração Benfica, fariam disto uma guerra.
   Ora, eu não pactuo com línguagem sem escrúpulos, com ofensas ao clube e a quem o dirige, nem darei argumentos para que os de fora os usem para atacar o Benfica, como tal, prefiro apenas manter-me neutro e deixar que os benfiquistas decidam em consciência, embora ressalvando o quanto foi fácil perceber que Rui Rangel não conhece a realidade do Benfica, não percebe o que é dirigir um monstro e ainda não mostrou qualquer ideia de projecto de crescimento ou de rumo para o Benfica, limita-se a alinhar em jogos e tentar  desferir ataques a esta direcção, muito pouco para quem quer ser alternativa.
    Concluindo, julgo que ninguém se deve deixar influenciar e que a decisão dos sócios passa apenas por esta questão: 
  Ou confiam e querem que o Benfica continue competitivo e a recuperação da diminuição do fosso que existia para o Porto, ou querem uma mudança completa de rumo, que não sendo sustentado, poderá ser um pau de dois bicos, como tal, apenas deixo no canto superior direito uma sondagem, para que os meus caros amigos, decidam quem querem para Presidente do Benfica, agradecendo desde já o vosso contributo.
    Regressa a Liga dos Campeões e logo com um jogo crucial para as aspirações do Benfica, em que uma derrota poderá tirar definitivamente o Benfica para fora da prova, pelo que este jogo é absolutamente decisivo.
   Na ante visão da participação do Benfica na edição deste ano, fiz uma abordagem que considero realista e não pessimista como na altura fui acusado por alguns amigos, disse e reafirmo, que o objectivo claro e que pode ser considerado positivo é o apuramento para a fase seguinte, tudo o resto será um prémio, o menos mau e que pode ser considerado objectivo mínimo é pelo menos continuar na Europa do futebol, via Liga Europa.
    Nesta visita ao terreno do Sp. Moscovo, o Benfica terá de enfrentar várias contrariedades, as quais, com alma, querer e ambição, terá de as tornear, desde logo o facto de jogar em relvado sintético, completamente diferente de um relvado natural, aliado a esse facto, as baixas temperaturas e o facto de também o clube moscovita encarar este jogo como absolutamente decisivo.
    Contudo, julgo que um Benfica coeso e ambicioso, poderá tornear tudo isso e trazer um resultado que sirva os seus interesses, um empate manterá as ambições intactas, com a equipa a depender apenas de si, ficando obrigada a vencer os 2 jogos em casa frente a este mesmo adversário e ao Celtic, se assim for, dificilmente não será apurado, mas caso vença em Moscovo, dará um passo de gigante.
    Uma das coisas que mais preocupa, é o de verificar o estado da equipa, ou seja, não percebendo como é possível depois das paragens da selecção, retomar as competições nacionais com a Taça em vez da Liga, à semelhança da pausa anterior, isto numa fase inicial da temporada, em que são é preciso jogos para a equipa atingir o seu auge e estas pausas de competição, neste momento, apenas servem para retirar dinâmica e ritmo competitivo, pelo que essa é a minha grande expectativa, perceber como reage a equipa a tão longo período sem competição.
