segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

ACABOU A ALMOFADA DE 5 PONTOS - Margem de erro 0.

     Antes de entrar no tema do post, devo referir que não fiz a habitual crónica do jogo, não porque tivesse ficado desiludido com a exibição da equipa, até porque acho que ela jogou mais que suficiente até para vencer o jogo com alguma margem, não o fiz, porque a minha revolta ao fim do jogo era muita, pela anormal quantidade de oportunidades desperdiçadas e por uma arbitragem absolutamente miserável e tendenciosa, que entre muitas outras coisas, conseguiu ter o descaramento de transformar um penalti incrível sobre Aimar num livre contra o Benfica.
    Como por vezes o tempo é um bom conselheiro para a racionalidade da nossa escrita, preferi escrever agora, mais racionalmente e menos emotivamente, pode ser que assim seja mais certeiro naquilo que vou dizer.
    Estas duas últimas jornadas foram desastrosas para o Benfica, que partiu para elas com um bela almofada de 5 pontos que foi entretanto desperdiçada, parece que a responsabilidade desses jogos tolheu um pouco a equipa, deixando-a estranhamente nervosa e ansiosa, o que não se compreende, porque uma equipa que quer ganhar, ser campeã, se sente capaz de o fazer e quer estar na luta pelos títulos, com um treinador e jogadores suficientemente experientes, não pode cair no momento em que de facto as grandes equipas se definem, ou seja, nos momentos de decisão.
    Agora, o Benfica parte para o clássico em igualdade de cirsunstâncias com  o Porto, acabou a margem de erro e o que se espera da equipa, para além da atitude que julgo que nunca deixou de ter? É que efectivamente jogue com a consciência do seu valor, com a qualidade dos seus jogadores e mostre o tipo de futebol que em muitos momentos roçou a perfeição, se assim for, certamente estará mais perto de ganhar.
   Ora o meu maior receio e que julgo ser legítimo, é que a equipa se mostre nervosa e ansiosa e acuse a responsabilidade do jogo, porque infelizmente essa foi a ideia que deixou nos jogos anteriores em que deveria estar tranquila, fruto da sua vantagem pontual, essa responsabilidade excessiva do jogo, pode ser o pior inimigo do Benfica no clássico.
   Por outro lado, há muito tempo que o Benfica não estava numa posição em que mesmo com a perda de 5 pontos, a equipa continuava na liderança e a depender de si mesmo, um sinal que deve ser encarado com optimismo de um Benfica que ao contrário de há poucos anos atrás, consegue agora lutar com firmeza por títulos.
   Este Benfica - Porto de 6ª feira não é realmente decisivo, a vantagem pontual que qualquer deles pode tirar do jogo, não é por si mesmo suficiente para se ser campeão, mas é claramente um jogo que pode definir muito do que vai acontecer na luta por esse título, ou seja, a vantagem e força psicológica da equipa que vencer este jogo, será uma enorme vantagem e que poderá vir a ser decisiva quanto ao futuro campeão.
       Confesso que me custará ver uma equipa treinada por um banalíssimo treinador como o Vítor Pereira vir a ser campeão nacional, se tal acontecer, a culpa de tal desiderato, será exclusiva responsabilidade do Benfica, porque uma equipa que consegue ganhar títulos com esse treinador, só pode ser por demérito do adversário.
   Quem vai jogar por fora do clássico é a equipa bracarense, a qual está muito perto de Benfica e Porto e vai dando semanalmente um tremendo sinal de força, ou seja, no clássico, está em jogo muito mais que a liderança, está também em jogo o 2º lugar que garante acesso directo à Liga dos Campeões e isso é algo que não pode ser ignorado.
    O que espero desse jogo? Um Benfica forte e decidido, consciente da importância do jogo, mas que consiga colocar o excesso de carga emocional para trás das costas, que não acuse a mesma responsabilidade das 2 jornadas anteriores e que se concentre mais em si do que no adversário, na minha opinião, se conseguir fazer isso, estará mais perto de ganhar, se não o conseguir, será muito mais complicado, por a ânsia tira discernimento e frieza na hora de decidir e todos sabemos como os detalhes definem esses jogos.
    Se tenho fé numa vitória do Benfica? Claro que tenho, como sempre e nenhum benfiquista que se preze pode pensar de outra maneira e estou em crer.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

EM COIMBRA - É imperioso ganhar.

     Depois de uma sequência inédita na época em curso, com 2 derrotas seguidas do Benfica, em Zenit e Guimarães, se bem que com os russos é algo que pode ser emendado, o jogo de Coimbra, frente à Académica é de crucial importância pelas mais diversas razões:
     Desde logo porque após ter perdido os 3 pontos de Guimarães, a margem de erro que o Benfica dispunha, fruto dos 5 pontos de avanço acabou, agora, vendo o 2º classificado a 2 pontos e o sensacional Braga, 3º classificado a 5 pontos, o Benfica está proibido de ceder terreno no próximo jogo, porque além de tudo é fundamental chegar ao grande clássico Benfica - Porto que se aproxima em vantagem pontual.
    Depois, um eventual desaire em Coimbra, poderá ter consequências bastante nefastas no seio da equipa, ou seja, os níveis de confiança do Benfica podem descer, a equipa começar a bloquear, com os naturais reflexos na sua produção futebolística e por consequência na tabela classificativa.
    Assim sendo, mais não resta ao Benfica do que assumir o seu poderio e superioridade sobre o adversário, por muito abnegado que este seja, à semelhança de todos aqueles que o clube defronta, de facto, qualquer pessoa, por mais faccioso que possa ser, percebe facilmente a atitude incrível, a abnegação fantástica com que todos os adversários do Benfica jogam, como sinceramente não vejo em jogos com outras equipas.
   Juntando a isso, as artimanhas por vezes criadas, que moralmente merecem a minha total reprovação, são demasiado evidentes, ainda nesta última jornada, numa altura em que o sol invade todo o país, vi em Guimarães, um relvado completamente empapado, ou seja, um campo que foi sistematicamente alagado com rega intensiva toda a semana, com o claro intuito de retirar velocidade ao futebol do Benfica e impedir uma eficaz circulação da bola, algo que não vi o Vitória fazer com mais nenhum clube.
   Portanto, o Benfica tem de estar preparado para todas estas incidências e consciente que qualquer adversário que defronta faz deste jogo o jogo das suas vidas, ou seja, o Benfica para ser campeão, não lhe basta jogar bem, tem de jogar muito melhor que os outros, porque a atitude contra os outros rivais, claramente não é a mesma.
    Acredito firmemente na vitória em Coimbra, com atitude e o bom futebol que normalmente caracteriza esta equipa, porque muito do futuro do Benfica nesta competição joga-se nas 2 próximas jornadas, não que caso o Benfica vença estes 2 jogos o campeonato fique resolvido, mas pela força psicológica que isso pode acarretar, ao mesmo tempo que esvazia o balão de confiança nos seus adversários, estou mesmo crente, que caso o Benfica atinja os 6 pontos nestes 2 jogos, só uma hecatombe retirará a equipa da frente do comboio para o título, mas para isso é preciso jogar muito mais que nos 2 últimos jogos.
    Contudo, falamos de futebol, onde todos os cenários são admissíveis e devem ser pensados, até por isso, é absolutamente imperioso vencer em Coimbra, porque assim, o Benfica, mesmo que falha-se o objectivo de ganhar no clássico, quando muito, ficaria a 1 ponto do Porto, ou seja, com tudo em aberto e quem não gostaria de estar nessas condições?
    Amanhã, têm a palavra os jogadores e equipa técnica, nos quais confio plenamente, mesmo sabendo que há erros que se cometem e sempre se cometerão, mas atendendo à qualidade com que o Benfica já presenteou na presente temporada os seus adeptos, estou certo que tudo se fará para ganhar o jogo.
   ESTE POST FOI TAMBÉM ESCRITO AQUI: O lado do futebol que nunca viram

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

100.000 VISITAS - Obrigado a todos.

    Não sendo nada de extraordinário, face a grandes blogues no universo benfiquista, não deixa de ser com enorme satisfação pessoal, que desde há cerca de 4 anos, desde que coloquei o contador de visitas, "A Catedral do Desporto", atingiu o bonito número redondo de 100.000 visitas, o que perfaz sensivelmente uma média de 25 mil por ano.
     Obrigado a todos, este não sendo extraordinário, é um número que registo com imensa satisfação, porque nunca pensei ser possível atingir tal marca quando entrei neste mundo.
   

