terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

GOLEADA NA LIGA EUROPA - Abençoada crise!

--- Enquanto uns quantos se manifestam nas ruas contra a Justiça da Liga, encabeçados pelo mentiroso Rui Moreira, que no último programa na RTPN, mentiu com todos os dentes, se calhar ansiosos pelo regresso a um passado recente de total impunidade, em que se recebia árbitros em casa, se oferecia frutas em trocas de favores, em que se pagavam viagens ao Brasil, em que se obrigava os adversários a equiparem-se nos corredores porque os balneários das equipas adversárias eram regados com álcool, pelas agressões em directo a jornalistas e a dirigentes adversários, ou em última instância na defesa dos cavalheiros tipo guarda-Abel, o Benfica, no relvado, goleou o Hertha de Berlim, quando se diz que a equipa está em queda, conversa essa, que vem desde os tempos da pré-época, é caso para dizer, abençoada crise.
BENFICA 4 HERTHA de BERLIM 0 - Mais um jogo (perdi a conta), em que o Benfica goleou o seu adversário, com arte e engenho, despachou com quatro bolas de Berlim, uma equipa alemã muito frágil e que na 2ª parte, pagou a factura do seu jogo de Domingo, fruto da intensidade e do desgaste que a equipa encarnada provocou no seu adversário.
   Sem ser fulgurante, o Benfica entrou dominador no jogo, mas com paciência, previligiando a posse de bola, fazendo-a circular e desse modo obrigar o adversário a desgastar-se, pois a equipa sabia que em termos físicos, o tempo jogava a seu favor e com a bola em poder, o Hertha não poderia causar perigo.
  Depois dos 20 ninutos o Benfica soltou-se mais, subiu as suas linhas e começou a criar rupturas no muro defensivo alemão, pelo que o golo de Aimar foi o corolário lógico do seu domínio e que resulta numa tabela fantástica entre Aimar e Saviola, numa jogada simples, bonita e eficaz.
   Com o golo, o Benfica que já era senhor do jogo, mais dominador ficou, mas também é verdade, que por esse motivo a equipa do Hertha foi obrigada a subir no terreno e a procurar a área do Benfica, criando mesmo uma situação de golo eminente, o que diga-se seria injusto, face ao controlo de jogo e ás oportunidades anteriormente desperdiçadas pelo Benfica.
Na 2ª parte, muito mais Benfica, isto porque a circulação de bola e a intensidade de jogo colocada na 1ª parte, fez com que a equipa alemã se ressenti-se fisicamente, os seus jogadores já não dobravam, começavam a chegar atrasados à bola e o Benfica começou a passear classe, marcando logo a abrir, numa jogada fantástica do endiabrado Di Maria, com um cruzamento para Cardozo cabecear para a baliza deserta.
   Com o 2 a 0 e a falta de capacidade de reacção do Hertha, percebeu-se que a eliminatória estava resolvida, mas os criativos da equipa, agora soltos de marcação, faziam o que queriam do último reduto alemão e com isso nasceu o 3º golo do Benfica, após um ressalto na área, por Javi Garcia, que voltou a ser uma máquina a correr e a aparecer onde a bola estava, um senhor jogador.
   3 a 0 e tudo mais que resolvido e ainda não estavam decorridos 20 minutos da 2ª parte e Cardozo a bisar, após nova assistência brilhante de Di Maria, num golo de belo efeito, a goleada estava cumprida e agora havia que gerir as tropas e foi isso mesmo que Jorge Jesus fez.
   De uma assentada tirou Aimar e Saviola do jogo e logo de seguida Di Maria, entrando César Peixoto, Carlos Martins e Nuno Gomes (que banco), a ordem agora era para gerir e para isso a equipa sempre controlando o jogo, tirou o pé do acelerador e até ao fim podia ainda ter ampliado a vantagem, ante um adversário completamente aniquilado pela maior valia do Benfica, que venceu categoricamente e com toda a justiça.
Pela positiva: A exibição colectiva da equipa, principalmente nos primeiros 20 minutos da 2ª parte e Di Maria, a mostrar porque razão meia europa o quer, comece a aliar a capacidade concretizadora à sua velocidade e capacidade técnica e em breve estaremos na presença de um dos melhore extremos do futebol moderno. Pela negativa: o horário do jogo, a Uefa tem de repensar esta situação, pois é inadmíssivel, em dia de semana, colcoar um jogo em horário laboral, assim não se consegue prestigiar e dar dinâmica a uma prova europeia.
Arbitragem, sem grandes erros, mas também sem critério, ou seja, este senhor que tirou uma champions ao Guimarães, mostrou que de facto é um árbitro fraco.
   A seguir seguramente o Benfica jogará contra os franceses do Marselha, uma adversário bem mais complicado, mas ainda assim, perfeitamente ao alcance do Benfica mais forte desta temporada, contudo e bem, Jorge Jesus, fazendo contas ao calendário, já avisou que em caso de ter que fazer poupanças, estas serão efectuadas nesta competição e eu subscrevo.

domingo, 21 de fevereiro de 2010

LÍDERES NO SOFÁ - Finalmente somos justamente primeiros.

---O Benfica acabou de assumir a liderança da Liga Sagres, sossegado, sentado no sofá, a ver as incidências do Porto - Braga, o que só por si é deveras agradável, num jogo em que de facto, os bracarenses mostraram não ter estofo de campeões.
   Ao contrário do normal, este Braga pareceu desmotivado, sem chama, nada coeso e um pouco ao acaso, à mercê do seu aliado que o dizimou por completo com uma goleada de 5 a 1. Gostaria que fosse este o Braga na Luz, mas sei que isso é irreal, pois aí, qual motivação extra, o Braga será tudo o que não foi hoje, agressivo, defensivo e com as linhas bem juntas e uma entrega ao jogo como se esse fosse o último das suas vidas, enfim, é contra tudo isto que o Benfica tem de lutar, sem querer contudo tirar o mérito que obviamente o Porto tem.
   Mas, sinceramente, isso é o que menos me interessa, o que me interessa mesmo é ver o Benfica a assumir a liderança do campeonato e logo agora que entramos no último terço.
    Acabou- se a margem de erro, qualquer deslize pode significar a morte do artista e daqui até ao final, existem ainda muitos jogos importantes e os quais podem defenir um campeonato.
   Assim, as próximas jornadas serão muito importantes para o Benfica, a começar já no jogo de Matosinhos, em que os 3 pontos serão fundamentais nesta luta, pois é imperioso não ceder terreno e manter a liderança até ao jogo em casa com o Braga, o qual pode vir a revelar-se decisivo.
   Não esquecer o Sporting, que pese embora o paupérrimo campeonato que está a fazer, como se viu em Olhão, pode ser crucial na definição das contas finais, uma vez que já para a semana recebe o Porto e ainda vai à Luz e todos sabemos, o sabor que teria para os seus adeptos ganhar esse jogo, muito mais importante para a maioria dos sportinguistas do que vencer o Porto.
    A missão do Benfica não será fácil até ao final da temporada, até porque me parece que existe uma quebra acentuada de forma em algumas das suas unidades nucleares e logo num momento em que não se pode falhar, espero que a equipa consiga reagir e os seus jogadores vão buscar forças mesmo onde elas não existam, pois, entrar no último terço na frente e falhar, seria sem dúvida decepcionante, até pela qualidade de jogo que o Benfica já demonstrou esta temporada.
   Para concluir, julgo que a próxima jornada, pode lançar fortes pistas para o que resta da Liga, pois se o Porto não ganhar em Alvalade, o Braga encostar com a Olhanense e o Benfica vencer o Leixões, será já muito complicado parar o Benfica, mas o inverso, pode também fazer a equipa tremer.
   Vamos ver o que nos reserva esta fase crucial e decisiva da temporada, com muitas unhas para roer e muita emoção para viver.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

UM MAU BENFICA EM BERLIM - Tudo em aberto.