    Ansiedade aos rodos e a esperança num bom resultado, mas perfeitamente consciente que querendo que o Benfica vença este jogo, considero a partida de Barcelos no Sábado, mais importante, pois o grande objectivo do Benfica é a Liga portuguesa e isso não pode ser descurado.
     Mudando de agulhas e embora seja um assunto sobre o qual não me diga grande respeito, julgo que a gravidade do momento Sporting, por se tratar de um histórico do futebol português, merece da minha parte algumas considerações:
     Julgo que a eliminação ontem da Taça de Portugal ante o Moreirense, é apenas a sequência natural de um clube em completo desnorte, sem rumo e estratégia, onde todos mandam mas ninguém tem razão, chega a ser degradante ver o que se passa com este Sporting.
   Creio que o primeiro problema reside na raiz, ou seja, nos próprios adeptos, os quais aparecem sempre muito felizes quando o Benfica não tem sucesso, independentemente do que se vai passando no seu clube, o que revela uma enorme falta de identidade para com um clube que dizem ser o seu e uma enorme falta de respeito para com o historial do Sporting, cujos adeptos, antigamente, preocupavam-se e ambicionavam as vitórias do seu clube, nunca se revendo em qualquer outro clube que não fosse o Sporting e embora naturalmente vibrando com o insucesso do seu rival, isso só os satisfazia em caso de terem eles sucesso.
    Hoje não é assim, hoje não se vê ambição e na ausência de capacidade de lutar por objectivos altos, a ambição actual dos seus adeptos não é ganharem eles, mas sim que o Benfica não ganhe, venerando por esse motivo as vitórias de um clube que ao longo dos tempos os foi fustigando, prejudicando, enxovalhando e pago para eles perderem jogos e quem sabe campeonatos, daí eu deixar desde já claro, que enquanto os adeptos do Sporting, continuarem a ignorar a sua história e a reverem-se nas vitórias de outro clube, tudo o que de mal lhes aconteça, deixa-me satisfeito, porque se isto fosse ao contrário, mesmo que nada ganhassem, o histerismo seria a palavra de ordem na sua satisfação.
    Depois, passa por uma direcção que no fundo é a continuação de todas aquelas que levaram o clube ao estado actual, culminando com a eleição de Godinho Lopes como Presidente, mas nunca se sabendo se efectivamente foi ele quem verdadeiramente ganhou as eleições, já que foi o segundo nome a ser anunciado como Presidente eleito, facto esse que o deixou fragilizado deste o começo do seu mandato.
    Numa sucessão de asneiras e numa política de bota para a frente, a situação culminou com este episódio surrealista do treinador que está identificado, mas que nunca mais aparece, isto tem revelado uma incompetência incrível de toda a estrutura e uma incapacidade de gerir o clube, que apenas pode levar mais tarde ou mais cedo à queda desta direcção.
    Por fim e de forma inacreditável, aparece um Presidente da Mesa da Assembleia Geral, Eduardo Barroso, depois de proferir afirmações gravíssimas, a convocar de urgência o Conselho Leonino para a véspera de um jogo europeu decisivo, quando ele vai para Angola e não vai estar presente na reunião urgente que ele próprio convocou, isto é absolutamente surrealista e é caso para dizer que só mesmo no Sporting.