REPUGNA-ME CERTO TIPO DE BENFIQUISMO - Espanta-me a euforia noutras paragens.

    Pior que a derrota averbada em Guimarães, foi para mim constatar a oportunidade para os useiros e vezeiros profetas da desgraça, aproveitarem um jogo menos conseguido para cuspirem o fogo venenoso que os caracteriza.
    Também eu não gostei da forma como a equipa abordou este jogo e da derrota, mas caramba, daí à depressão vai um longo caminho, lamentavelmente, constato que aquilo que se diz de nós benfiquistas é verdade, ou seja, regra geral, felizmente com boas excepções, a fronteira da euforia à depressão é muito ténue e basta percorrer a blogoesfera para rapidamente se concluir tal facto.
    Com 5 pontos de avanço, o Benfica já era o maior, campeão sem dúvidas e outras coisas que tal, relembro que após a derrota do Porto em Barcelos, frisei que se queria entusiasmo nas hostes benfiquistas, mas nunca euforia, por ser inimiga da perfeição, pois agora, por acontecer o que é normal, ou seja uma derrota num campeonato com 30 jornadas, exceptuando 2 campeonatos ao longo da história em que houve campeões invictos, caiu o carmo e trindade e aqui d'el Rei que já não vamos ser campeões, um perfeito disparate.
    Pois eu continuo plenamente crente que o Benfica chegará ao fim da época em 1º lugar, até porque hoje, no dia em que escrevo este post, estamos melhor que qualquer outro adversário, continuamos a depender de nós e não é por perder este jogo que o Benfica deixou de ser até ao momento a equipa que mais e melhor futebol tem apresentado.
   Com sempre quando o Benfica perde, a culpa é para esses catedráticos da táctica, de Jorge Jesus, coitado do homem, está proibido de perder ou de errar, não pode ser humano, infelizmente para ele, nunca tem mérito quando ganha, uma palhaçada e uma injustiça para um grande treinador, que desejo firmemente que continue por muitos e bons anos no Benfica, aconteça o que acontecer esta temporada.
    Afinal de contas, ao fim de 19 jogos, há algum clube que esteja melhor classificado que o Benfica? O Benfica joga sozinho? Os adversários não têm os seus méritos?
   Enfim, entristecem-me certos comentários vindos do próprio universo benfiquista, porque na altura em que mais se devem mostrar com a equipa voltam-lhe as costas, eu prefiro apoiar ainda mais firme a equipa depois de uma derrota, porque é nestas alturas que a equipa precisa, porque quando se ganha é muito fácil estar com a equipa, mas enfim, há cabecinhas que de uma semana para a outra mudam mais depressa de ideias do que de camisola, por aí se pode perceber a sua personalidade e firmeza de ideias.
    Por outro lado, constato que é bom sinal esta depressão ao fim de uma derrota, sinal inequívoco que o nível de exigência voltou a aumentar, ou seja, nos tempos não muito distantes, mas dos quais alguns parecem saudosos, a derrota era assimilada com resignação, agora é uma tragédia, acho que não deve ser nem de uma nem de outra maneira, mas fico feliz pelo patamar de exigência no Benfica ter voltado a ser o que era, é sinal que a equipa voltou a lutar por títulos.
    Noutros clubes, o seu patamar de exigência ficou também muito vincado após este jogo em Guimarães, ou seja, os adeptos de um clube assolado por derrotas, que não joga nada, que luta fervorosamente por um lugar na Europa, os seus adeptos fervilhavam de alegria, lançando foguetes sem parar, mostrando portanto, que estão muito satisfeitos com a campanha do seu clube, descendo o seu nível de exigência a patamares impensáveis no passado, para eles, o Benfica perdendo um jogo é enorme motivo de regozijo, porque o seu clube de vez em quando também ganha.
    No bate boca do trabalho, que sempre existe quando o Benfica perde, limitei-me a dizer-lhes que não perdia tempo a discutir futebol com adeptos de equipas que não lutam pelos mesmos objectivos que o meu, que neste momento, eles devem antes falar com adeptos do Olhanense ou do Gil Vicente, clubes que hoje discutem o mesmo que o seu clube.
   Abro apenas uma excepção para o ping pong, o único desporto onde ainda vão ganhando qualquer coisa e em relação a esses exigentes adeptos ficamos conversados, até porque eu estou em desvantagem em relação a eles, ou seja, o seu hábito de não ganhar é já de tal normalidade, que gozar com eles ou mandar bocas, já não me dá prazer porque seria o mesmo que andar para aqui a brincar com os adeptos do Belenenses, clube que muito prezo.
   Ora como eles estão felizes desde que o Benfica não ganhe, certamente, não lhes interessa pensar, o que acontecerá ao seu clube em falência técnica, caso não consiga chegar a um lugar de acesso à Liga dos Campeões, para eles, comparado com uma derrota do Benfica, isso é um mero "fait-divers."

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

DESPISTE EM GUIMARÃES - Há que levantar a cabeça.