--- Foi semana europeia esta, em que estiveram envolvidas 3 equipas cá do burgo e curiosamente com três resultados diferentes, mas todas elas com as eliminatórias em aberto.
HERTHA 1 BENFICA 1 - Um mau jogo do Benfica, com um resultado lisonjeiro perante tão insipada exibição. Já o disse aqui várias vezes, que percebo que nem sempre se pode jogar bem, mas sempre que isso aconteceu com o Benfica, houve sempre uma coisa que realcei, a atitude e o inconformismo da equipa, hoje não notei nada disso e foi o que mais me irritou no jogo, pois faltou atitude à equipa, houve menosprezo do adversário e a factura só não foi mais cara, porque de facto, esta equipa alemã é muito fraca.
   Não podia começar melhor o Benfica, dominador e logo com um golo a abrir, o que perante uma equipa debilitada como o Hertha, aparentemente seria o pior que lhe poderia acontecer, mas o Benfica não soube explorar essa intranquilidade e apesar de dominar o jogo nos primeiros 20 minutos, deixou que uma equipa vulgar começasse a acreditar que poderia procurar a sua sorte e ela aconteceu com um lance infeliz de Javi Garcia.
  Se a equipa alemã já começava a crescer com a apatia do Benfica, com o golo do empate mais acreditou, até ao intervalo o Benfica não existiu e só a debilidade deste Hertha permitiu que o empate fosse o resultado.
Na 2ª parte, esperava que o Benfica entrasse mais concentrado e determinado, mas nada disso aconteceu, o Hertha entrou melhor e apesar de algumas cautelas, foi sempre a equipa mais perigosa, ganhando sucessivos cantos e impedindo com relativa facilidade as transicções ofensivas do Benfica, sempre lentas e previsíveis, muito por força da apatia de Saviola, hoje completamente fora do jogo, quiçá desiludido por não ter sido convocado por Maradona.
   Depois aconteceu um lance determinante, um penalti claríssimo por marcar sobre Ramires, que foi o complemento de uma arbitragem má e algo caseira, na resposta, o Hertha, por intermédio de Cícero falha um golo na cara de Júlio César, atirando ao poste e esse lance fez crescer ainda mais uns alemães que com certeza não esperavam um Benfica tão mau.
   Os lances perigosos surgiram algumas vezes na baliza do Benfica e só por mera inércia e falta de qualidade dos seus jogadores, o Hertha não venceu o jogo, que diga-se era merecido e um justo castigo para o Benfica e para a sua falta de atitude, com certeza, Jorge Jesus, terá muito a dizer aos seus jogadores, pois este tipo de comportamento não se pode repetir, principalmente para quem quer ser campeão, eu acredito que tal não volte a acontecer, pois a principal imagem de marca do Benfica desta temporada, tem sido precisamente a grande atitude e mentalidade competitiva dos seus atletas, que estou certo, sairam da Alemanha com plena consciência que esta não é a postura que têm tido e não será a que terão em jogos futuros.
  Contudo e pese embora o Benfica continue sem ganhar em solo alemão, em termos de eliminatória, este foi um belo resultado, que abre boas perspectivas de apuramento, até porque na Luz, o Benfica é muito forte e tem muito mais qualidade que o seu oponente.
Pela positiva: A crença do Herha e o resultado em si, pela negativa: A falta de atitude e o conformismo evidenciado pela equipa do Benfica, com excepção de David Luiz, Javi Garcia e Luisão.
Arbitragem de má qualidade, não apitando faltas evidentes, não vendo um penalti do tamanho do mundo sobre Ramires, assinalando foras de jogo incríveis como no caso em que Carlos Martins tinha 5 jogadores a colocá-lo em jogo e por 2 metros e no caso de Rafael que se isolava, ou seja, muito má.
EVERTON 2 SPORTING 1 - Ao contrário do Benfica, o Sporting merecia mais sorte e de facto não a teve.
  Num entanto, o Sporting entrou demasiado receoso e expectante no jogo, com o Everton a ter a iniciativa do mesmo e colocando logo de início Patrício à prova, depois, numa grande jogada e aí mérito para quem ataca, o Everton chega a uma justa vantagem.
   Esse golo do adversário, como que acordou o Sporting para o jogo, a equipa cresceu, reagiu e começou a incomodar seriamente a defensiva adversária, obrigando Tim Howard a boas intervenções e Izmailov, que esteve genial, a atirar de ângulo complicado, um potente remate ao poste, a sorte não queria nada com a equipa de Alvalade.
Na 2ª parte, o jogo começou com o 2 a 0, pior não pode acontecer, ainda para mais num lance duplamente ferido de ilegalidade, com falta clara sobre o guarda - redes e apontado com o braço e tudo isto numa equipa que está destroçada.
   Mas para meu espanto e se calhar dos próprios sportinguistas, que nesse momento temeram o pior, a equipa teve uma extraordinária capacidade de discutir o jogo e se é certo que não criou tanto perigo como no 1º tempo, foi corajosa, abnegada, solidária e procurou sempre o golo, com Liedson a ser intratável nesse aspecto e foi mesmo o Levezinho, que acredita sempre, quem atrapalhou Distin, roubando-lhe a bola e cavando um penalti indiscutível, bem marcado por Miguel Veloso e que permitiu ao Sporting entrar na discussão da eliminatória, embora na minha opinião, merecesse um pouco mais, julgo que o empate se ajustaria melhor ao que se passou na partida.
Pela positiva: a mentalidade competitiva do Sporting, acreditando e não se deixando ir abaixo com a adversidade terrível do começo da 2ª parte, pela negativa: o lance do 2º golo do Everton, que condicionou e mudou o cariz do jogo.
Arbitragem claramente marcada pela péssima decisão de validar o 2 a 0.
PORTO 2 ARSENAL 1 - Num jogo partido, com boa velocidade, embora nem sempre bem jogado, ganhou a equipa mais feliz e ao mesmo tempo aquela que também mais riscos correu.
   O Porto entrou bem no jogo e aos 5 minutos, já tinha tido duas boas situações para marcar, mas curiosamente o golo acabou por surgir num lance de infelicidade para o guarda redes polaco do Arsenal e feliz para Varela, que cruza bola para a área e esta foi empurrada pelo Guarda-redes para o fundo da baliza.
   Com o golo sofrido, o Arsenal partiu para cima do Porto, dando maior largura ofensiva e mais velocidade ao seu futebol e desse facto ressentiu-se o Porto, pelo que o empate acabou por surgir com alguma naturalidade.
  Com 1 a 1 em 20 minutos, o jogo partiu, embora até ao intervalo, a equipa inglesa tenha estado mais perto do 2º golo do que o Porto.
Na 2ª parte, a equipa portista começou a acertar melhor as marcações no meio campo e o Arsenal começou a ressentir-se desse maior acerto e maior pressão, não conseguindo dar velocidade às suas saídas para o ataque, falhando mesmo muitos passes. Fabregas não pegava no jogo fruto da impiedosa marcação de que era alvo e da dureza de que foi vitíma com o árbitro a ser demasiado permissivo.
  Depois deu-se o 2º golo, que segundo Jesualdo foi um lance inteligente de Ruben Micael, é verdade, mas se fosse ao contrário o que diria o mesmo Jesualdo? De facto, não me lembro de ver algo assim, um livre indirecto dentro da área do Arsenal, o árbitro a pedir a bola ao guardião da equipa inglesa, esta dá-lhe a bola, Ruben Micael tira a bola das mãos do árbitro, coloca-a no chão e passa logo para Falcão e quando este empurrou para a baliza deserta, só nessa altura o árbitro levanta o braço a dar sinal de livre indirecto.
  O lance é ilegal? Não, mas recomenda a Uefa, que os árbitros não deixem marcar sem apitarem os livres que possam levar perigo à baliza adversária e se é verdade que já vi algumas vezes de fora da área em livres directos, os jogadores marcarem sem o árbitro apitar, confesso que num livre indirecto dentro da área nunca tinha visto alguém permitir tal coisa, nem eu, nem Wenger com mais de 30 anos de futebol.
   Mas disso o Porto não tem culpa, tirou e bem proveito da permissividade do árbitro e colocou-se em vantagem no marcador e na eliminatória, com um resultado que obviamente deixa antever dificuldades no 2º jogo em Londres, mas que não deixa de ser uma vantagem.
Pela positiva: a atitude da equipa do Porto na 2ª parte, solidária, lutadora e a acreditar que era possível vencer, foi feliz, mas mereceu a felicidade, pela negativa, o árbitro norueguês que para além do golo validado à França contra a Irlanda, tem mais um lance caricato ao qual o seu nome ficará para sempre ligado.
Arbitragem, muito negativa, sem critério, ora marcando lances duvidosos, ora deixando passar sem falta lances bem durinhos e evidentes e para corôar a sua triste actuação, o lance do golo da vitória do Porto.
    Em resumo, uma vitória, um empate e uma derrota, deixam tudo em aberto para a 2ª mão, mas não deixa de ser curioso que a equipa que venceu na 1ª mão, seja no fundo, aquela cujo resultado poderá ter sido o menos bom, em virtude do golo sofrido em casa, mas, vamos ver o que nos reserva a 2ª mão.  