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

DEPOIS DA TRISTE SELECÇÃO - A festa da Taça.

   Estas paragens para os jogos da selecção, fazem com que fique sem assunto, pois não me quero meter e qualquer tipo de campanha nas eleições e não vou fazer grandes comentários sobre elas, porque infelizmente, tem-se pautado a conduta mais com acusações do que com ideias.
    Depois da tristeza, quer em resultados, quer em termos exibicionais, da selecção nacional, que comprometeu seriamente o apuramento directo para o mundial e ficou sem qualquer margem de erro, o futebol de equipas regressou hoje com a festa da Taça, a qual se prolongará por este fim de semana, com uma vitória sem discussão do Benfica em Freamunde, num ritmo quanto baste e alguns momentos de futebol agradáveis, cumprindo assim a sua obrigação e seguindo em frente nesta 3ª eliminatória.
    FREAMUNDE 0 BENFICA 4 - Foi um jogo agradável em que o Benfica cumpriu o seu dever, ante um adversário digno e que nunca estacionou qualquer autocarro, disputando o jogo e criando também situações iminentes de golo, merecendo mesmo esse prémio que acabou por não alcançar, uma atitude que devia fazer corar de vergonha algumas equipas da 1ª liga, que ignorando o espectáculo e quem paga bilhete, opta muitas vezes pelo anti-jogo e pelo excessivo rigor defensivo, que em nada contribui para levar espectadores aos estádios, bem pelo contrário.
    O Benfica como era esperado, entrou dominador e decidido a tentar resolver cedo a questão, acabando por chegar ao golo por Lima, logo aos 14 minutos, através de um lance fortuito de bola parada, depois de já ter criado uma ou duas boas situações de golo.
   Marcar cedo era o que melhor poderia ter acontecido ao Benfica, o Freamunde foi obrigado a entrar no jogo e fê-lo bem, tentando em situações de transição rápida através das alas, chegar ao empate, teve duas belas ocasiões para isso, embora também, nessa fase, tenha permitido lances de perigo do Benfica, o qual adormeceu um pouco depois de estar em vantagem.
    Apesar do Benfica ter mais posse de bola e controlar o jogo, a verdade é que desde os 20 minutos pouco perigo criava, excepção a um belo lance de Carlos Martins que obrigou Tó Ferreira a bela intervenção.
   Quando se pensava que o intervalo chegaria com a vantagem mínima do Benfica, Paulo Lopes chuta longo e Cardozo, após combinação com Lima, faz aquilo que sabe, golo e o jogo ficava desde já resolvido, com alguma felicidade.
  Na 2ª parte, houve mais Benfica, aumentou a velocidade de jogo e só dava Benfica, o qual, com alguma facilidade, entrava na área adversária, mas alguma falta de eficácia impedia o ponto final no jogo mais cedo.
    O 3 a 0, acabou assim por surgir aos 17 minutos desta 2ª parte, depois de um belo lance de Luisinho que serviu de bandeja Sálvio que assim colocou termo  a qualquer dúvida no resultado, se elas ainda existissem.
    Esse golo esmoreceu a equipa do Freamunde, a qual sentiu que não tinha capacidade para o Benfica que agora geria a bola como queria, mas uma infantilidade de Jardel, permitiu uma grande oportunidade ao adversário, mas este novo falhou o prémio que merecia, o golo de honra.
   Mas essa foi a excepção à regra e a regra era o domínio absoluto do Benfica que entretanto já havia esgotado as substituições e foi exactamente um dos recém entrados, André Gomes, que finalizou com mestria uma assistência brilhante de Jardel, foi o culminar em beleza, para um miúdo a ter em conta.
   Com 4 a 0, o jogo ficou sem história e o Benfica ficou a dever a si mesmo mais golos, num jogo que acabou com uma vitória justa, sem grande dificuldade e que permite assim a presença na próxima eliminatória.
  Pela positiva: A forma séria como o Benfica encarou o jogo e as exibições de Luisinho, a dizer que afinal o Benfica tem 2 laterais esquerdos e André Gomes, num jogo perfeito para se estrear oficialmente e logo com um golo e exibição muito segura e personalizada.
  Pela negativa: Alguma desplicência defensiva do Benfica, nomeadamente Jardel que esteve hoje desconcentrado, ao contrário daquilo que vem fazendo na Liga.
  Arbitragem: Quando não se lembra o nome do árbitro e não se dá por ele, é o melhor elogio que se lhe pode fazer.
   Termino este post com  uma atitude que felizmente, ao contrário de outros, o Benfica tem com frequência e que muito me orgulham, Luís Filipe Vieira, atribuiu à casa do Benfica daquela localidade e ao Freamunde, em partes iguais, a receita que cabe ao Benfica deste jogo, infelizmente disto não se fala naqueles programas que todos conhecemos, é que esta foi só mais uma atitude de enorme nobreza do Presidente do Benfica, assim como no caso das cheias da Madeira, em que muitos prometeram,mas só ele cumpriu, Parabéns essencialmente por isso Benfica.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

BENFICA E AS ELEIÇÕES - Oposição cobarde revela-se?