    Como havia dito na ante visão deste jogo, não alinhava em dramatismos excessivos caso o Benfica não vencesse em Guimarães, tal como aconteceu, o Benfica continua a depender apenas de si e embora tenha perdido alguma margem de erro, continua mais bem posicionado na corrida ao título que qualquer outro adversário, como tal, nada está perdido, a caminhada durante um campeonato pressupõe uma ou outra derrota e momentos menos bons num ou noutro jogo, foi exactamente o que aconteceu, com uma vitória justa de um Guimarães mais eficaz e que soube defender muito bem, impedindo que o Benfica conseguisse impor o seu jogo, quando assim é, só resta saber dar os parabéns ao adversário.
   GUIMARÃES 1 BENFICA 0 - Este jogo era de extrema importância para o Benfica, era daqueles em que uma vitória, transmitia um enorme sinal de força para os seus mais directos rivais, mas a verdade é que o Benfica falhou em toda a linha, nunca se conseguiu impor no jogo, foi incapaz de dar velocidade e nunca conseguiu ultrapassar um adversário muito organizado e posicionado no terreno.
    No começo do jogo deu para perceber o respeito mútuo com que esta partida foi encarada, atrevia-me mesmo a dizer que o Benfica mostrou até respeito a mais, começou nervosa e ansiosa, lenta e muito previsível nas suas acções.
    A verdade é que o Guimarães também não corria riscos, o seu bloco era baixo e jogava no erro do adversário e o jogo caminhava sem situações de perigo, até que o tal erro surge e Toscano aproveita para marcar o golo, após um livre lateral, inadmissível como se deixa em plena grande área, um jogador adversário de costas para a baliza, rodar e rematar.
   Em vantagem no marcador, o Guimarães que era uma equipa mais apostada em defender bem, não permitindo veleidades ao seu adversário, baixou ainda mais as suas linhas, preenchendo muito bem o seu meio campo, o que obrigava o Benfica a lateralizar em demasia o seu jogo que era feito sem profundidade e longe da zona de perigo, nesta altura, o Benfica era claramente uma equipa nervosa.
Na 2ª parte, quando se esperava uma entrada forte do Benfica, acabou por ser o Guimarães a entrar melhor no jogo, embora sem oportunidades de golo, aliás, os vimaranenses venceram pela eficácia.
   Aos poucos, o Benfica foi reagindo, Aimar começou finalmente a entrar no jogo e a melhoria foi evidente, embora sem atingir um nível aceitável para quem queria ganhar este jogo.
   A verdade é que nesta fase o Benfica corria mais riscos, com isso estava também  mais exposto, mas exceptuando uma jogada de contra ataque de 2 para 1, o Guimarães não criou qualquer perigo, só que o Benfica embora criando uma ou outra situação de apuro, foi sempre uma equipa a jogar com o coração e sem clarividência e à medida que o tempo avançava, percebia-se que este não era dia de Benfica e que só por mera sorte poderia marcar.
    Foi incrível a incapacidade nas bolas paradas do Benfica, confesso que me chegou a tirar do sério, não fiz a contagem, mas certamente a equipa teve uma avultada quantidade de cantos e livres laterais e a desplicência com que esses lances eram marcados, sempre à meia altura ou para o guarda - redes adversário, chegou a roçar o ridículo, é incrível a forma como o Benfica fez um péssimo uso desses lances.
   O resultado tem de se aceitar, não porque o Guimarães tenha revelado superioridade, mas pela sua eficácia e o modo como conseguiu anular os pontos fortes de um adversário que me parece não ter encarado este jogo com a importância devida, fiquei algo decepcionado, porque me pareceu ter faltado ambição e entrega total ao jogo.
    Há dias assim, em que as coisas não saem, acredito firmemente que a equipa do Benfica vai saber reagir, dar a adequada resposta a um dia menos bom já em Coimbra, não é este jogo que vai apagar a grande temporada que o Benfica está a fazer até ao presente momento e a minha confiança neste treinador e nestes jogadores é total, aqueles que hoje deliram com esta derrota, são os mesmos que davam tudo para estar na nossa posição.
   Pela positiva: A organização defensiva do Guimarães, que nunca se deixou ser apanhada em contra pé, numa exibição coesa e solidária.
   Pela negativa: Alguma falta de força e ambição do Benfica, deviam ter feito deste jogo uma espécie de jogo da época e não o conseguiram fazer.
    Arbitragem de Carlos Xistra: Em termos técnicos pareceu-me globalmente bem, sem grandes reparos, com um lance muito complicado de analisar na área adversária, em que Rodrigo me pareceu ter sido derrubado, mas é um lance muito difícil, quando assim é, nada há que apontar, já em termos disciplinares, abusou dos cartões, foi um jogo de extrema correcção, sem grande entradas mais duras e houve amarelos em excesso em lances que em nada o justificava.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

EM GUIMARÃES - Precisa-se de um Benfica unido para vencer.

    Ao contrário de algumas vozes de amigos benfiquistas, não alinho em dramatismos excessivos, ou seja, não sou daqueles que acha que caso o Benfica não consiga vencer em Guimarães compromete a conquista do campeonato, o que penso é que este jogo é de tremenda importância, que em caso de vitória o Benfica dá um grande passo em frente, embora nada resolva e caso não consiga ganhar, a única certeza que existe é que vai continuar a ser líder e continuará a depender de si para ser campeão.
    Obviamente é inegável a importância do jogo de hoje em Guimarães pelas 20H15, essencialmente por aquilo que deste confronto pode advir em termos morais, ganhando, a posição do Benfica saí mais reforçada para o interior do grupo de trabalho, ou seja, a equipa vai acreditar ainda mais na conquista do seu principal objectivo, ao mesmo tempo que dá para os seus mais directos rivais, Porto e é bom não esquecer o Braga, um sinal de força que pode condicionar a sua acção futura.
     O Guimarães, é sempre um adversário complicado, nomeadamente quando joga em casa, tem bons executantes e depois de um período conturbado ao nível dos resultados, a equipa ganhou alguma estabilidade, conforme se comprova com as 7 vitórias, 1 empate e 2 derrotas nos seus últimos 10 jogos, mesmo que o seu nível exibicional ainda não seja o melhor, a verdade é que estabilizou em termos emocionais, fruto da confiança adquirida pela melhoria evidente de resultados, caminhando agora, com algum conforto, na 6ª posição da Liga.
     No entanto, este Benfica tem mostrado muita qualidade de jogo, uma equipa que me parece num bom plano a nível físico e psicologicamente muito crente nas suas capacidades, não é por acaso, que esta equipa, já virou por diversas vezes resultados adversos, o que dá ainda mais confiança.
     Nesta difícil deslocação, precisa-se de um Benfica unido para vencer, pese o facto de não poder contar com Javi Garcia, uma tremenda contrariedade, pela sua colocação no terreno, percepção do jogo e uma leitura táctica das incidências do jogo que lhe permite dobrar os laterais ou compensar as saídas dos centrais com uma eficácia tremenda.
   O seu natural substituto é Matic, não colocando em causa o seu valor, a verdade é que o jogador sérvio é muito diferente do espanhol, tem também um boa capacidade de recuperação de bolas na zona do meio campo, mas claramente falta-lhe a desenvoltura táctica de Javi e a consistência e continuidade de jogo, perdendo a equipa algum equilíbrio defensivo.
    A boa notícia é a recuperação e convocação de Rodrigo, o jovem jogador, tem sido nos últimos jogos dos mais desequilibradores jogadores do Benfica, porque joga muito bem quer no meio da linha defensiva e do meio campo adversário, quer a partir as costas das defesas adversárias com um poder de arranque fantástico e uma clarividência notável na hora de finalizar que é fora do normal para a sua idade.
   Desconhece-se as ideias do treinador benfiquista, se vai optar por colocar Rodrigo no banco, entrando Aimar para preencher mais o meio campo e ao mesmo tempo dar mais posse de bola e criatividade, poupando desse modo o avançado do Benfica, vendo aquilo que as incidências do jogo ditam, contudo, há que perceber que este mês é crucial para as aspirações do Benfica, onde se jogam cartadas que podem ser cruciais para o resto da época e das duas uma, ou o jogador está em perfeitas condições e aí não há que fazer poupanças ou o atleta não está em condições e não joga, porque se há jogo com elevado grau de dificuldade em que não se justifica qualquer tipo de poupança, esse jogo é hoje.
      Aguardemos então por aquilo que o jogo de mais logo vai ditar, com confiança, cientes das dificuldades que este jogo vai trazer, mas com um certeza muito positiva e que deve estar bem presente na mente de todos os benfiquistas, aconteça o que acontecer em Guimarães, é muito bom saber que o Benfica acaba esta jornada em 1º lugar da liga e a depender apenas de si.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

RESULTADO DE SONDAGEM - Benfiquistas respondem com o coração.