domingo, 14 de fevereiro de 2010

VITÓRIA JUSTA NA PIOR EXIBIÇÃO NA LUZ - Mas Porto cede terreno

---- O Benfica venceu justamente o Belenenses, apesar da boa réplica do adversário e de ser um facto, que esta foi seguramente a exibição mais pálida do Benfica na Luz esta temporada, valeram os 3 pontos e o facto do Porto ter escorregado em Matosinhos.
   Já o Braga venceu o Marítimo, com um golo irregular, que espero que pelo menos sirva para Domingos parar de choramingar.
BENFICA 1 BELENENSES 0 - Um jogo fraco, com uma grande moldura humana na Luz, mais uma, com o Benfica a entrar forte e determinado, inaugurando cedo o marcador por Cardozo, após um grande cruzamento de Ramires.
   Cedo em vantagem, pensou-se que o mais complicado estava feito e que o Benfica iria embalar para mais uma exibição convincente e uma vitória folgada, puro engano, a equipa de Belém não se foi abaixo e reagiu muito bem ao golo, já o Benfica, adormeceu, se calhar, confiante em facilidades que nunca surgiram.
   A equipa do Restelo, dispôs de uma soberana oportunidade para marcar por Fajardo, que isolado perante Quim, conseguiu atirar bem ao lado do poste, lance esse que foi o único registo de perigo dos azuis, mas o Benfica, também só por Fábio Coentrão e mesmo à beira do intervalo, voltou a ameaçar a baliza adversária, numa 1ª parte de muito fraco nível.
Na 2ª parte, a toada da partida não se alterou muito, mais iniciativa do Benfica, que tentou dar maior velocidade ao seu ataque com a saída de Peixoto, a entrada de Weldon e o recuo de Coentrão para defesa esquerdo, mas o jogador brasileiro, esteve desastrado na finalização e algo desconcentrado.
   Contudo, nesta fase do jogo, houve mais oportunidades de golo, mas sempre com um futebol de muita marcação e muitos passes extraviados de ambos os conjuntos, destaco um falhanço de Weldon, que isolado, permite a intervenção de Bruno Vale, o qual, aos 78 minutos é expulso, por defender com as mãos fora da sua área, quando Cardozo rematou para a baliza.
    Mas este corajoso Belenenses não se foi abaixo e se é certo que Weldon voltou a falhar o golo, mesmo no fim da partida, Mano desfere um remate potente que passou a centímetros do poste da baliza de Quim, terminando o jogo com uma vitória suada, mas justa do Benfica, ante um Belenenses que se jogasse sempre a este nível, com certeza não seria o ùltimo classificado da Liga.
Pela positiva: As exibições de Maxi Pereira e Fábio Coentrão e a coragem do Belenenses ao vir jogar à Luz, olhos nos olhos, algo que ainda ninguém ali tinha feito. Pela Negativa: O mau jogo a que se assistiu, o muito público ali presente, merecia mais qualidade.
Arbitragem de Carlos Xistra, boa no capítulo técnico, algo permissivo na capítulo disciplinar.
LEIXÕES 0 PORTO 0 - Um jogo intenso, mas nem sempre bem jogado, fruto também de um relvado miserável, que obviamente benificia mais quem defende.
  A 1ª parte foi bastante equilíbrada, com poucas situações de golo, mas neste período, foi melhor o Leixões, defendia bem e lançava contra ataques muito rápidos, os quais baralhavam a defesa portista, que neste período, que me lembre, teve apenas em Belushi uma grande oportunidade para marcar, já o Leixões por Pouga falhou uma boa situação e Seabra obrigou Helton à defesa da noite, pelo que o empate aceitava-se ao intervalo.
Na 2ª parte, esperava-se mais Porto e de facto isso veio a acontecer, mais velocidade e movimento na linha atacante, obrigando o Leixões a cuidados redobrados e a recuar as suas linhas, num entanto esta equipa defendeu sempre com  grande valentia, até que Varela, isolado, tenta passar por Diego que aos seus pés tem uma bela intervenção, num lance em que o jogador portista podia e deveria ter feito muito melhor, quase de seguida e numa pressão muito forte do Porto, o caso do jogo, Ruben Micael, na área do Leixões, tira Joel do caminho com uma grande simulação e este falha a bola, acertando no pé do jogador portista, penalti evidente, mas Bruno Paixão, bem em cima do lance, manda Micael levantar-se.
   Num entanto, a toada ofensiva do Porto acentuava-se, Varela volta a falhar isolado, as situações de pânico na defesa leixonense sucediam-se, mas estoicamente foram aguentando o nulo com que se chegou ao fim do jogo e se é verdade que o Porto se pode queixar de um penalti evidente por assinalar a seu favor, também se pode queixar do muito que desperdiçou, empatando também por culpa própria, até porque como se viu com Cardozo na semana passada, o penalti pode não ser golo.
pela positiva: a pressão do Porto na 2ª parte e a boa organização defensiva do Leixões, pela negativa: os incríveis falhanços de Varela.
Arbitragem de Bruno Paixão, estava a ser muito positiva, mas ficou irremediavelmente manchada por um lance que poderia ser decisivo, o penalti evidente sobre Micael.
BRAGA 2 MARÍTIMO 1 - Uma 1º parte mal jogada e quase sem lances de perigo, com os madeirenses sempre muito bem organizados, mas sem conseguirem esticar o seu jogo, já o Braga, tinha mais iniciativa, mas correr riscos é algo que o Braga não faz, pelo que o nulo ao intervalo era o resultado certo e o único possível.
Na 2ª parte, o cariz do jogo mantinha-se igual, o Braga a atacar mais, mas sempre com os seus equílibrios defensivos, algo que é já uma imagem de marca desta equipa, o Marítimo, continuava a defender bem, mas já se notava um melhor desdobramento nas saídas para o ataque, até que num lance que parecia inofensivo, Hugo Viana cruza para a área e Briguel com a bola aos seu alcance, hesita entre o corte e deixar a bola sair pela linha final, quando reage já é tarde e Alan consegue com alguma felicidade colocar a bola na cabeça de Meyong que assim faz o primeiro do jogo.
   Como se sabe, este Braga em vantagem no marcador é terrível, pois defende muito bem, mas o Marítimo soube reagir ao golo sofrido e dez minutos depois empata num belo golo de Djalma.
  Este golo desorientou um pouco o Braga, o qual se mostrava nervoso e falhava muitos passes, já o Maritímo, conseguia criar alguns espaços no último reduto bracarense, mas pecava sempre no último passe, até que se deu o momento e o caso do jogo, Filipe Oliveira, deixa a bola fugir pela linha lateral, mesmo nas barbas do auxiliar de Proença, o qual manda seguir a jogada perante os protestos madeirenses, desse facto aproveita-se Filipe Oliveira para cruzar para a área, onde Alana ganha um ressalto, Bruno falha o alívio e a bola sobra para Luis Aguiar que atira rasteiro e colocado para o fundo das redes, num golo que valeu 3 pontos, mas bastante ferido na sua legalidade e já na Madeira, na 1ª volta o Braga tinha vencido com um penalti fantasma.
  Perante isto, Domingos sempre tão vitimizado, deveria agora ter a honestidade de reconhecer que o golo da vitória da sua equipa, nasceu de uma ilegalidade evidente.
Pela positiva: O muito público presente, apesar de ser à borla e o bom jogo na 2ª parte, pela negativa: o 2º golo do Braga, que nasceu de uma lance ilegal e bem visível, com o fiscal de linha a ver tudo.
Arbitragem de Pedro Proença, marcada pela facilidade do apito, marcando algumas faltas laterais para o Braga inexistentes e a ser traído pelo seu auxiliar no 2º golo do Braga, tendo assim clara influência no resultado.
  PAÇOS  DE FERREIRA 0 SPORTING 0 - Já nem vale a pena comentar este jogo, como dizem agora os sportinguistas, deixem-nos em paz, que nós não fazemos mal a ninguém, é verdade, realmente, não fazem mesmo mal a ninguém, tão mal que jogam e tanta falta de categoria evidenciada.
    Num jogo tipo solteiros e casados, sem nexo, de chutão para a frente, coube ao Sporting o maior número de oportunidades, se bem que poucas, muito poucas mesmo.
    Agora, dizem também eles, que estarão a torcer contra o Benfica, algo normal e evidente, aliás, é bom que continuem a olhar para os outros sem olharem para a sua casa, pois assim nunca mais resolvem os seus problemas, algo que a mim pessoalmente muito me agrada.
  Ao Sporting restam agora 3 objectivos até ao fim da época, o primeiro, receber e torcer pelo Porto em Alvalade, num jogo que será o mais fácil para a equipa portista, uma vez que terá um estádio unido no seu apoio, o 2º e menos censurável, a transformação do adepto Sporting Clube de Portugal em adepto Sporting Clube de Braga, o que dá bem a ideia da dimensão actual do Sporting e o 3º e mais importante objectivo, o único jogo que lhes resta até ao fim da temporada e no fundo o único momento de glória que a equipa procura, vencer na Luz o derby e com estes objectivos de plena ambição, teremos um Sporting que de facto, como diz Quintela, não pode aspirar a mais, quando numas escutas um seu funcionário e o seu Presidente são ofendidos e a resignação é a palavra de ordem, faltando só mesmo aplaudir de pé, numa estrondosa ovação o autor de tais ofensas e que tão admirado e venerado é nas hostes leoninas.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