    Aproxima-se mais um importante momento da vida benfiquista, as eleições de 26 de Outubro, ao que parece, felizmente vamos ter mais que uma lista a concorrer, o que poderá ser positivo.
   É na minha opinião, importante num clube desta dimensão, que haja mais que um projecto, mais que uma ideia e que de facto se discuta o Benfica.
   Desejo também, que não se opte por lavar roupa suja, que os candidatos pensem mais no Benfica e menos nas suas listas, ou seja, que tenham sempre bem presente que mais importante é que a campanha eleitoral, afecte o menos possível do desempenho da equipa, daí eu achar que Outubro não é um mês bom para eleições, já que a época se encontra em andamento, embora a passo de caracol, fruto de uma calendarização que apenas os dirigentes federativos parecem perceber.
   Julgo que nunca houve dúvidas para ninguém, que Luís Filipe Vieira iria de novo às urnas, demorava sim, que surgisse um rosto de oposição, ela que primava a sua conduta por se mostrar cobardemente através de blogues e meios de comunicação social, mas que tardava estranhamente em dar a cara, será que a oposição cobarde até então se começa a revelar? A ver vamos.
   Rui Rangel, parece vir a ser esse rosto, confesso que me causa espanto tanta euforia em algumas pessoas por este nome, eu, apenas o conheço da televisão, ainda não lhe ouvi uma ideia daquilo que quer para o clube, quais as suas ideias para o futebol e modalidades do Benfica, daí ainda não poder emitir qualquer opinião sobre este ainda candidato a candidato.
   Mas quem ficou eufórico com Rangel, pela postura adoptada ao longo dos últimos meses, ficaria eufórico até com o Tino de Rans, até porque o objectivo de alguns geração que por aí andam, nunca foi discutir seriamente o Benfica, mas sim lançar uma campanha destrutiva para com a actual direcção, silenciando quem deles discorda e optando muitas vezes pela defesa da arruaça e da ordinarice, ora é precisamente nesse tipo de atitude que não me revejo nem com ela pactuo, assim como ao contrário de muito deles, não tenho saudades nenhumas de Vale e Azevedo que parece ser sua enorme referência, o que por si só, diz nem daquilo que representam.
    A ser verdade o que vem na comunicação social, de Rui Rangel se estar a rodear de ex-vices das anteriores direcções, começa mal, muito mal, porque nunca gostei de dissidentes e de pessoas que abandonam o barco, revela falta de personalidade, aliado a isso, confesso que em certas pessoas,. não lhes reconheço capacidade e competência, pois nada de positivo fizeram no clube e alguns foram embora por decisão do Presidente porque não se dedicavam ao Benfica e nada de novo traziam, surge assim como que ressabiados, Rui Rangel, deveria rodear-se de gente nova, com ideias novas e que nunca tivesse estado no clube.
    Luís Filipe Vieira, na minha opinião, tem sido em termos globais um bom Presidente, cometeu erros? Claro que sim, quem não cometeria, alguns até de palmatória, mas a verdade é que o Benfica de hoje, nada tem a ver com aquele que andou pelas ruas da amargura nos 15 anos que antecederam a sua vigência e isso é o mero constatar de um facto e disso lhe estarei para sempre grato.
   Daí eu achar totalmente descabido que se avalie a gestão de Vieira, pelo simples facto de em 9 anos e não 10 como querem vender, só ter ganho 2 campeonatos, isso parece-me redutor, porque convém não esquecer como funciona o nosso futebol e o que aconteceu é que o Benfica antes de Vieira, perdeu posição nos centros de decisão, deixou a máquina corrupta ganhar avanço, aproveitando um Benfica adormecido e com direcções incapazes, ora recuperar esse imenso tempo de total inércia, demora muito tempo e é uma tarefa espinhosa, será que alguém verdadeiramente acredita que outro Presidente conseguiria derrubar esta jogo de interesses à tantos anos instalado? Alguém está mesmo convencido disso e que concretizar esse combate é fácil? Cada um pense o que quiser.
     Mas quer se queira quer não, a verdade é que com esta direcção, o Benfica mesmo não ganhando tanto quanto se desejaria, cresceu, começou a discutir títulos no futebol e nas revitalizou as modalidades do clube, que andavam completamente à deriva, sem rumo e sem discutir títulos, títulos esses que agora começa a ganhar com frequência.
    Daí eu estar sempre receptivo a ouvir novas propostas, perceber qual as ideias para o futebol do Benfica, aquilo que outro candidato possa querer, mas sempre com a ideia presente que goste-se ou não, o Benfica não pode voltar a cair no marasmo em que caiu antes de Vieira e que estarei atento a visões românticas do clube, que são nos tempos actuais, completamente descabidas e desfasadas da realidade actual, isso é ficção e seria uma campanha para enganar os saudosistas de um tempo que já não existe nem voltará a existir.
    Concluindo, temo que a campanha possa resvalar para a trica pessoal, para o lavar de roupa suja e que pouco ou nada se venha a discutir de um Benfica para o futuro, se assim for, prefiro desde já ficar com quem lá está, mas irei aguardar serenamente, porque importante, importante é o Benfica sempre.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

VITÓRIA SOFRIDA - Numa exibição estranhamente nervosa.