    "A Catedral do Desporto" lançou uma sondagem em que perguntava aos meus caros amigos, se o Benfica deveria fazer um esforço para manter os jovens Nelson Oliveira e Rodrigo.
     Esta questão foi lançada, porque se a realidade e o poder económico do futebol português fosse outro, o Benfica teria certamente uma dupla de avançados fantástica para os próximos 10 anos, o problema é que jovens com esta qualidade, são um alvo muito apetecível dos chamados "tubarões" da Europa do futebol, pelo que resta perceber por quanto tempo o Benfica conseguirá manter estes jovens de inegável qualidade.
   Num universo de 76 votantes, a quem desde já agradeço a participação, 69% (cerca de 53 votos), responderam que o Benfica deveria fazer deles o futuro do clube, numa resposta esperada e que no fundo retrata um lado emocional dos adeptos do clube, que com o seu romantismo gostaria que esse facto fosse uma realidade, que eu julgo ser impossível pelas razões atrás descritas.
   Os outros votantes, responderam mais racionalmente, estou certo que também eles gostariam que estes jovens representassem o futuro no Benfica, mas têm perfeita consciência que esse é um cenário quase irreal, assim, a 2ª resposta mais votada com 25% (cerca de 19 votos), foi a de que o Benfica os deveria segurar por mais 2 anos,  essa foi também a minha resposta e julgo ser realisticamente o melhor cenário quer para o clube, quer para os próprios jogadores, que assim, quando saíssem, já teriam uma outra maturidade competitiva que os permitiria vencer no exterior.
    Logo a seguir com 3% (cerca de 3 votos), surge a resposta que o Benfica os deveria segurar por mais 3 anos e por fim com 1% (1voto) surge a resposta por mais 1 ano e ninguém respondeu negativamente à questão, ou seja, que o Benfica não deveria fazer um esforço para segurar estes atletas.
    Conclui-se assim, que o firme desejo dos benfiquistas é o de continuarem a ver estes jogadores a evoluírem com a camisola do Benfica, era claramente o esperado, sinal que estes jovens estão a exceder as melhores expectativas.
    Finda esta sondagem e estando 4 clubes nacionais nas provas da UEFA, este blogue dá início hoje a nova sondagem, em que se questiona os meus caros leitores, atendendo aos resultados da 1ª mão das provas da UEFA, qual ou quais os clubes portugueses que vão seguir em frente?
   Agradeço desde já uma forte participação de todos vocês.

RESCALDO EUROPEU - Nem tudo são más notícias.

   Se em termos práticos se pode considerar um desastre os resultados obtidos pelas equipas nacionais nas provas europeias, a verdade é que nem tudo foi mau, ou seja, Braga e Porto ficaram em muitos maus lençóis, derrotas caseiras, são por norma sinal de eliminação e atendendo aos adversários que vão defrontar, creio que só uma espécie de milagre os irá apurar, ao invés, o Sporting, perante o adversário mais acessível de todos, empatou na Polónia a 2 golos, estando desde já em vantagem na eliminatória e creio que só uma noite desinspirada em Alvalade os afastará da fase seguinte, no entanto, passando esta eliminatória, partindo do princípio que irá defrontar o Manchester City, só uma Sporting muito diferente do actual poderá ser feliz, temo mesmo que no conjunto de jogos frente ao actual líder da liga inglesa, se possa assistir a algo muito semelhante ao que aconteceu frente ao Bayern, no entanto, julgo que a injecção de um novo treinador, poderá permitir uma melhoria que se exige a este Sporting.
    Já o Benfica, apesar de ter perdido, tem a vantagem de ter marcado 2 golos fora, portanto também com a eliminatória e consequente apuramento em aberto, para tal, tem de estar em campo um Benfica forte, apoiado por um estádio vibrante e com os jogadores iguais a si próprios, ou seja, empenhados, confiantes e com boa circulação de bola e transições rápidas, juntando a isto a solidariedade em campo que esta equipa demonstra, estou confiante no apuramento.
    Felizmente para o Benfica, nem tudo foram más notícias da noite europeia, a lesão do cada vez mais influente Rodrigo não é tão grave como se temeu, trata-se de um forte traumatismo na anca e como tal, julga-se que o afastamento da competição será curto, estando o jogador em dúvida para a complicada deslocação a Guimarães, um jogo para o qual tenho muitas reservas na utilização deste brilhante jovem jogador.
    Pior sorte teve o Porto, é que para além da derrota, frente ao adversário mais complicado de todas as equipas portuguesas, a equipa perdeu ainda Danilo e apesar de ainda não se saber a real gravidade da lesão, suspeita-se que possa ter existido uma rotura dos ligamentos do joelho, se assim for, um investimento de 18 milhões de euros, acaba a época, sinal que este tipo de investimentos são de risco.
    No dragão esteve presente Bruno Alves, circulando logo rumores que foi receber o prémio devido, não alinho nessas coisas, mas que para o bem da sua imagem e após a violenta entrada sobre Rodrigo, Bruno Alves poderia evitar este tipo de especulações.
    Concluindo, apesar de nesta 1ª mão, os clubes portugueses terem tido um saldo francamente negativo de 1 empate e 3 derrotas, julgo que pelo menos 2 equipas, Benfica e Sporting tem tudo na mão para seguir em frente, já o Porto e o Braga parece-me que ficaram com a presença na fase seguinte hipotecada.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

TUDO EM ABERTO - Num jogo muito complicado.