REGRESSO DA LIGA - Antevisão da jornada.

--- Depois da vitória estrondosa no derby em Alvalade, outro derby será jogado nesta semana, com um sempre apetecível Benfica - Belenenses, em mais um jogo de extrema importância, como serão todos e cada vez mais, até ao final da Liga, neste momento, qualquer ponto perdido, pode ser a morte do artista.
    O que quero salientar em primeiro lugar, é o facto do jogo ser às 17H00 e com isso, mais uma grande casa se espera na Luz, que saudades dos jogos à luz do dia, as tardes representam na minha perspectiva a verdadeira festa do futebol e é com muito agrado que finalmente, tanto tempo depois, vou poder ver o meu clube, ao vivo e à tarde, embora o tempo não ajude.
    Como é sabido, hoje não há jogos faceis, o adversário mudou meia equipa desde o jogo da 1ª volta, acrescentando-lhe um pouco mais de qualidade, contudo e quer pela condição de candidato ao título, quer pela qualidade do futebol demonstrado por ambos até ao momento, o favoritismo é claramente do Benfica, mas o jogo tem de ser encarado com necessária seriedade, os adeptos têm de ser como até aqui, pacientes e incondicionais no apoio à equipa, até porque o que interessa são os 3 pontos e nem sempre se pode golear, até porque nem todos os adversários são o Sporting.
    Por falar em Sporting, este já não entra nas contas do título, lutando arduamente pelas competições europeias e após um ciclo terrível de 4 derrotas e 2 delas com goleada, esta deslocação a Paços de Ferreira afigura-se complicada para a equipa de Alvalade, pela sua intranquilidade, pela incapacidade demonstrada ao longo da temporada e porque de facto os niveis psicológicos estão muito em baixo e os nivei físicos de alguns jogadores são incompreensíveis, pois não são uma fase, mas sim uma constante ao longo de toda a temporada, não sendo perceptível se a qualidade de treino em Alvalade ou a aplicação nos mesmos desses atletas serão a causa de tão débil condição. Jogadores como Polga, Tonel, Vuckcevic, estão irreconheciveis, não sendo jogadores transcendentes, nunca o foram, são obviamente jogadores capazes de muito mais, os reforços não convencem e Pongolle custou mais 1,5 milhões que Saviola!!!, depois apesar da sua vulgaridade, há jogadores que noutras épocas, com empenho, conseguiam disfarçar muitas das suas lacunas, refiro-me a Abel, Grimi e Pedro Silva, jogador este que como sabem foi eleito pelos sportinguistas como o melhor em campo na final da Taça da Liga, por pura estupidez natural, é caso para dizer, tomem e aprendam a ser racionais.
   Depois a constante turbulência do seu balneário, aliado ao facto de terem uma liderança muto fraca, com um Presidente pago que se dá ao luxo de ir até ao Brasil de férias, num momento conturbado em que a eqipa jogava todo o seu futuro na presente época, diz tudo em relação ao papel de Bettencourt no clube, mau demais para ser verdade e nem vale a pena enumerar o seus imensos erros, erros esses que serão cada vez mais evidentes, enquanto  continuarem mais preocupados nas críticas constantes ao vizinho do lado e a deitarem o olho para lá, arranjando constantemente factores externos para justifiarem e se limparem do seu enorme manancial de erros, talvez, um dia, quando olharem para dentro, encontrem as causas para o mal.
   O Porto desloca-se ao vizinho Leixões, um adversário muito longe do potencial evidenciado na época passada, e um Porto em crescendo, num entanto, o factor chicotada psicológica, pode vir a complicar um pouco a missão portista.
    À partida, não será um jogo com um grau de dificuldade elevado, mas, a sobranceria ou o excesso de confiança, torna por vezes díficil o fácil, que o diga o Benfica em Setúbal.
   O Braga, que há que reconhecer está a fazer uma campanha sensacional e acima de todas as expectativas, recordo que já se anda a dizer desde o princípio que o Braga vai cair, mas ele continua firme, pese embora entrar em constantes e escusadas guerrilhas, que são inuteis e fazem cair no ridículo os seus dirigentes, parecendo até que o discípulo é aluno de nota 20 do seu professor, tão bem que a lição está aprendida.
   O Braga recebe o Marítimo equipa também com a qualidade, num entanto são favoritos, pois o seu futebol, apoiado numa excelente estrutura defensiva e consistência na equipa, tem dado bons resultados, como revela o facto de ter apenas 7 golos sofridos em 18 jogos e o asu adversário de hoje, apesar de ter bons atacantes, concede muitos espaços no seu último reduto, facto que costuma ser muito bem aproveitado pelospragmáticos bracarenses.
   Faltam portanto 12 finais (11 para o Benfica) até ao final da temporada, a margem de erro diminui a cada semana, a emoção dos adeptos cresce à medida que o tempo avança, pena que a muito medíocre classe dirigente, não se concentre apenas no futebol em si e estrague estes momentos de festa, com climas de guerrilha, demonstrando em muitos casos uma tremenda falta de escrúpulos e vergonha na cara, são o que temos e muito bem se vão comportando os adeptos do futebol, perante tanto veneno lançado, esperemos, que nós adeptos do futebol, continuemos imunes ao veneno, a vibrar com o futebol e a gritar os golos da nossa equipa, ignorando esta classe dirigente sem uma réstia de credibilidade.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

GOLEADA EM ALVALADE - Em jogo de sentido único.