    Apenas hoje posso falar sobre o jogo desta jornada, infelizmente por ter estado fora de Lisboa, não pude ir ao Estádio, assistindo pela TV a uma partida mais complicada que o previsto, fruto de alguma estranha inércia do Benfica e um nervosismo de certa forma incompreensível, numa exibição má, mas com uma vitória justa.
   BENFICA 2 BEIRA - MAR 1 -  Tinha dito na ante visão deste jogo, que é neste tipo de partidas que se podem perder campeonatos e que o jogo seria complicado ou não, fruto daquilo que a equipa do Benfica fosse capaz de fazer e da atitude que tivesse no jogo.
    Ora creio que o problema esteve mesmo aí, os jogadores julgaram o jogo ganho ainda antes de ser jogado e quando deram conta, já perdiam, com um golo resultante de um lance inofensivo, com Artur que tantas vezes tem sido brilhante, a facilitar imenso neste lance, acontece aos melhores.
    Esse golo claramente enervou a equipa e reforçou ainda mais a atitude super defensiva dos aveirenses, à imagem daquilo que é costume em Ulisses Morais, o anti jogo com constantes quedas no chão imperava e a verdade é que o Benfica tentava, mas sempre de forma lenta, previsível e com muitos passes transviados.
    Mesmo assim, jogando de forma lenta, a equipa criava situações de golo, porque de facto, este Beira-Mar é uma das equipas mais vulgares desta liga, aliás, perante a noite desinspirada do Benfica, tivesse outro adversário em campo e os problemas poderiam ser muitos.
   Com a 1ª parte a chegar ao fim, surge o caso do jogo, penalti marcado contra o Beira-Mar, que não existiu, caiu do céu uma oportunidade de ouro, mas escreveu-se direito por linhas tortas e Rodrigo falhou o penalti, rematando de forma muito denunciada, permitindo a defesa de Rui Rego.
 Na 2ª parte, o Benfica entrou um pouco mais rápido, mas a desinspiração individual e colectiva continuava, confesso que nesta altura, comentava com os meus botões, que se o Benfica não marcasse depressa, o anti-jogo iria acentuar-se, a equipa enervar-se e poderia acontecer o impensável, mas felizmente, em 2 minutos o Benfica deu a volta ao marcador, primeiro numa bela bicicleta de um sempre competitivo e inconformado Maxi Pereira, que mesmo estando numa má fase, nunca vira a cara as adversidades e depois por Rodrigo após uma excelente assistência de Lima, estava feito o mais difícil.
    Já em vantagem no marcador, pensava-se que o Benfica acalmaria e partiria para uns 30minutos finais, mais de acordo com a sua qualidade, mas nada disso aconteceu, a equipa continuava estranhamente ansiosa e nervosa, o público não ajudava e a sorte é que o Beira-Mar foi sempre pouco mais que inofensivo, embora o Benfica se tivesse colocado a jeito.
    Em suma, uma vitória justa, com uma exibição muito aquém das capacidades da equipa.
 Pela positiva: O inconformismo de Maxi Pereira, sempre com uma alma imensa, mesmo estando em má forma.
 Pela negativa: O excesso de nervos que não se percebe de toda a equipa e os energúmenos do assobio, são sempre a mesma porcaria.
  Arbitragem de Rui Costa: Uma arbitragem que estava a ser bem positiva, ficou manchada por um erro grave, o penalti a favor do Benfica à beira do intervalo que não existiu, felizmente para a verdade do jogo, esse lance não influenciou o resultado uma vez que o penalti foi falhado.
   Quero aqui destacar as palavras dos treinadores, primeiro Jorge Jesus, teve toda a razão no que disse sobre o público do Benfica, uma equipa que lidera a liga, não merece ser tratada assim por alguns energúmenos do assobio e merecia mais carinho e gente no seu estádio, assim como fez justiça ao excelente comportamento da claque, apenas discordo quando JJ afirma que o Benfica fez uma grande 1ª parte, sinceramente creio que só o treinador é que viu isso.
    Destaco ainda as palavras de Pedro Henriques comentador do jogo, que afirmou e bem que não se compreende como alguns adeptos de revoltam e ofendem todos aqueles comentadores e jornalistas que por vezes dizem coisas menos favoráveis ao Benfica, mas que depois, quando as coisas não correm bem, são os primeiros a mal tratar a equipa com assobios, concordo plenamente com estas palavras.
    Esses palhaços que vão ao estádio assobiar, deviam ficar e casa, era um favor que faziam ao Benfica, gente dessa que só favorece os adversários e lhes presta um favor, não faz falta nenhuma, o Benfica precisa é de adeptos no estádio que estão com a equipa quando ela mais precisa, sinceramente, benfiquistas só dos bons momentos metem-me nojo.
     Termino este post com um reparo as palavras descabidas e ridículas de um treinador também ele medíocre e ridículo, Ulisses Morais, a justificação por ele dada para a derrota é descabida e demonstra uma enorme falta de inteligência, porque desculpar uma derrota, com um lance que foi falhado é estupidez, teria razão se o penalti fosse concretizado, mas dizer que esse lance condicionou a equipa é uma desculpa que não se percebe, pois ao contrário do disparate que afirmou, quando se falha um penalti, a equipa que se enerva é a que falha e a equipa que cresce emocionalmente é quem beneficia desse falhanço, foi sempre assim.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