   Foi uma vitória justa do Zenit, melhor adaptada às condições do terreno, mais habituada ao clima adverso e que acabou por ser superior num jogo em que a eficácia de ambas as equipas foi quase total, contudo, acabei por ter uma sensação amarga, porque o Benfica reagiu muito bem à desvantagem, empatou perto do fim e depois num lance de grande infelicidade de Maxi Pereira, que estava a ser só o melhor jogador do Benfica em campo, sofreu o golo que ditou a derrota.
ZENIT 3 BENFICA 2 - Uma derrota pela margem mínima e com 2 golos marcados fora, não pode ser considerado um mau resultado e desde já, ficam aqui os meus parabéns e o meu agradecimento aos jogadores do Benfica, que lutaram, tentaram, mas tiveram muita dificuldade em assentar e praticar o futebol de que mais gostam, porque o terreno era impróprio para consumo.
     O Benfica até entrou bem no jogo, personalizado, tapando bem os caminhos e ganhando o meio campo e a posse de bola, o jogo era naturalmente lutado e nada fazia antever golos, mas ele surgiu para o Benfica, após um livre defendido para a frente pelo guarda - redes adversário e que Maxi Pereira, na recarga colocou o Benfica em vantagem no marcador.
    Reagiu de imediato o Zenit, que acelerou o jogo, colocou mais gente na frente e os médios da equipa apareciam com grande facilidade em zonas de finalização, Matic e Witsel pareciam nesta altura algo perdidos e quer se queira quer não Javi, naquela zona do terreno, faz no Benfica, aquilo que mais ninguém consegue.
    Foi com naturalidade e já merecendo que o Zenit igualou a partida, após um cruzamento e finalização de primeira, com o jogador russo a aparecer sem marcação em zona proibida, lá está, faltou aquela compensação que tão bem faz o Javi Garcia.
    O Benfica teve aí um período de algum nervosismo, perdia muitas bolas nas transições que eram aproveitadas pela adversário, embora sem grande perigo, aceitando-se por isso o resultado de 1 a 1 com que se chegou ao intervalo.
    Na 2ª parte, o Zenit entrou decidido, mas o meio campo do Benfica estava mais compacto a defender, mas continuava a perder muitas bolas nas saídas para o ataque, algumas por querer jogar bem e como sabe num relvado impróprio, outras por infantilidade, depois na frente, Cardozo muito desapoiado, não conseguia segurar a bola, Bruno César não abria nas alas e o drible de Gaitan não saia, com isso, o Benfica jogava praticamente só no seu meio campo.
    Embora não surgissem oportunidades de golo, a verdade é que o Benfica se sujeitava e através de um jogada de belo efeito e uma finalização de classe, o Zenit faz o 2 a 1, num lance em que me pareceu que Artur poderia ter feito algo mais.
    Temia-se que jogando em condições que a equipa não se adaptou, que não está habituada, temia-se uma quebra anímica que pudesse comprometer a eliminatória, até porque o Zenit habituado a isto, tinha clara vantagem, mas nada disso aconteceu, a equipa uniu-se, subiu as suas linhas e apesar de continuar a ter muita dificuldade em ganhar as bolas divididas, a verdade é que ganhava mais duelos no meio campo adversário.
    Nesta fase, o Benfica estava claramente por cima do jogo, o Zenit, apercebendo-se disso recuou e já não conseguia sair tanto no contra ataque, pelo que o empate alcançado por Cardozo, após jogada confusa e ressaltos à mistura, onde o guarda-redes adversário ficou muito mal na fotografia, já se justificava.
    Feito o mais difícil e já a menos de 10 minutos do final do jogo, nada fazia prever que o Zenit ainda chegasse à vitória, e foi pena, porque ele resultou de um lance infeliz de Maxi, que estava a jogar como ninguém, uma recepção de bola deficiente, permitiu depois um ressalto que colocou a bola à mercê de um jogador adversário, que isolado e com Gaitan a fazer de Artur, rematou para o 3 a 2 final, que sendo justo pela melhor produção do Zenit, foi injusto pelo modo heróico com que o Benfica enfrentou tanta adversidade.
   Por falar em adversidades, a entrada bárbara de Bruno Alves sobre Rodrigo foi maldosa e inaceitável, impunha-se apenas e só um cartão, o vermelho, Rodrigo saiu lesionado e pela seu rosto de pânico, o modo como não se mexeu quando caiu, temi o pior, felizmente, parece que foi mais o susto e que a lesão poderá não ter sido tão grave como se poderia supor.
   Portanto, tudo em aberto para o jogo da Luz, onde sinceramente acho que o Benfica, no seu estádio, com um bom relvado, o apoio fantástico do seu público e jogando ao seu nível tem francas possibilidades de seguir em frente, porque sinceramente, é melhor equipa que o Zenit.
  Pela positiva: A coragem da equipa do Benfica e o 2 º golo do Zenit, concluído após uma jogada fantástica.
  Pela Negativa: jogar num relvado tão deplorável é não saber defender o futebol, vá lá, que pelo menos a temperatura não foi tão baixa como o previsto e a entrada brutal de Bruno Alves, com claro intuito de magoar Rodrigo.
Arbitragem: Pareceu-me muito razoável, embora considere que errou de forma grave ao não expulsar Bruno Alves.

REGRESSO À EUROPA - Para aquecer o frio.

    Esta semana regressam as competições europeias, num conjunto de jogos de extrema importância e elevado grau de dificuldade para todas as equipas portuguesas.
   Falando do Benfica, aquele que mais me interessa, vai ter em Zenit uma missão mais complicada que o previsto na altura do sorteio e digo isto, porque nessa momento, a equipa russa era das preferidas do Benfica, mas chegando a hora do jogo, percebe-se que para além do adversário, o Benfica terá de enfrentar condições meteorológicas impróprias para consumo e inadmissíveis em alta competição, essencialmente numa prova que é unanimamente reconhecida como a melhor prova do mundo ao nível de clubes e um relvado imprevisivel, escorregadio e com muitas falhas fruto do frio e do gelo.
   Posto isto, julgo que os jogadores do Benfica terão de ser uns heróis, com uma capacidade de sofrimento e entrega muito grande, para conseguir superar tamanhas adversidades e obter um resultado que deixe tudo em aberto para Lisboa, onde julgo, se resolverá esta eliminatória.
    Num momento de claro crescimento e afirmação a nível nacional, com uma boa qualidade de jogo e intensidade competitiva, falta ao Benfica uma plena afirmação europeia, ora não se podendo exigir a qualquer clube português a conquista de uma prova desta dimensão, julgo que esta eliminatória e uma passagem aos 1/4 de final, é de extrema importância para a reafirmação europeia do Benfica, para que o clube possa a voltar a recuperar o seu enorme prestígio e o respeito de toda a Europa do futebol que perdeu em anos não muito distantes e que lentamente a vem recuperando, mais não se pode exigir actualmente ao Benfica, até face ao contexto actual do futebol.
    Contudo, todos os adeptos benfiquistas, devem estar bem cientes que o grande objectivo da época é a conquista do título nacional, esse sim um objectivo possível e realista, para tal e como sempre, sou avesso a euforias, porque elas são inimigas da perfeição, importa e pede-se entusiasmo, apoio e uma comunhão adeptos versus equipa, só assim o Benfica será mais forte e ficará mais perto do seu grande objectivo.
    Venha então de lá essa Liga dos Campeões, onde no dia 15FEV2012, às 17H00 portuguesas, o Benfica medirá forças na bela cidade russa de São Petersburgo, com o Zenit, que noutro contexto, seria um adversário mais acessível que nas actuais por tudo o que já disse, no entanto, a minha confiança nesta equipa, desde treinadores, jogadores e restante estrutura do futebol é imensa e não será por falta de atitude e querer que o Benfica deixará de vencer, disso estou certo.
     Este post, está também dito aqui:   o lado do futebol que nunca viram , um blogue onde a convite dos seus administradores, escrevo semanalmente uma página sobre o Benfica, convite esse prontamente aceite por mim, pelo facto de ser um espaço de grande interesse e que desde já convido todos a visitarem.                                                         

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

PENSAR BENFICA - Em fórum leonino.