--- O Sporting foi goleado em sua casa, num jogo em que só deu Benfica e que ficou marcado pela entrada bárbara de João Pereira e uma justa expulsão deste jogador que não vai mais longe pela sucessão de atitudes como esta. O Benfica venceu bem, até porque foi quem entrou no jogo com vontade de vencer, mesmo poupando e muito bem meia equipa.
SPORTING 1 BENFICA 4 - Num jogo que era decisivo e a tábua de salvação do Sporting, não se compreende como pode a equipa leonina entrar no jogo com um onze de eminente cariz defensivo, culpa do seu treinador que retirou logo á partida ambição à sua equipa, ao invés foi notório que o Benfica entrou no jogo para vencer e logo no 1º minuto, já Di Maria colocava a cabeça em água à defesa do Sporting com um tremendo nó cego primeiro a Grimi e depois a Polga.
   Os primeiros minutos eram de ataque continuado do Benfica, ante um Sporting a ver jogar, até que aos 6 minutos, João Pereira, manda um salto de karateca em direcção à perna de Ramires, numa entrada desnecessária, mas que foi de agressão e justa expulsão. Questionam alguns que podia Benquerença mostra amarelo e não estragar o jogo, mas a verdade é que agiu de acordo com a lei, pode-se ainda questionar que já se viu lances assim e não darem vermelho, ou que este ou aquele jogador já fez o mesmo e nada se passou, mas isso é conversa da treta e teria pano para mangas, poque também por menos já houve expulsões e por isso é uma discussão oca e um lavar de roupa suja que não mais acabaria.
    Mas o facto é que o Benfica coloca-se em vantagem como se o jogo estivesse 11 para 11, porque foi através desse livre que David Luiz inaugura o marcador com um grande cabeceamento sem hipóteses para Patrício e não seria João Pereira que iria evitar o golo.
    Com uma unidade a mais e vantagem no marcador, a primeira meia hora do Benfica foi avassaladora, naturalmente a equipa do Sporting já de si fragilizada, pior ficou perante estes prematuros acontecimentos e os lances de bom futebol do Benfica sucediam-se ante a apatia do adversário, pelo que não espantou o 2º golo por Ramirez depois de uma bela jogada de Peixoto, que a mim me convence cada vez mais, mais uma exibição fantástica, tal como sucedera com o Porto, ou seja, nos grandes jogos, César Peixoto mostra credenciais.
   Com o 2 a 0, temeu-se o pior em Alvalade, mas a verdade é que a equipa do Benfica se deslumbrou e começou a perder concentracção e respeito pelo adversário sempre muito digno, diga-se e convém ser referido. Desse facto aproveitou-se o Sporting, pois jogar sem respeito é um pecado capital e os olés são condenáveis e fazem mal a qualquer equipa e perante tanta desplicência, Ramires assiste Liedson (notável o seu inconformismo constante) e este vai por aí a fora e desfere um remate rasteiro e colocado reduzindo a desvantagem, num prémio merecido para o Levezinho e um justo castigo para o Benfica.
   Esse golo fez com que mesmo com um jogador a menos, o Sporting volta-se a acreditar e a reentrar no jogo e a equipa do Benfica mostrou-se estranhamente nervosa e insegura, pelo que o intervalo veio em boa hora.
Na 2ª parte, a seriedade voltou ao Benfica e este voltou a entrar dominador, com circulação de bola, obrigando o adversário a desgastar-se, mas neste período inicial o Benfica causou alguns calafrios, mas sem nenhuma grande oportunidade e foi mesmo o Sporting que lhe viu ser anulado um lance com Pongolle isolado, com uma fora de jogo inexistente e que poderia relançar o jogo, embora eu duvide que o Sporting aguenta-se um eventual empate até ao fim do jogo. Logo de seguida, Benquerença não teve o mesmo rigor com Pedro Silva que teve com João Pereira, numa entrada por trás só ao homem, com uma dureza inadmissível, mas que no fundo demonstrava o nervosismo da equipa sportinguista e se ficasse como devia reduzida a nove unidades, o descalabro seir com certeza maior.
    O jogo continuava com domínio absoluto da melhor equipa, o Benfica e mais uma vez, aproveitando uma das maiores fragilidades do seu adversário, num lance de bola parada, Luisão amplia a vantagem e dá um xeque-mate no Sporting.
    O terceiro golo do Benfica afundou de vez o Sporting, equipa que apesar de tudo lutava, mostrava muita dignidade, mas já não tinha capacidade de reacção e até à bomba de Cardozo que faz o 4 a 1, o Benfica foi desperdiçando boas situações de golo, sempre conduzido por um endiabrado Di Maria, que juntamente com César Peixoto, foram os melhores jogadores em campo.
   Resultado final de 4a 1, com goleada e apuramento justo para a final desta Taça da Liga, mas volto a referir, que antes queria os 2 pontos perdidos em Setúbal, embora não negue que sabe muito bem golear o rival Sporting, ainda para mais no seu campo, com apenas metade dos titulares e quando se sabe que este é sempre o jogo da vida dos adeptos leoninos, como me foi sendo referido ao longo dos dias que antecederam esta partida, lamento, o pagamento das vossas palavras com juros.
Pela positiva: O endiabrado Di Maria, a exibição completa de César Peixoto, o golão de Cardozo e o inconformismo de Liedson, pela negativa, a atitude irresponsável de João Pereira e a anarquia evidente no reino do leão.
Arbitragem de Benquerença, não foi isenta de erros, como é normal, mas no lance capital decidiu bem, a entrada de João Pereira é uma agressão e ponto final.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

DIA D (ERBY) - É sempre um jogo e emoções.

--- Joga-se hoje aquele que será o 2º derby da época e penúltimo da temporada, um jogo que gera sempre grandes emoções entre os adeptos de ambas as equipas, em que se espera que de facto não seja mais do que isso mesmo, um bom jogo, com muito apoio, mas sempre, sempre com o civismo que tanto prezo, sem episódios tristes protagonizados pelos energúmenos do costume, que por vezes, mais não fazem do que estragar um grande jogo que deve sempre ser encarado como uma festa do futebol e nada mais que isso, pelo menos é esta a mensagem que quero fazer passar, porque sou anti violência e pró espectáculo do futebol, com colorido e muita animação.
    Quanto ao jogo em si, costuma-se dizer que um derby é sempre um jogo de tripla, concordo plenamente, que muitas das vezes ganha quem está pior, é um facto, que o momento das equipas pouco conta nestes jogos, sem dúvida e é isso que torna os derbys tão emocionantes.
    Para o Sporting, em virtude da má classificação no campeonato, da eliminação na Taça de Portugal e pelo facto da sua qualidade de jogo e dos reforços não poderem ser utilizados na Liga Europa, o futuro na competição é dúbio, o derby de hoje é com toda a certeza a única tábua de salvação da temporada, nele o clube, joga todo o resto da temporada e uma eventual derrota, pode conduzir a equipa leonina para um colapso sem fim à vista até ao final da temporada, em que a ira dos seus adeptos, legitimamente desiludidos com a sua equipa, possam vir a colocar tudo em causa, desde o treinador, ao próprio Presidente, o qual não tem sido isento de muitos e graves erros de gestão, sendo mesmo em alguns casos, uma profunda desilusão para uma grande maioria de adeptos, que viam nele o rosto ideal para primeira figura do universo leonino, daí, que o jogo de hoje, seja para a equipa de Alvalade muito mais que um derby, a ver vamos, como vai reagir a equipa a tamanha pressão, sabendo-se de antemão, que o Sporting normalmente se galvaniza nos confrontos contra o Benfica.
   Num entanto, ganhando hoje, a equipa leonina ganha uma vitamina B(enfica), ou seja, nada melhor depois de tantos resultados adversos, do que vencer o Benfica, facto esse, que pelo menos num curto espaço temporal, colocaria para trás das costas, o imenso rol de problemas no seio da equipa e faria pelo menos que os sorrisos voltassem aos rostos dos seus atletas, dirigentes e simpatizantes.
    Já para o Benfica, este é mais um jogo, daqueles que obviamente todos querem e vão dar tudo para vencer, mas que no fundo e em função do momento actual da equipa, não significa mais que um jogo, especial, mas mais um jogo e digo isto em função do Benfica ainda estar na corrida ao título e em posição previligiada para o conseguir, pese a excelente concorrência do Braga e do sempre perigoso Porto e creio, que o Benfica não vai hipotecar as hipóteses de vencer a Liga Sagres em detrimento deste jogo, porque essa sim é a mais importante competição da temporada para o Benfica. Mas esta equipa tem ainda a Liga Europa, tal como o seu adversário de hoje, mas com nitidas vantagens na prova, desde logo pelo facto de todo o seu plantel poder ser ali utilizado, depois porque a qualidade do seu futebol faz com que haja esperança de ir longe na prova e porque me parece que a concentração da equipa está mais virada para estas duas competições.
    Contudo, que fique bem evidente, que isto não são desculpas antecipadas em caso de derrota, são sim a constatação de uma evidência, porque obviamente logo vou estar a sofrer a a torcer pelo meu clube, mas confesso que trocaria os 2 pontos perdidos em Setúbal por este jogo.
    Jorge Jesus tem necessariamente de dar alguma frescura à equipa e rodar alguns jogadores, mas pelo que se sabe, não vai fazer muitas alterações, Aimar, deve no fundo ser o principal ausente dos titulares, e possivelmente Maxi Pereira também irá descansar, de resto será o onze base, até porque Di Maria e Javi, não vão poder defrontar o Belenenses por castigo.
   Com isto tudo, não se pode dizer que é só o Sporting que vai pressionado para este jogo, nada disso, o Benfica também vai, até porque vem de um mau resultado e caso seja afastado da Taça da Liga, serão dois maus resultados seguidos da equipa e esse facto, nesta fase da temporada, pode criar sequelas psicológicas dificeis de ultrapassar, até porque o Benfica, durante esta temporada ainda não fez dois maus resultados seguidos, mas também é verdade que ainda não conseguiu ganhar quando começou a perder.
   Espera-nos portanto um grande jogo logo à noite em Alvalade, pena que o interesse que este jogo está a despertar seja pouco e que sejam esperados pouco mais de 30 mil espectadores e o meu mais profundo desejo é que o jogo decorra sem problemas dentro e fora das quatro linhas, seja altamente disputado e que quem vencer o faça porque foi melhor e já agora que o melhor seja o Benfica.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