REGRESSA A LIGA - 3 PONTOS OBRIGATÓRIOS.

    Depois da semana europeia, regressa um jogo para a Liga, a prova que é a grande prioridade do Benfica, assumida por todos e bem na minha opinião.
    Antes de fazer a minha ante visão ao jogo que nos espera, não posso deixar de partilhar convosco este pensamento: Ontem, enquanto assistia à humilhação do Sporting frente ao Videoton e depois de ler mais alguns disparates escritos pelos gerações do costume em relação ao Benfica - Barcelona, não pude deixar de pensar, como faria aquela gente feliz que fosse o Benfica a ser humilhado na Hungria, seria o delírio e o grande trunfo de campanha para aquela cambada que se vendeu a um qualquer candidato cobarde e invísivel, gente que não dá ideias e apenas sabe denegrir tudo e todos, o extremismo dos seus disparates é tanto que até entre eles já há divisões, simplesmente porque nem eles acreditam no que escrevem.
    Mas vamos ao que interessa, o Benfica, amanhã tem mais um importante compromisso para o campeonato, recebe o Beira - Mar, para mim um dos adversários mais vulneráveis da Liga e obviamente, o único resultado possível e aceitável, será a vitória e os 3 pontos.
    No entanto, há que encarar este jogo com muita concentração e seriedade este jogo, pois com estes adversários não se ganham campeonatos, perdem-se, porque por vezes impera o facilitismo, exactamente por não se respeitar o adversário.
    Sendo o campeonato a grande prioridade e jogando o Benfica em casa, numa semana de clássico, a exibição terá de ser segura e convincente.
    Creio que depois do jogo com o Barcelona, o Benfica irá regressar ao 4-4-2, com a entrada de Rodrigo para o lugar de Bruno César, assim como julgo que Salvio e Gaitan, este em clara subida de forma, serão as opções nas alas, assim, o futebol da equipa ganha profundidade e capacidade ofensiva, uma vez que certamente terá pela frente uma equipa com o bloco muito baixo, com toda a gente atrás da linha da bola, típico das equipas de Ulisses Morais.
    Normalmente este tipo de jogos complicam-se quando não se marca cedo e por desleixo da equipa mais forte e isso não poderá acontecer.
    Estou convicto que o Benfica com maior ou menor dificuldade irá obter os 3 pontos, de forma a continuar uma caminhada que até ao momento tem sido positiva e que merecia bem mais união e apoio de todos os que verdadeiramente são benfiquistas e não benfiquistas dos bons momentos, como aqueles que se dizem geração.
  Esses só são do Benfica quando ganha, quando perde, viram as costas ao clube, dizimam-no com críticas e culpam toda a gente, menos a eles, questão quem com as suas crónicas corrosivas e acções medíocres, na defesa de acções de vandalismo, apenas vão contribuindo para dar trunfos a quem nos quer mal, esse tem sido o contributo permanente de uma corja que me repugna e que não faz falta nenhuma ao Benfica.
   Força Benfica, amanhã vence por nós, benfiquistas de todos os momentos.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