    Realizou-se no auditório Artur Agostinho, um fórum cujo tema deveria ser "Pensar Sporting", cujo valor exigido aos participantes foi de 10€, que se julga ser insuficiente para sair da falência, mas o que se viu, foi um discutir Benfica constante, concluindo-se no seu final, que de Sporting nada se falou, excepto que iria ser inaugurado contra o Benfica um novo sistema de vídeo vigilância, típico de Paulo Pereira Cristóvão, o obreiro que transformou imagens de índole neo nazi no túnel do seu estádio e por si colocadas, em imagens de borboletas e girassois, que diga-se estão sempre virados para a Luz.
    Lamentavelmente, num momento extremamente conturbado do Sporting, quer a nível financeiro quer desportivo, os sportinguistas entretiveram-se a atacar o seu rival, no fundo, o único tema apaziguador e consensual nas suas hostes, enquanto o seu treinador Domingos Paciência era despedido e substituído pelo boxer Sá Pinto, um treinador à imagem do vice-presidente em referência, deste modo, mais uma vez, confirma-se que as grandes referências leoninas e as pessoas por si reconhecidas e promovidas, são aquelas que em termos disciplinares mais prejudicaram o clube, se calhar, esta é apenas mais uma razão do momento que vive o Sporting.
     Desconfio mesmo, que Paulo Pereira Cristovão, sempre tão atento e alerta em relação ao Benfica, ainda hoje não deve saber que o seu treinador foi despedido, certamente isso para ele é uma questão menor comparada ao tema Benfica.
   Não posso mesmo deixar de registar o facto de ontem, com todas as letras, o Presidente leonino ter garantido que não teria qualquer cabimento despedir o treinador  de cujo projecto fazia parte e cerca de 24 horas depois ter sido despedido, concluindo-se que não há um rumo que se perceba, parecendo meso que todos mandam menos o Presidente.
     Com a sua elevada condição moral, de acicatador de ânimos e que alia o seu incentivo à violência, com a sua própria violência, como é conhecimento geral, nomeadamente no seio da Polícia Judiciária, com vários episódios conhecidos publicamente, vem esse senhor, alto e bom som, exigir que o Benfica jogue à porta fechada, por segundo ele, o Benfica patrocinar claques ilegais, o que é uma tremenda falsidade.
     Para já, essa personagem que em todo o processo eleitoral tentou por todos os meios encontrar um buraco que lhe permitisse hoje ser administrador no Sporting, sendo que a fava saiu a Godinho Lopes, mostrou total desconhecimento quer da lei, quer do que se passa actualmente no Benfica.
     O que a lei diz em relação às claques, é que estas, não sendo legalizadas, ficam os clubes proibidos de lhes prestarem qualquer tipo de apoio, cabendo ainda aos clubes impedir que haja faixas alusivas à claque no interior do estádio do clube que de fazem parte, sendo que a pena pode ir, repito pode ir, até à realização de jogos à porta fechada.
     Pois bem, não só se desconhece publicamente qualquer apoio da direcção do Benfica (não quer dizer que não haja), como em todos os jogos no Estádio da Luz, não existe uma única faixa ou bandeira alusiva a claques ilegais, neste caso "No Name Boys" ou "Diabo Vermelhos", aliás, o que o Benfica já anunciou publicamente, é que o Benfica, atendendo à fantochada que é esta legislação, cujas claques legalizadas têm menos de 200 membros registados e aparecem por vezes com 2 mil nos estádios, preferiu fazer um registo próprio de um grupo de sócios que se junta para apoiar a equipa sem qualquer denominação de claque, garantindo assim, que todos os que se juntam naquela zona do Estádio, estejam perfeitamente identificados com o clube, sendo garantidamente sócios do clube, enquanto as claques ditas legalizadas, têm no seu seio pessoas que nem sócios são do clube que apoiam.
   Poderia-se discutir aqui as virtudes e defeitos entre a organização das claques e sua legalização ou o processo de identifição que o Benfica optou por fazer, certamente haverá num e noutro caso defeitos e virtudes, o que interessa aqui, é demonstrar que as lamurias dessa personagem "sui generis" da vida sportinguista, carecem de fundamento e são completamente infundadas, embora eu perceba que perante o actual nível de exigência de Paulo Pereira Cristovão, ele tenha a ambição de jogando o Benfica à porta fechada, possa ver o Sporting reduzir a sua desvantagem pontual actual de 16 para 15 pontos, o que seria um feito notável.

domingo, 12 de fevereiro de 2012

SHOW BENFICA - Com momentos de grande classe.

   Foi um Benfica forte, rápido, pressionante e com uma enorme qualidade de jogo aquele que se apresentou ontem no estádio da Luz, brindando assim os mais de 53 mil espectadores comum uma grande exibição.
   BENFICA 4 NACIONAL 1 - Órfãos de Maxi Pereira e Javi Garcia, pode-se dizer que nem se deu por falta deles, tal a qualidade exibicional da equipa, num belo espectáculo de futebol que deliciou todos os que gostam de bom futebol.
    Curiosamente até foi do Nacional o primeiro lance de relativo perigo com um remate forte que passou ao lado da baliza de Artur, só que as grandes equipas também se fazem de eficácia, sinal da qualidade dos seus jogadores e foi isso que o Benfica fez, primeira oportunidade e num lance de bola parada, após lance estudado, Garay, com alguma felicidade à mistura, coloca o Benfica em vantagem logo aos 9 minutos.
   Estava dado o mote para aquilo que foi uma grande exibição do Benfica, a partir daí a equipa ganhou confiança e foi um festival de jogadas de elevado recorte técnico e de grande beleza, com algumas oportunidades incríveis a serem desperdiçadas.
   Mas o melhor estava ainda para vir, Gaitan, numa jogada de génio, limpou todos os adversários que lhe surgiram pela frente e oferece de bandeja o golo a Cardozo, que como quase sempre picou o ponto.
    Com a vantagem de 2 golos logo aos 20 minutos, o Benfica via o seu adversário atordoado, as jogadas de perigo junto da área nacionalista sucediam-se e o resultado já era escasso perante tamanho domínio, até que surge um protagonista, Jorge Sousa, ao apontar uma grande penalidade absolutamente surreal contra o Benfica, num lance em que é o jogador do nacional que vai chocar em Emerson, resultando aí um golo do nacional caído do céu e que em nada se justificava.
    O Benfica, naturalmente, acusou um pouco esse golo oferecido pelo árbitro, dando uma volta a um jogo em que o Benfica estava a atropelar o seu adversário, vindo então ao de cima, um Benfica maduro, que percebendo o momento da partida, sob refrear os ânimos, tirar algum ritmo ao jogo para se voltar a unir.
    Até que surge mais um belo momento de futebol, numa jogada colectiva de grande beleza, quase toda ao primeiro toque, que culminou com um passe fabuloso de Nolito e um arranque impressionate do não menos fabuloso Rodrigo que após passar pelo guarda - redes adversário faz o 3 a 1.
    Novamente com 2 golos de vantagem, o Benfica voltou a tranquilizar e nem um árbitro tendencioso o incomodava e mesmo à beira do intervalo, naquela que foi a mais bela jogada desta partida, Aimar desperdiça na cara de Marcelo.
  Na 2ª parte, o Nacional tentou reagir, Candeias recém-entrado, deu mais dinâmica nos corredores e nos primeiros minutos desta fase houve mais Nacional, só que aos poucos, sem grande turbulência, o Benfica foi ganhando o domínio e começou de novo a lançar alguma pânico da defesa adversária.
   Não espantou por isso que surgisse o 4º golo do Benfica, nova abertura de Nolito, com Rodrigo a surgir que nem uma flecha, a passar por um defesa contrário em velocidade e já quase sem ângulo remata para a baliza adversária, com Marcelo a ser enganado, estava consumada a goleada.
   Daí até ao final do jogo, foi um festival Benfica, do qual resultaram momentos de algum deslumbramento, com toques de verdadeira classe e o Nacional a cheirar a bola, dando-se ainda o Benfica ao luxo de falhar um penalti por Cardozo.
    Uma vitória inteiramente justa, com classe, em que apenas faltaram mais golos para retratar mais fielmente o domínio do Benfica.
   Pela Positiva: Os mais de 53mil na Luz, em noite de frio, transmissão em canal aberto, numa altura em que se aproximam 2 jogos importantes (Porto e Zenit), que obrigam em tempo de crise, as pessoas a fazerem opções e a qualidade individual e colectiva de toda a exibição do Benfica.
   Pela Negativa: A decisão incrível de Jorge Sousa no penalti a favor do Nacional e as dificuldades da equipa madeirense em suster as acelerações dos jogadores do Benfica.
   Arbitragem de Jorge Sousa: Num jogo fácil, sem grande agressividade, custa ver que o árbitro complique o fácil, um desastre no penalti contra o Benfica e em muitas outras decisões perfeitamente desenquadradas e sem qualquer critério.
    Ontem também o Sporting esteve em acção e perdendo com o Marítimo por 2 a 0, a equipa de Alvalade, em minha opinião, comprometeu em definitivo um lugar de acesso ao play-off da liga dos campeões, naquela que seria a obrigação mínima do Sporting.
   Quando afirmo que não acredito que o Sporting chegue ao 3º lugar, não é tanto pelos 8 pontos de atraso do Braga, mas sim pela falta de qualidade exibicional que semana após semana vai mostrando, por antítese a um Braga que longe de ser espectacular, mostra uma grande consistência de jogo, mérito do seu treinador que também lidou com muitos jogadores novos e com lesões em catadupa e várias delas de enorme gravidade.
   Não vi o jogo do Sporting, mas pelo que rezam as crónicas, foi mais uma exibição paupérrima, sem qualidade e com o Marítimo a exercer um domínio completo da partida, mostrando sempre mais qualidade que o seu adversário.
   Domingos Paciência pode invocar em sua defesa as muitas contratações, as muitas lesões, etc, mas a verdade é que sendo inegável que este plantel tem mais soluções e qualidade que na época passada, o treinador leonino não consegue dar fio de jogo à equipa, definir um modelo de jogo e um onze base, como comprova o facto incrível de em cerca de 30 jogos, já ter experimentado em 10 jogos duplas diferentes de centrais.
    Ora numa equipa nova como o próprio a define, julgo ser no mínimo estranho, que o treinador leonino não consiga estabilizar um onze base, mesmo que lesionando-se 3 ou 4 jogadores, faça apenas essas mudanças sem revoluções como vai fazendo, resultado disso, é que se vê uma equipa do Sporting com boas individualidades, mas em que ninguém se entende, não se vê fio de jogo, jogadas de envolvimento colectivo, havendo mesmo jogadores que parecem andar perdidos em campo, julgando eu, que passados tantos meses, essa de ser uma equipa nova e precisar de tempo já não cola e não se cola porque simplesmente não se vê o mínimo de evolução e qualidade de jogo.