UM DIA MAU - apenas 1 ponto por culpa própria.

--- A beleza do futebol está nisto mesmo, por vezes há dias maus e julgo que foi isso que sucedeu neste confronto no Bonfim, embora também devemos ser justos e reconhecer muito mérito ao V. de Setúbal e ao seu treinador Manuel Fernandes, pela forma como soube manietar o Benfica do meio - campo para a frente e essencialmente pelo modo simples e prático com que criava boas situações de contra-ataque.
 Mas vamos à jornada:
SETÚBAL 1 BENFICA 1 - Empate justo, num jogo quase sempre de luta e pouco futebol, em que o Benfica perde 2 pontos por culpa própria, ao desperdiçar uma grande penalidade á beira do fim da partida.
  O Jogo começou com um Setúbal bem fechado no seu meio campo, com uma barreira de 8 unidades sempre junta, facto esse que tirou espaço entre linhas ao Benfica e não lhe permitiu dar velocidade ao seu futebol, nada de muito novo, o que mais surpreendeu foi que mesmo com tanta unidade cá atrás, o Setúbal conseguia em contra ataque criar perigo na área do Benfica.
   Mas, sem que nada o fizesse prever, na sequência de um canto, o Benfica coloca-se bem cedo em vantagem, num lance feliz, julgando-se que o mais complicado estava feito e que a partir desse golo, os setubalenses teriam de abrir o seu jogo, mas foi puro engano, o Setúbal continuou igual a si mesmo e ganhou mesmo uma força moral extra à passagem da meia - hora com um autogolo infantil de David Luíz e digo infantil, porque não só a bola cruzada ía direita às mãos de Quim, mas também porque sem estar pressionado, não se percebe porque razão é preciso dar tamanho "charuto" na bola, se o alívio fosse feito com mais ponderação, certamente não seria autogolo.
   O jogo continuou com muita luta, mas a verdade é que até ao intervalo, não houve grandes lances de golo.
Na 2ª parte, o Benfica entrou a tentar dar mais velocidade ao seu jogo e a carrilar o seu futebol mais pelas alas, mas a equipa do Setúbal, pelo menos até aos 20 minutos da 2ª parte lá se foi aguentando muito firme.
   Nesse período pode o Benfica queixar-se de uma mão de Zoro na área para grande penalidade, num lance, em que apesar de tudo, se deve reconhecer que devido à proximidade dos jogadores, qualquer decisão seria aceitável.
    O jogo começou então a partir-se um pouco, alguns jogadores do Setúbal começavam já a acusar algum cansaço e o Benfica a criar mais espaços, mas também a conceder mais espaços e foi na sequência desse espaço, que primeiro Di Maria vê ser-lhe negada uma penalidade por ser rasteirado por Colin e ainda por cima foi castigado com cartão amarelo e o Setúbal vê ser-lhe negado um golo limpo e uma situação clara de jogo a Neca, que foi muito mal analisada pelo fiscal de linha, quando este mesmo jogador caminhava em posição previligiada para a área do Benfica, numa noite de muitos erros de Jorge Sousa.
    Quando já havia gente a abandonar o Bonfim, eis que Zoro infantilmente, chega atrasado a uma bola que Kardec desvia, atropelando autenticamente o jogador encarnado mesmo nas barbas de Jorge Sousa, que à tereceira lá assinalou o respectivo penalti, que diga-se não merece qualquer contestação.
   Eis a oportunidade de Ouro caída do céu, mas Cardozo, volta a acusar a pressão deste lance decidir um jogo e manda uma bomba, só que desta vez à barra, esfumava-se aqui a oportunidade de somar 3 pontos, que espero, não venham a revelar-se decisivos nas contas finais, mas que no fundo ao ser concretizado não daria Justiça no marcador, pois a equipa de Setúbal não merecia tamanho castigo.
Pela positiva, algo que venho destacando, o Benfica jogou mal, é certo, mas os seus jogadores lutaram e revelaram sempre inconformismo e isso agrada-me muito e também pela excelente postura competitiva da equipa do Setúbal, com muito mérito do seu treinador, pela negativa, o facto do jogo ter tido poucos momentos de bom futebol e a desastrada arbitragem de Jorge Sousa, com prejuízo quase idêntico para ambas as equipas.
Arbitragem de Jorge Sousa, muito negativa, com vários erros muito graves, 2 penaltis por assinalar contra o Setúbal, um golo muito mal anulado ao Setúbal e um fora de jogo mal tirado a Neca que partía isolado para a baliza do Benfica, claramente em noite não, mas valha a verdade que foram muitos erros, mas na condução do jogo, não se notou tendência para este ou aquele opositor, o que nos tempos que correm já não é mau.
SPORTING 1 ACADÉMICA 2 - Não tomei muita atenção ao jogo, pois há hora do mesmo, costuma ser a minha hora "mini fresca", após a futebolada semanal, mas pelo resulo e pelo que li, mais uma vez esta equipa leonina mostrou-se muito nervosa e ansiosa, facto esse que lhe tira algum descernimento, continuando a ser demasiado permeável a nível defensivo, com um Tonel muito em baixo de forma, um Patrício infeliz, um Polga irreconhecível e um Grimi muito mau.
   Pelo que fui vendo na televisão, nomeadamente na 2ª parte, vi uma Académica sempre com um futebol mais coerente e lógico, bem apoiado, com os seus jogadores a decidirem as jogadas com critério e a sua destribuição em campo a saber limitar os espaços, demonstrando uma grande organização colectiva, por mérito de um treinador que me começa a deixar com água na boca.
   Apesar de tudo isso, embora muito com o coração, o Sporting atacou mais, rematou mais, mas foi quase sempre inificaz na finalização e à medida que o tempo passava, com a natural reacção de desagrado do público, os nervos imperavam cada vez mais e depois, quando as coisas estão mal, parece que a sorte foge também, como foi no caso em que no último minuto, Amoreirinha, tira a bola rematada por Saleiro do risco de baliza, permitindo assim à Briosa arrecadar os 3 pontos.
Pela positiva, a excelente capacidade táctica da Académica, pela negativa, a má forma evidente de alguns jogadores leoninos e o nervosismo que a equipa demonstra.
Arbitragem com influência no resultado, pois Saleiro sofre grande penalidade, ao ser puxado por um adversário na área de rigor, facto esse que poderia vir a dar o empate a duas bolas.
  Não vi o jogo do Porto com a Naval, nem vi qualquer imagem do mesmo, mas quando se ganha por 3 a 0, não há muito que dizer e pelo que sei, o jogo foi sempre de sentido único.
   Falta ainda para terminar esta jornada o Belenenses - Braga, num jogo que pode permitir aos bracarenses, ficarem a 1 ponto do Benfica, mas com a possibilidade de posteriormente se isolarem no comando da Liga, quando tiverem o mesmo número de jogos.
    Após isto, resta-me dizer que vem aí mais uma sempre ansiado derby lisboeta, jogo esse que os adeptos adoram, mesmo a brincar e apesar deste jogo ser numa competição menor, obviamente ninguém o quer perder, embora volte a repetir, que este jogo deve ser aproveitado para dar descanso a alguns jogadores e minutos a outros, o jogo é muito mais importante para o Sporting que para o Benfica.
   Nestes jogos, normalmente pouco conta o momento que as equipas atravessam e sabe-se, quer pela boca de jogadores, quer dos seus adeptos, que este é o jogo mais importante para o Sporting, não por ser a única prova em que verdadeiramente o Sporting tem chances de vencer, mas pelo seu adversário ser o Benfica, preocupação essa que já vem de longe, com Adrien ainda antes do jogo da Taça de Portugal com o Porto, a dizer que iriam fazer de tudo para vencer o Benfica.
   Os seus adeptos afinam pelo mesmo diapasão, pois que se lixe a Taça de Portugal, a partir do momento que souberem que era o Benfica que iriam defrontar na meia final da Taça da Liga, esse passou a ser o seu grande objectivo, a ver vamos como corre.
    Em  relação ao onze que eu usaria neste jogo, é muito fácil, como não quero perder mais pontos no campeonato, relegava este jogo para 2º plano, algo que sei que Jorge Jesus não vai fazer e colocava a seguinte equipa em campo: Júlio César, Ruben Amorin, David Luiz, Miguel Vitor e César Peixoto, no meio campo: Javi Garcia Ramires Carlos Martins e Éder Luis, no ataque Nuno Gomes e Kardec, julgo que seria um onze competitivo e que ao mesmo tempo faria descansar as principais unidades do onze base.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