BENFICA - BARCELONA - Uma equipa de outra galáxia.

   Antes de falar do jogo em si, quero aqui referir que foi um enorme prazer estar no intervalo do jogo com a magnífica malta do blogue "Magalhães Sad", um pessoal enorme, de um benfiquismo inquestionável, com quem me deu imenso prazer ter ali uns minutos de conversa no intervalo do jogo, confesso que fiquei surpreso com o convite via mail para nos encontrarmos na nossa casa, mas ao mesmo tempo foi um orgulho que essa malta 5 estrelas se lembrasse de mim, uma enorme abraço benfiquista ao pessoal da "Magalhães Sad".
    BENFICA 0 BARCELONA 2 - Todas as comparações que se possam querer fazer, entre embates anteriores e este são pura demagogia, as realidades são diferentes, o estilo de jogo do Barça de hoje nada tem a ver com o de antes e os tempos pós "Lei Bosman", forma cavando um fosso cada vez maior entre uns e outros, não custa nada ter a humildade e realismo de constatar que actualmente, só um dia fabuloso do Benfica e de quase todas as equipas do mundo e um mau dia do Barcelona, faz com que lhes seja possível ganhar.
    Julgo que a 1ª parte foi algo distinta da primeira, ou seja, houve mais Benfica nos primeiros 45 minutos, com capacidade física, mesmo sofrendo um golo logo aos 5 minutos, a equipa consegui fechar bem os espaços, recuperar muitas bolas e teve mesmo algumas jogadas ofensivas bem desenhadas, que com um pouco mais de felicidade, poderiam até ter chegado ao golo que mereciam.
    Matic foi neste período o melhor jogador do Benfica, enorme quer na recuperação da bola, quer a dar o início para as saídas em contra golpe, com ele, Enzo, Salvio e Gaitan, apareciam a conseguir criar alguns desiquilibrios ao adversário.
   Mas como se sabe, o Barcelona é uma equipa impeturbável, seja qual for o resultado, a sua dinâmica e estilo de jogo é sempre igual, pior ainda quando tem uma vantagem para gerir, aí a bola quando na sua posse, se tiver que vir do ataque para a defesa vem, tudo isto desgasta imenso o adversário, porque tal como tinha dito na ante visão do jogo, o Benfica iria correr atrás da bola 2/3 do tempo.
   Na 2ª parte, o Benfica acusou o desgaste que este tipo de futebol do Barcelona causa nos adversários, ou seja, de tanto correr atrás da bola, alguns jogadores nesta fase já não tinham a mesma capacidade e dessa quebra, nomeadamente de Matic e Enzo, ressentiu-se toda a equipa.
    O Barcelona tinha ainda mais bola e geriu o jogo como quis, principalmente ampliando a vantagem também no recomeço deste período.
   O  Benfica, ficou claramente resignado rendido á superioridade do adversário, julgo que motivado pela descrença no resultado, conjugado com uma menor condição física.
   Jorge Jesus e bem, procurou agitar a equipa com as substituições, mas a verdade é que nesta fase nada resultaria, pois a dinâmica do Benfica já não existia, efectivamente, não sei se por mérito do Barcelona, se por algum demérito nosso, a descrepância exibicional foi enorme comparativamente ao que consegui evidenciar na 1ª parte do jogo, em alguns momentos creio que faltou alguma capacidade de pressão e houve demasiado respeito pelo Barça, mas caramba, estamos a falar apenas e só daquela que é sem sombra de dúvidas a melhor equipa do mundo e talvez uma das melhores de sempre, pelo que seria complicado conseguir muito mais que isto.
    Seja como for, depois do nível bem razoável que o Benfica exibiu nos primeiros 45 minutos, confesso que não estava à espera de tamanha diferença para a 2ª parte.
   Pela Positiva: O futebol tipo futsal em campo de futebol 11 do barça, não há antídoto para isto e a 1ª parte do Benfica, se terminasse empatado, seria perfeitamente aceitável.
   Pela negativa: A queda abissal do Benfica na 2ª parte, a péssima entrada em jogo de Carlos Martins e um Maxi Pereira irreconhecível, quer mas não pode, está num péssimo momento de forma.
   Arbitragem: Julgo que tentou deixar o jogo correr, mas se no capítulo técnico pouco há a dizer, no disciplinar pareceu-me rigoroso demais com Busquets e demasiado permissivo com Matic e Dani Alves que poderiam ter ido tomar banho mais cedo.
  Uma nota final para quem fez do empate em Celtic uma tragédia, alegando que o Celtic seria o bombo da festa, a resposta está dada, foi a Moscovo e ganhou, mostrando a alguns experts do futebol e não só, que se calhar o empate em Glasgow não foi assim tão mau como pintaram, convém aprender e perceber que num jogo há 2 equipas, com méritos e deméritos.