sábado, 11 de fevereiro de 2012

DIREITOS TELEVISIVOS? Preocupa-me mais apoiar o Benfica.

   Sinceramente, ao contrário de alguns benfiquistas que têm toda a legitimidade para dizerem de sua justiça, não estou minimamente preocupado com essa questão dos direitos televisivos dos jogos do Benfica.
   Certamente, à semelhança de muitos outros negócios, esta direcção vai fazer um bom negócio, seja lá com quem for e julgo que nesta matéria LFV não precisa de apresentações, acho mesmo e faz-me impressão que assim não seja, que a direcção no capítulo financeiro não mereça bem mais confiança dos benfiquistas em geral, porque é exactamente pelos bons negócios no capítulo financeiro protagonizados por LFV e seus pares a razão pela qual depois de resgatarem o clube do abismo, o tornaram o que mais receitas gera em Portugal a grande distância dos seus rivais e um dos que mais receitas faz no mundo.
   Eu também preferia que os direitos televisivos fossem negociados com outra empresa ou operador, mas numa questão tão importante, a razão deve prevalecer sobre a emoção, uma vez que segundo parece, em termos de receita, ficar com os jogos na Benfica TV e gerar o dinheiro pretendido, são precisas medidas de risco (pay per view), cuja adesão é algo a que os portugueses não estão habituados, é uma incógnita, logo com um enorme capital de risco, quem garante que num momento de crise actual, com uma série de sites que permitem ver  jogos de borla e em épocas de enorme poupança do povo português, que haveria grande aderência dos Benfiquistas?      
   Como tal dificilmente se conseguirá chegar a valores na ordem dos 20 milhões anos, já com exploração de publicidade incluída.
   Portanto, o problema ao contrário do que alguns colocam, não é a direcção querer ou deixar de querer negociar com a Olivedesportos, é a ausência de alternativa que obviamente reduz a margem de manobra negocial, se quem tanto tem criticado por antecipação esta direcção nesta matéria, sem sequer ainda haver negócio ou se saber os seus contornos, se conhece ou tem alternativas que as apresente em sede própria, ou seja, no seio do Sport Lisboa e Benfica, porque dizer e criticar que é uma ofensa aos benfiquistas negociar com a Olivedesportos é fácil, complicado é apresentar alternativas válidas e essas aos críticos não vejo, a única coisa que falam, com elevada dose de romantismo, é do Benfica ficar com os jogos na Benfica TV, e de tanta cegueira nas suas críticas, levianamente, nem sequer colocaram a hipótese real de um cenário que certamente a direcção do clube já colocou com um estudo sobre essa possibilidade, só que provavelmente como é bom de ver, os valores ficariam muito aquém dos pretendidos, por isso e por muito que custe aos benfiquistas, a Benfica TV, não é alternativa doa a quem doer e mais opções não há e ninguém as apresenta.
    Partindo do princípio aqui exposto, julgo que esta guerrilha de pacotilha morre à sua nascença por falta de conteúdo, porque todos ralham mas a ninguém vejo razão, fazem-me lembrar aqueles deputados que criticam qualquer medida imposta por um governo, mas alternativas nem vê-las, quando assim é, qualquer protesto caí por terra por falta de credibilidade.
    Alguma pessoas, julgando-se grandes sabedoras da matéria, quais negociantes de 1ª linha, entretêm-se a fazer petições na internet contra a venda dos direitos televisivos à Olivedesportos, são livres de colocarem as petições que bem entenderem, mas felizmente, com erros como toda a gente, se há virtude que esta direcção tem é a de não reger as suas acções de fora para dentro ou com pressões seja de quem for e isso para mim é gratificante.
   Julgo que o meu ponto de vista nesta questão é elucidativo e nem sequer vou tocar mais neste assunto, o Benfica tem pessoas capazes, legitimamente eleitas para tratarem de assuntos desta natureza e por muito que custe a alguns, esta é uma competência exclusiva de quem rege os destinos do clube, depois, então sim, façam-se juízos de valor, porque criticar por antecipação, desconhecendo-se valores e contornos de um negócio, é um acto de pura má fé e de alguma ignorância, era só o que faltava, que com uma direcção à frente do clube, fossem os adeptos a negociar algo com esta importância, então o Benfica não era um clube, era um grupo em completo estado anárquico.
    Portanto, não me importo que em alguns espaços, andem a chamar de rebanho a quem no geral está com esta direcção ou deles discorda, fico até orgulhoso, o que eu não gosto mesmo é de ser tresmalhado, de andar a reboque de alguém, pondo em causa a minha individualidade, ou seja, penso pela minha cabeça e orgulho-me de poder dizer que nunca andei a apoiar um tal de Bruno Carvalho, ou a idolatrar um tal de Carlos Azenha, se o fizesse, sinceramente, já me tinha calado tal a vergonha.
    Concluo dizendo que a minha preocupação no momento é apenas uma, apoiar de forma incondicional o meu Benfica até ao fim, com o obejctivo claro de ajudar a criar uma enorme onda de apoio que leve o Benfica ao seu 33º título nacional, isso sim preocupa-me e isso sim é o que me move, a começar já hoje pelas 20H30 contra o Nacional.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

AIMAR POR MAIS UM ANO - Mais uma bofetada aos paladinos da verdade.