TUNEIS E MAIS TUNEIS - Já estou farto de tanta paravoíce.

--- Sinceramente, já estou enojado de todas estas historietas mal contadas de tuneis e mais tuneis, de castigos e mais castigos e da falta de vergonha que assolou o futebol português, com declarações desprovidas de cabimento de pessoas com responsabilidades, de cabalas montadas, que fazem com que não se venda o futebol e que cada vez mais as pessoas se afastem dos estádios, porque convenhamos, não é fácil assistir a este farrabadó de idiotices de certas pessoas todos os dias.
   Este será seguramente o meu último post relativamente a este assunto, mas há coisas que não posso deixar de dizer, porque de facto a mentira no sentido de desvalorizar aquilo que de bom o Benfica vem produzindo é muita e cheira mal.
Já num comentário meu, deixei estas ideias bem presentes, agora, cada um que acredite naquilo que quiser, ou naquilo que mais lhe convém para a defesa de outros interesses: Vamos então por partes:
     No túnel de Braga - Nas imagens em directo na TV, atenção, não são as que os clubes colocam cá fora, foram em directo e toda a gente viu,  pergunto, alguém vislumbrou elementos do Benfica a agredir? Claramente não, pese embora o desespero do SC de Braga em colocar umas imagens a circular no sentido de dizer que Raul José, actual adjunto de Jesus, agrediu Vandinho, mas em que nitídamente lhe saíu o tiro pela culatra, pois o que se vê com toda a clareza é Raul José a afastar Vandinho e um jogador do Benfica, antes que estes se travassem de razões e foi por não gostar disso que o jogador bracarense, disparou a sua fúria sobre o adjunto do Benfica. Vê-se alguém do Braga a agredir? Claramente e assim é fácil concluir quem foi réu e quem foi vitima,  isto para quem ainda discute estas situações com o mínimo de honestidade.
    Por isso é ridícula esta teoria de vitimização das hostes bracarenses, que no fundo e em público, não fazem mais do que defender a arruaça, legitimando os seus atletas para baterem em tudo o que mexe e incentivando-os à violência, é a pobre mentalidade tacanha dos nossos dirigentes.
   De revoltar e facto esse que devia ser devidamente apurado, é que perante aquilo que toda a gente viu e com a equipa de arbitragem toda a assistir ao vendaval de porrada que os jogadores encarnados estavam a levar, que Jorge Sousa nada tenha colocado no seu relatório, isso sim é um caso de Polícia.
  Na minha perspectiva, existem apenas duas coisas que podem e devem ser questionadas, o timing da decisão, essencialmente pela sua morosidade, factor esse que retira alguma credibilidade a quem pune e os regulamentos em si, mal feitos e aí a culpa é exclusiva dos próprios clubes que os aprovam. Ou seja, estas decisões devem ser céleres, decididas na mesma semana, pois assim há muito mais sentimento de Justiça, mas a verdade nua e crua é que todos clamam por Justiça, mas quando ela é aplicada contra as suas cores, todos condenam a Justiça, é o princípio viva a Justiça desde que só doa aos outros.
   A falta de escrúpulos é tanta, que uma equipa que vem jogando sistematicamente às 6ª feiras, antes dos seus adversários, venha agora na voz do seu subalterno Presidente, dizer que o Benfica até antecipa jogos para ser líder, o que dito por um empregado de outro Presidente não é para levar a sério, mas a verdade é que o Benfica, apesar das costas imensamente largas, não tem culpa, que o Braga já só esteja a disputar o campeonato e que o Benfica tenha muitos mais compromissos pela frente, mas fica-lhe a consolação, de agora ter milhões de adeptos bracarenses, vindos abruptamente de outro clube.
    Fechando o assunto Braga, abre-se o assunto Nacional, houve de certeza altercações, algum desaguisado entre elementos do Benfica e do Nacional, mas será que foi o que Ruben contou? Não me parece, senão na altura dos factos tinha dado os mesmos promenores dos quais se lembrou após assinar pelo Porto, que curiosamente está também ele envolvido em situações semelhantes, de facto estranha-se que este jogador tenha apenas dito após o jogo que se passaram coisas estranhas e  três meses depois e num clube rival, qual pau bem mandado, vem com uma história que se exige que a prove.
   Com o Porto, porque raio se culpa o Benfica? Afinal de contas só se vê portistas a bater, ou é mentira? Mas vamos por pontos: - Ponto 1 - Os stewards estavam ali colocados por ordem do delegado da Liga e não do Benfica,como é público; ponto 2, Fernando faz um golpe de Karaté na manga do túnel, ponto 3, O tal chefe dos stewards vai verificar a manga e comunica ao Delegado da liga um possível dano, ponto 4, alguns jogadores do Porto e Benfica cumprimentam-se, assim como Jesus a Reinaldo teles, seguindo ambos para as cabines, excepto Hulk, que ali ficou, se calhar já cheio de boas intenções, ponto 5, os jogadores do Porto estavam todos reciolhidos na cabine, então porque raio vieram todos a correr chamados por um elemnto do staff portista? Ponto 6, as provocações de que se fala não são visiveis, o que se vê é uma discussão acesa de Reinaldo Teles e esse tal chefe dos stewards, se calhar por causa daquilo que o Fernando fez e depois vem tudo dar porrada, quando digo tudo, vários elementos do Porto, perante isto que culpa tem o Benfica?
  A não ser que se considere provocação o Saviola ter marcado o golo da vitória.
Mas o mais triste e ridículo é a memória curta, lá está é o que dá o ódio, depois de tudo o que o Porto já fez em tuneis e tuneis e mais tuneis, nunca vi condena-los,
   Mas sobre esta questão e para finalizar as polémicas que querem fazer ao Benfica, não posso deixar de referir a curiosidade que os problemas de violência contra o Benfica existentes, foram precisamente com o Porto e com os seus 2 aliados (Olhanense e Braga) e se o Benfica é denominador comum, a razão é simples, o ódio de o ver à frente, sim, porque quando o Benfica está mal não vejo tamanha polémica, lá está nessas alturas o futebol português é uma escola de virtudes, ou seja, desde que o Benfica não ganhe o futebol em Portugal é um exemplo a seguir, até porque aquilo que interessa é saber e condenar quem colocou as escutas ao alcance de um clique, não é o conteúdo.
   O que realmente e na minha perspectiva aconteceu, foi uma organização orquestrada por determinado clube, apoiado nos seus aliados, para nos jogos com o Benfica, provocarem, baterem e tentarem denegrir a imagem do clube, mas, como isto agora funciona um pouco melhor em termos de Justiça, virou-se o feitiço contra o feiticeiro, não é à toa, que após os incidentes de Braga, avisados pelo que ainda pode vir a ser provocado, os jogadores do Benfica, só recolhem aos balneários após os seus adversários o fazerem.
   A razão porque estas histórias não acontecem com certos clubes, é muito simples, é que esses clubes, ao contrário do Benfica, não são encarados como alvos a abater, não são considerados rivais de espécie alguma, onde todos os meios servem para atingir os fins e como tal, passam despercebidos em todo este imbróglio, até porque basta relembrar aos menos atentos, que nestes últimos anos, o clube que ficou atrás do Porto não foi o Benfica, mas o alvo de ataque do Porto, sempre foi o Benfica.
   A mim já não me deveria espantar, mas fico no mínimo estupefacto que determinado Presidente de um clube chame anormal a um funcionário do Sporting, diga que humilharam em público o actual Presidente do Sporting e os adeptos e figuras públicas leoninas, felizes da vida ainda se riem, há sim senhor!è caso para dizer ofendam, roubem-nos, maltretem-nos que nós como bons masoquistas adoramos, enfim é triste e eu tinha vergonha de venerar quem tão mal me trata, mas cada um sabe do seu orgulho.
   Posto isto, para mim acabou, vou apenas limitar-me a falar do que gosto, do futebol dentro de campo e aí, ganhe algo ou não no final da temporada, até à presente fase da temporada, o Benfica é a equipa que melhor joga, tem 50 golos em 18 jogos na Liga, 40 de diferença entre marcados e sofridos, 2 avançados que têm mais golos que 14 equipas da Liga, é a única equipa a encher estádios e a dar  receitas a outros e contra esses factos não há argumentos, daí, a tentativa de se arranjarem outros argumentos porcos e vindos de gente sem o mínimo de escrúpulos. Valha-nos o reconhecimento do grande sportinguista Manuel Fernandes, que apenas diz que este Benfica é o melhor dos últimos 20 anos, que joga um futebol fantástico e que pode enxovalhar qualquer equipa, pena, a maioria dos adeptos do seu clube, não terem a mesma nobreza de caracter.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