   

terça-feira, 2 de outubro de 2012

BENFICA - BARCELONA - Um previlégio para usufruir.

   Hoje, pelas 19H45 na Luz, espera-nos um grande jogo de futebol, creio que para qualquer adepto que goste deste desporto, encara como enorme privilégio poder assistir a tamanho jogo.
   Obviamente que a missão do Benfica será tremenda, afinal de contas, estaremos na presença da melhor equipa do mundo e há que ter a humildade e realismo de reconhecer que actualmente, qualquer equipa portuguesa, Benfica incluído, está a uma enorme distância qualitativa deste Barça, isso é uma evidência, no entanto, tal constatação, não deve retirar aos jogadores esperança e ambição, porque nem sempre os melhores ganham.
   Sinceramente, o meu estado de espírito para este jogo é de absoluta tranquilidade, porque a responsabilidade maior é do adversário e porque irei desfrutar de um jogo enorme e isso deixa-me feliz.
    Mais logo, com a beleza de um estádio cheio e com enorme fervor, espero ver um Benfica determinado, cheio de vontade e grande entrega dos jogadores, os quais, certamente estarão conscientes que irão passar quase 2/3 do jogo atrás da bola, a chave para um bom desempenho irá estar na capacidade que o Benfica vai conseguir colocar nos poucos momentos que tiver bola, aí, terá de conseguir assustar o adversário e caso tenha oportunidades terá de ser eficaz.
   Mais que a equipa, aos adeptos exige-se paciência e temos todos de ter bem presentes que vamos ver mais tempo o Benfica correr atrás da bola que com ela, pelo que o apoio aos jogadores terá de ser sistemático em todos os momentos de jogo, qualquer assobio pela dificuldade que o Benfica vai ter em fazer circulação de bola, será um trunfo para o adversário e infelizmente alguns adeptos têm mais apetência para dar trunfos aos adversários que ao seu clube.
    Estou ansioso pelo começo da partida, ver jogadores como Messi, Xavi ou Iniesta é quase uma oportunidade única, no fim, apenas desejo que todos possamos aplaudir um bom jogo proporcionado por ambas as equipas, mas não estou nada nervoso, pelo simples facto de não trocar uma vitória neste jogo por qualquer vitória num jogo da Liga, porque é aí que devem estar centradas as maiores atenções, porque é aí que há possibilidades reais de êxito, mesmo sabendo que jogaremos muito contra os que estão dentro e os que estarão fora de campo.
    Concluindo, espero que os adeptos, até depois do que disse Zubizarreta, que só confirma que até lá fora sabem como funciona o futebol português, não se esqueçam do protesto, é imperioso marcar uma posição forte e determinada contra a corrupção no futebol português pelo que esta campanha faz todo o sentido:
 
 

SEMPRE BENFICA

Loading...
Adaptado por Blogger Benfiquista