   O dia começou com uma excelente notícia para os benfiquistas e para todos os que gostam do futebol, a confirmação da renovação do contrato de Pablo Aimar por mais 1 ano, da qual nunca duvidei.
    Infelizmente, já choviam críticas ao Presidente do clube por a renovação exigida pelos sócios tardar em sair, mais uma vez, LFV deu uma bofetada de luva branca a quem diariamente se entretém a achincalha-lo, como se fossem essas pessoas que definissem os timings ou sejam gente de extrema sabedoria que com eles era tudo perfeito, porque eles é que sabem como é, eles é que são os donos da razão suprema, tanto que um narcisista é um aprendiz de carpinteiro quando comparado com tais mentes brilhantes.
    Os negócios quer de contratações, quer de renovações têm os seus timings, os seus avanços e recuos, em que a defesa dos vários interesses, quer do atleta, quer do clube, têm de ser defendidos e sem alaridos como os que de forma ridícula e completamente infundada, com cenários que só poderiam vir daquelas cabecinhas demasiado pensadoras, mas muito pouco assertivas criaram, a renovação está feita, Aimar continuará a deliciar os relvados nacionais e o Benfica continua.
     Espero agora, que os homens que constantemente fazem campanha eleitoral contra LFV, em defesa se calhar de um candidato tipo Vale e Azevedo (já que são os mesmos que em certos blogues fizeram campanha por um tal Bruno Carvalho), tenham aprendido a lição e deixem em paz quem está à frente do clube, que deixem esta direcção negociar em paz os direitos televisivos, não fazendo julgamentos por antecipação como é seu costume, sob pena de mais uma vez saírem ridicularizados, eu também nesta matéria, tenho plena confiança nesta direcção, pela simples razão de mesmo com naturais erros, foi ela que após as ruinosas gestões que herdou, conseguiu aos poucos criar um Benfica consolidado, que está apenas entre aqueles que na Europa do futebol, mais receitas faz, foi LFV que transformou a marca Benfica no que ela é hoje e isso é um facto indesmentível e se calhar impensável ainda há poucos anos atrás.
    Certamente se continuará a cometer erros, como todos nós, quem nunca falhou que atire a primeira pedra, erro que se cometem em todos os clubes e empresas, é simplesmente humano, pena que alguns se julguem infalíveis, mas enfim, desses, não posso deixar de ter mais do que pena.
   

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

FASE CRUCIAL DA ÉPOCA - 30 Dias de enorme importância.

     Antes de começar o post, comunico aos meus ilustres leitores, que aceitei um convite do blog "O lado do futebol que nunca viram", que me convidou para escrever um post semanal sobre o nosso Benfica, espero deste modo dignificar o nosso clube e não defraudar as expectativas quer dos meus caros amigos, quer dos autores desse blogue, o qual desde já convido a visitar, simplesmente porque vale a pena.
    LFV deu uma entrevista à RTP e não vou aqui tecer grandes considerações sobre a sua entrevista, porque defendo que esta altura, em que se aproximam grandes decisões para o Sport Lisboa e Benfica, a hora é de toca a reunir e não de tricas.
    Sou um defensor da continuidade do Presidente do Benfica, acho que no global o seu trabalho tem sido muito positivo, embora cometa erros como qualquer pessoa, mesmo não concordando com algumas acções por si protagonizadas, a verdade é que não conheço em profundidade as razões para determinadas acções e seria injusto da minha parte criticar apenas porque não concordo, pois nada me diz que eu é que esteja certo.
    Importante agora é olhar para esta fase crucial da temporada e para os reais interesses do Benfica, cuja equipa, na minha opinião, tem um Fevereiro e Março que pode ser absolutamente decisivo nas mais variadas provas que disputa.
   Começando pela Liga dos Campeões, manda a razão que se seja realista, sonhar é bom, mas acreditar que o Benfica pode vencer essa prova é para mim isso mesmo, um sonho e nada mais que isso, pois realisticamente julgo ser um objectivo para outras equipas e orçamentos, só uma conjuntura de vários factores extremamente favoráveis como por exemplo ver um Real e um Barça eliminados poderiam criar um cenário diferente.
   Assim sendo e sobrepondo a razão à emoção, julgo que o importante é olhar para os 1/8 de final contra o Zenit e encarar com seriedade esta eliminatória, onde creio que o Benfica tem francas hipóteses de atingir os 1/4 de final, que seria já uma grande presença na prova.
   Atendendo à realidade do futebol português quando comparado com outros mercados, julgo que as ambições legitimas e que podem ser consideradas como uma presença positiva é passar a fase de grupos e isso o Benfica já conseguiu pelo que a sua presença já foi meritória, tudo o resto será um prémio.
   Na Liga portuguesa, aí sim, atendendo à sua posição actual, líder com vantagem de 5 pontos, tudo o que não seja a conquista do título, deverá ser considerado um falhanço, porque o nível de exigência neste clube deve ser esse, porque a conjuntura e calendário o favorece e porque está claramente em posição previligiada.
   Como tal, o empenho tem de ser total e a presença assídua dos adeptos também, numa clara demonstração de força e união, para que a miragem do título possa ser uma realidade, há que conseguir antes de tudo, chegar ao jogo com o Porto a 2 de Março com esta vantagem pontual, o caminho é difícil, pois para além de receber o Nacional, o Benfica tem 2 jogos que se podem revelar cruciais, deslocações a Guimarães e Coimbra, onde será de extrema importância vencer, para que no jogo com o Porto, o Benfica possa sair para o que resta do campeonato com margem de manobra que lhe permita gerir as emoções e ter o seu adversário mais pressionado.
   Creio que se o Benfica chegar a esse jogo com 5 pontos de vantagem e pelo menos não perder em casa, dificilmente deixará de ser campeão, porque o seu adversário ficará altamente pressionado e sem a mola do confronto directo, tem a palavra o Benfica.
    Outra prova em disputa é a Taça da Liga, aquele que alguns iluminados chamam de Taça Lucílio, pelo simples facto de nunca a terem conseguido vencer, como se este ex-árbitro, tivesse apitado as 4 finais dessa competição, 3 delas com o Benfica presente, enfim conversa de quem não alcança mais, felizmente, depois do Nacional - Sporting de ontem, não caiu no discurso vazio de chamar a uma prova tão prestigiante e digna como é a Taça de Portugal e chama-la de Taça Pedro Proença, isso seria desrespeitar uma prova que gostaria de ver o Benfica ganhar.
    Embora sendo considerada o parente pobre das competições nacionais, se calhar porque outros grandes ainda não a conseguiram ganhar e assim é uma forma de menosprezo ao Benfica, é uma competição oficial e como tal, é sempre melhor vencer do que perder e é assim que a Taça da Liga deve ser encarada pelo Benfica, numa prova com umas meias finais de enorme curiosidade e interesse, por um lado teremos um derby minhoto, Gil Vicente - Braga e por outro lado um sempre apetecível e fantástico clássico Benfica - Porto.
    Concluindo, espera pois o Benfica, 30 dias de máxima intensidade em que mais do que nunca a qualidade do plantel mais do que do onze base, terá de mostrar toda a sua qualidade e utilidade, para que no fim deste ciclo, as esperanças de novas conquistas, possam sair ainda mais reforçadas.
 

SEMPRE BENFICA

Loading...
Adaptado por Blogger Benfiquista