NOITE DE GALA - Bom futebol, golos, enfim o efeito túnel da classe.

--- Em primeiro lugar e porque tenho ouvido dos mais disparatados e absurdos comentários, de quem, mais uma vez, movidos pela sua estupidez natural, tentam desvirtuar a verdade, quero dizer, que para quem ainda tem um pingo de cérebro, é perfeitamente compreensível e visível aos olhos que qualquer pessoa que não anda no futebol só para falar mal, que a razão para a antecipação deste jogo, não estava, nem nunca esteve, no objectivo de saltar para a liderança da Liga, até porque esta é sempre fictícia enquanto as equipas não têm todas o mesmo número de jogos. A razão, lógica, compreensível e perfeitamente natural, está no facto de que caso o Benfica não antecipa-se o jogo, jogaria 5ª feira para a Liga Europa, Sabado ou Domingo para a Liga e 3ª feira de novo para a Liga Europa, ou seja, 5 dias para 3 jogos, em que obrigatoriamente entre dois jogos, o Benfica teria pouco mais de 24 horas entre cada jogo, acho que está fácil de perceber.
   BENFICA 3 U. LEIRIA 0 - Sinceramente esperava mais dos leirienses, mas não sei se por mérito do Benfica, se por demérito adversário, o jogo teve um denominador comum, vestido de vermelho e que apesar da intensidade do jogo não ser muito elevada, teve momentos de pura magia e bom futebol, como o povo gosta.
   Entrou bem o Benfica, empurrando um adversário que se apresentou muito cauteloso para a sua área, pelo que os lances de perigo íam surgindo com relativa facilidade, até que bem cedo, logo aos 10 minutos, numa jogada fantástica de tabela, entre Saviola - Aimar e de novo Saviola, com um cruzamento perfeito para Cardozo, o Benfica inaugura o marcador, tornando a sua missão mais fácil.
   Com o golo do Benfica, esperava-se que os leirienses corressem alguns riscos, mas não, a teia estava montada e a equipa do Lis, continuava com 11 jogadores atrás da linha da bola, sem correr qualquer risco ou criar qualquer susto nas imediações da baliza de Quim, pelo que o resultado ao intervalo era lisonjeiro para a equipa da U. de Leiria.
 Na 2ª parte, houve ainda mais Benfica, uma entrada forte, no sentido de resolver cedo o jogo e se logo aos 3 minutos, ficou um claríssimo penalti por assinalar a favor do Benfica, com um defensor a defender com os punhos na sua linha de baliza, um remate de Saviola após jogada magistral de Maxi Pereira.
   Mas, ao contrário da temporada passada, este Benfica, porque joga bem e tem mentalidade ganhadora, consegue tornear más decisões de arbitragem, nunca perdendo o descernimento, pelo que aos 60 minutos e dando corolário lógico a tamanho domínio, o Benfica faz o 2º golo por Saviola, numa arrancada fulgurante da esquerda para o centro, colocando a bola entre o poste e Djuricic e se dúvidas ainda houvessem, elas ficaram dissipadas com este golo.
  Jorge Jesus, percebendo que o adversário era pouco mais que inofensivo e que o jogo estava perfeitamente controlado, começa a poupar a equipa e a rodar os jogadores, sabendo a sobrecarga de jogos que lhe espera, tirou Saviola, Aimar e Ramires, entrando Éder Luís, Kardec e Amorin e naturalmente, a equipa baixou a sua intensidade de jogo, mas sempre à procura de mais golos.
   O Leiria, continuava a ver jogar, com pouca chama e completamente rendida à superioridade adversária, nem a entrada de Cássio deu mais fulgor ofensivo a uma equipa que apenas teve um lance de relativo perigo na sequência de um canto e perante tamanha fragilidade, já para lá do minuto 80, Amorin faz o golo da noite, com um remate forte e colocado de fora da área sem hipóteses de defesa, golo esse, que culminou da melhor maneira mais uma boa e justa vitória da equipa que até ao momento practica o melhor futebol em Portugal, por muito que isso doa a muita gente e lhes provoque uma espécie de efeito túnel, que lhes desvia o olhar dessa tremenda evidência.
Pela positiva: Saviola e Aimar, a bola naqueles pés, parece mais redonda e o grande golo de Amorin, pela negativa: a falta de ambição demonstrada pela U. Leiria, que mesmo em desvantagem no marcador, nunca esboçou qualquer tipo de reacção.
Arbitragem de Marco Ferreira, foi negativa, um penalti do tamanho do mundo e consequente expulsão perdoada ao Leiria e 2 foras de jogo muito mal tirados a Di Maria e Cardozo, os quais partiam completamente isolados para a baliza adversária.
  Esta semana, ficou ainda marcada pelos jogos da Taça de Portugal que apenas terminam hoje, com o Paços de Ferreira - Chaves e o jogo mais marcante foi o Porto 5 Sporting 2, num jogo em que o Porto se exibiu a grande nível, contra uma equipa neste jogo se mostrou sem chama, caracter e categoria, com uma maciez no meio campo impressionante, dando espaços a rodos e sem fio de jogo. Desse facto aproveitou-se o Porto, que mais ligado entre sectores, soube colocar as individualidade a jogar para o colectivo, num jogo em que tudo lhe saiu bem, com bons golos e um Falcão a demonstrar que é de facto matador.
 De froma surpreendente, pelo menos para mim, o Braga despediu-se também da Taça, sendo derrotado nas grandes penalidades, contra um Rio-Ave que venho dizendo, que atendendo à relação de qualidade e de nomes no seu plantel, é talvez a equipa mais bem organizada do campeonato e disso deu mostras nesta eliminatória, juntando-se assim ao Porto e à Naval nas meias finais.
  Com estes adversários, julgo que a equipam portista, tem o caminho aberto para o Jamor, mas, nestas coisas do futebol, nunca se deve dar nada como adquirido.
NOTA: Como o Benfica, em 18 jogos, jogou à fantástica marca de 50! golos, veja aqui os 10 melhores:
http://desporto.sapo.pt/futebol/primeira_liga/artigo/2010/02/04/os_10_melhores_golos_do_benfica.html
 

SEMPRE BENFICA

Loading...
Adaptado por Blogger Benfiquista